Finanças do Bahia em 2016



Durante muito tempo torcedores do Bahia me pedem uma análise específica sobre as finanças do tricolor baiano.

O clube acaba de publicar seu balanço referente ao exercício de 2016.

As receitas apresentaram um grande salto e passaram de R$ 85 milhões em 2015 para R$ 121 milhões em 2016.

Esse crescimento foi resultado do aumento dos recursos provenientes dos direitos de TV que atingiram R$ 91 milhões ou  75% da receita total do clube.

Em 2015 , a TV gerou R$ 44 milhões ou 52% das receitas.

Não há dúvida que o clube evoluiu, especialmente pelas luvas recebidas, mas está extremamente dependente de uma única fonte de receita.

As luvas contribuíram para a melhora momentânea dos números. A questão é saber se em 2017 isso se manterá, já que são receitas extraordinárias.

receitas Bahia

Vale destacar o incremento de 58% nas receitas com patrocínios que passaram de R$  5,7 milhões para R$ 9,0 milhões.

Fontes

Com o aumento nas receitas o clube ampliou seus gastos com o departamento de futebol, que passaram de R$ 48 milhões para R$ 64 milhões, uma evolução de 33%.

custo

Com o aumento das receitas, a relação custo com futebol/ receitas apresentou o maior equilíbrio de toda a sua história.

Os custos com futebol representam 53% das receitas.

Com esse equilíbrio financeiro o tricolor apresentou novamente superávit como em 2015. No ano passado o superávit foi de R$ 21,8 milhões.

Nos últimos dois anos os superávits somados foram de R$ 51,2 milhões.

É sem dúvida o melhor resultado da história do clube!

Superavits

Já o endividamento do clube permanece elevado.

Em 2016, as dívidas do clube atingiram R$ 166 milhões, frente aos R$ 163 milhões de 2015, aumento de 2%.

Mas bem abaixo do pior momento do clube em 2014, quando as dívidas atingiram R$ 216 milhões.

Dividas



  • ramon morays

    BBMP!!!

MaisRecentes

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo

Clubes brasileiros estão completamente dependentes da TV



Continue Lendo