Desmanche corintiano e como calcular as cláusulas de rescisão



O assustador desmanche que passa o Corinthians para muitos é consequência da força econômica dos magnatas chineses. Inclusive na segunda- feira publicarei um artigo no Lance! sobre o tema.

Mas o que fica mais evidente em toda essa questão é a gestão dos contratos dos jogadores do atual campeão brasileiro. O time está em frangalhos para disputar um ano dificílimo. As multas contratuais poderiam ser altíssimas, a legislação permite 2.000 vezes o valor da remuneração pactuada no contrato e um valor ilimitado para o exterior, que valeria para todas as “aquisições chinesas”.

A Lei é clara:

§ 1º O valor da cláusula indenizatória desportiva a que se refere o inciso I do caput deste artigo será livremente pactuado pelas partes e expressamente quantificado no instrumento contratual:

I – até o limite máximo de 2.000 (duas mil) vezes o valor médio do salário contratual, para as transferências nacionais; e II – sem qualquer limitação, para as transferências internacionais.

§ 2º São solidariamente responsáveis pelo pagamento da cláusula indenizatória desportiva de que trata o inciso I do caput deste artigo o atleta e a nova entidade de prática desportiva empregadora.

§ 3º O valor da cláusula compensatória desportiva a que se refere o inciso II do caput deste artigo será livremente pactuado entre as partes e formalizado no contrato especial de trabalho desportivo, observando-se, como limite máximo, 400 (quatrocentas) vezes o valor do salário mensal no momento da rescisão e, como limite mínimo, o valor total de salários mensais a que teria direito o atleta até o término do referido contrato’

Infelizmente o torcedor corintiano acompanha pela mídia atordoado o que está ocorrendo imaginando o sonho do bi da Libertadores mais distante.

Se o Corinthians recebesse, ainda que apenas percentuais de valores elevados, poderia ir ao mercado e contratar bons jogadores, inclusive do exterior.

Os valores recebidos mal servirão para equilibrar as contas.



MaisRecentes

Discrepância dos direitos de TV no Brasil, um erro da Globo



Continue Lendo

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo