Corinthians melhora os números financeiros em 2016



Corinthians publicou recentemente seu balancete referente aos primeiros 9 meses de 2016.

O clube já atingiu a maior receita de sua história e até o momento faturou R$ 425 milhões. Em todo o ano passado as receitas do clube foram de R$ 298 milhões.

receitas-sccp

Depois de dois anos com grande dificuldade financeira, houve uma melhora em seus números financeiros. Em 2015 e 2014 apresentou déficits muito elevados, em cada exercício de R$ -97 milhões, isso significa perdas acumuladas de R$ -194 milhões em dois anos.

Em 2016 reverteu esse quadro de perdas e até agora apresentou superávit de R$ 69 milhões. As receitas cresceram mais de 40%, três meses antes do fim do exercício.

Um dos principais fatores foi o aumento significativo com transferências de jogadores, que com a investida chinesa apresentaram evolução de 178%. O desmanche corintiano rendeu R$ 144 milhões ao clube.

Outro aspecto foi o crescimento nos recursos com os direitos de TV, em virtude das luvas recebidas da Globo para o período de 2019-2024. Até agora, o clube já arrecadou R$ 196 milhões com TV.  Apenas como comparação, em doze meses de 2015, a TV produziu R$ 122 milhões.

Os patrocínios renderam R$ 49 milhões até agora, valor similar ao registrado em 2015, quando foram R$ 67 milhões. A bilheteria não é contabilizada nas contas do clube, pois fica para o fundo que administra a arena.

sccp-fontes

A grande questão é que os custos não foram reduzidos e o clube continua gastando mais e mais. Com altos gastos com futebol não será fácil se equilibrar sem os recursos com jogadores e essas luvas, que não se repetirão tão cedo.

Se, por exemplo, tivesse seguido o modelo adotado pelo Palmeiras em sua arena, já teria ultrapassado os R$ 500 milhões em receitas. Se ficasse com a bilheteria da arena, receberia ao menos R$ 70 milhões líquidos por ano.

No modelo atual, tendo que pagar um estádio de mais de R$ 1,2 bi, vê sua situação bem complicada.

Situação financeira não é tranquila

Os custos com futebol do Corinthians em nove meses de 2016 foram de R$ 242 milhões, contra os R$ 250 milhões de todo o ano passado. Isso significa que esse ano atingirá o maior valor da história do clube.

O clube do Parque São Jorge gastava R$ 21 milhões por mês com seu departamento de futebol e em 2016 essa conta já está em R$ 26 milhões mensais. As luvas estão sendo consumidas com os altos custos. Há dívidas com direitos de imagem de jogadores, que mesmo em queda, somam R$ 36 milhões atualmente.

sccp-custos

Outro ponto sensível na gestão corintiana são os custos com aquisições / transferências de jogadores. Em 2016, dos R$ 144 milhões gerados com as transferências, foram deduzidos R$ 70 milhões, restando para o clube apenas R$ 75 milhões.

Nos últimos cinco anos esses custos com aquisição e transferências já somam R$ 176 milhões, um volume astronômico de recursos.

Com o novo contrato da Globo já contabilizado e a redução das dívidas com empréstimos em mais de 30%, a dívida total do clube caiu 11%, passando de R$ 453 milhões em 2015 para R$ 402 milhões em nove meses de 2016.

Dívida fiscal aumenta

As dívidas fiscais do Corinthians não param de subir. A gestão do clube o transformou em um dos maiores devedores com o fisco do Brasil. Em 2012, as dívidas fiscais do clube eram de R$ 54 milhões.

Após ser autuado pela Receita Federal as dívidas fiscais pularam para R$ 169 milhões em 2013. Até setembro de 2016 os parcelamentos de impostos já estavam em R$ 198 milhões.

Enquanto muitos clubes recolhiam seus impostos, como por exemplo o Flamengo, Corinthians continuou devendo impostos e contribuições sociais, apostando na ajuda do Governo. Com essa estratégia foi duas vezes campeão brasileiro, da Libertadores e do Mundial de Clubes.



MaisRecentes

Finanças dos clubes brasileiros em 2017



Continue Lendo

São Paulo melhora números financeiros



Continue Lendo

Finanças do Corinthians em 2017



Continue Lendo