FIFA está no prejuízo



A entidade máxima do futebol mundial, FIFA, apresentou recentemente seu relatório financeiro e os resultados não são nada positivos. A entidade encerrou 2017 com prejuízos de US$ -192 milhões, frente aos US$ -369 milhões de perdas em 2016.

Isso significa que em dois anos os prejuízos da FIFA ultrapassam inacreditáveis US$ -561 milhões. Desde o fim da Copa de 2014 no Brasil, o acúmulo de prejuízos já soma US$ -683 milhões.

Muitos afirmam que esses prejuízos somente são consequência do novo formato de contabilização de seus balanços. Realmente a entidade mudou a forma de contabilização, assim entre 2015-2018 vai faturar US$ 5,6 bilhões, sendo US$ 3,9 bilhões em 2018.

A perspectiva muito otimista da FIFA é encerar este ciclo de quatro anos com US$ 100 milhões de lucro. Uma ninharia perto de seu passado riquíssimo.

Para isso ocorrer terá que faturar muito e controlar os custos, já que terá que reverter quase US$ 700 milhões em perdas.

Após a Copa do Mundo no Brasil e as denúncias de corrupção com a Copa de 2022 no Catar, a FIFA enfrentou a maior crise de sua história recente. Joseph Blatter, o todo poderoso presidente da entidade foi obrigado a renunciar em 2015, após forte pressão dos patrocinadores.

A atual gestão tenta de todas as formas minimizar tudo que ocorreu desde então, mas a verdade que a entidade nunca mais foi a mesma.

Os pesados prejuízos são reflexo da falta de credibilidade de uma organização que mesmo com as mudanças em seu comando, permanece com uma imagem nada transparente.

Se o futebol mundial tem uma péssima imagem perante à opinião pública mundial, muito disso é reflexo deste modelo obscuro praticado pela FIFA.  E isso acaba refletindo em outras organizações esportivas pelo mundo também, como aqui na CBF.

Segundo o relatório da FIFA, assim que acabar a copa da Rússia todos os olhos de voltarão para o Catar. Uma ditadura sanguinária que está no epicentro de toda a sua crise atual. Infelizmente a FIFA seguiu um caminho pouco inteligente na escolha das sedes de seu principal evento.

A sequência: África do Sul em 2010, Brasil em 2014, Rússia em 2018 e Catar em 2022 são um claro indicio de como os impactos de países com alta corrupção, pouco profissionalismo e nenhuma transparência, afetaram sua credibilidade e suas finanças.

Se hoje a FIFA sofre financeiramente, isso tudo é resultado de suas próprias escolhas, e este modus operandi que não privilegia em nada as boas práticas de gestão corporativa.

Empresas como Adidas, Coca-Cola, Hyundai e Visa são obrigadas a verem suas marcas atreladas ao que há de pior em termos de gestão esportiva.

A Copa do Mundo que deveria significar apenas festa e alegria, carrega consigo a imagem de corrupção, má gestão de recursos públicos e até mortes como no caso do Catar.

Por mais que o atual presidente da FIFA tente passar uma mensagem de tranquilidade, as perdas financeiras da entidade são a prova que seus problemas estão bem longe do fim.



MaisRecentes

Finanças dos clubes brasileiros em 2017



Continue Lendo

São Paulo melhora números financeiros



Continue Lendo

Finanças do Corinthians em 2017



Continue Lendo