Copa do Mundo com 48 seleções é um erro



Na última terça feira a FIFA aprovou uma mudança muito significativa no formato da Copa do Mundo. A partir da edição de 2026, o número de seleções participantes saltará de 32 para 48, um aumento de 50%.

O objetivo é, segundo o discurso oficial, democratizar o evento, com acesso de mais seleções, que dificilmente se classificariam no modelo anterior.

O sucesso do mundial organizado pela FIFA sempre foi o contrário do que o novo presidente da entidade está tentando fazer.

Os jogos entre seleções em cerca de um, mês é um sucesso comercial, pois vale muito, especialmente desportivamente.  As partidas têm altas audiências pois apresentam qualidade, especialmente a partir das oitavas de final.

Quando a entidade máxima do futebol mundial ampliou a Copa do Mundo de 24 para 32 seleções, houve uma perda de qualidade do espetáculo. Os interesses políticos sempre pesaram muito nas decisões da Fifa.

A entidade faturou quase US$ 5 bilhões com a Copa no Brasil, US$ 4,2 bilhões na África do Sul e US$ 2,6 bilhões na Alemanha.

receitas-copa

As receitas em três edições cresceram incríveis 85%!

A expectativa da entidade é aumentar em ao menos 20% as receitas com as mudanças no formato. O orçamento para os próximos quatro anos mostra uma estagnação nas receitas.

Segundo seu balanço de 2015, o faturamento com patrocínios despencaram, passando de US$ 465 milhões em 2014 para US$ 257 milhões em 2015, valor similar ao de 2008.

patrocinios-fifa

Em minha opinião a entidade cometeu um erro grave a integrar 16 novas equipes ao mundial, nos mesmos 32 dias de competição. A qualidade do espetáculo será reduzida, indo contra o aspecto técnico, o principal fator de sucesso mercadológico no esporte.

Quanto mais partidas com baixo interesse, pior para o produto, especialmente no longo prazo. O que para FIFA é democratização, na prática pode resultar em queda de qualidade do produto final.

Se hoje a FIFA fatura US$ 5 bi em quatro anos com uma Copa do Mundo, a NFL movimenta por ano US$ 12,2 bilhões, com um conceito de escassez de partidas e alto valor agregado.

O conceito que a FIFA deveria adotar era criar uma pré Copa, para as seleções pior classificadas e poucas vagas, inchando o mundial o mínimo possível.

A partir de 2026 veremos uma piora nas qualidade das partidas, depois de uma Copa no Qatar, com tudo de ruim que isso representa. De compra de votos, a morte de operários em condições sub-humanas de trabalho.

Está claro que a gestão da FIFA e sua volta à praticas do passado, não representa nenhuma evolução desde os tempos de João Havelange e depois Joseph Blatter.

Champions League fatura mais que a Copa do Mundo

Gianni Infantino construiu junto com outros executivos um dos maiores cases de sucesso do mundo do esporte, a UEFA Champions League. Em termos comerciais a Champions fatura mais que a Copa da FIFA.

Um ano da principal competição de clubes do mundo equivale a quase US$ 1,6 bilhão, em quatro anos são mais de US$ 6 bilhões.

Assim como agora com a FIFA, a UEFA, sob gestão de Platini aumentou o número de equipes, também com intuito de agradar muitas Confederações Nacionais.

É notório que a Champions perdeu em qualidade. A competição é mais atraente apenas na fase de oitavas de final.  E na fase classificatória somente em partidas que envolvam gigantes europeus.

Pequenos precisam crescer por mérito

Todos os bons exemplos de sucesso no futebol atual vieram pelo mérito da gestão dos times e não por ajuda de cunho político.

O sucesso em campo, resultado da boa gestão, colocou times de menor orçamento e envergadura em posição de destaque.

Boa gestão é premiada com sucesso esportivo e comercial, criando o círculo virtuoso pela meritocracia.

Bem distante do que acordos políticos produzem.



  • Mario Carranza

    AE PREPAREM PRA ZAIRES,ILHAS VIRGENS,CONGOS,GROENLANDIS DA VIDA.O PIOR E QUE POR ABSOLUTA FALTA DE QUALIDADE,VOCE SE ARRICA A QUALQUER BRUCUTU POR INOCENCIA,QUEBRAR CRAQUES COMO MESSI,NEYMAR,CR7,ETC,SO POR SER BRUTO,NADA MAIS.

MaisRecentes

Impacto da violência para os negócios dos clubes



Continue Lendo

São Paulo em queda livre



Continue Lendo

Sucesso do futebol alemão começou fora de campo



Continue Lendo