Caixa representa 25% dos patrocínios dos clubes brasileiros



Minha coluna de hoje para o Lance!

As notícias que a Caixa permanecerá investindo nos clubes brasileiros mostra como estamos caminhando para trás no quesito marketing esportivo. Pelo que foi divulgado a dúvida é saber se o banco investirá ou não R$ 30 milhões por ano no Corinthians.

Esse pesado investimento ajuda muito a entender todo esse processo de deterioração do futebol no Brasil e como o atual governo mais atrapalha que ajuda no desenvolvimento do nosso mercado.

A Caixa tem todo o direito de investir em estratégias de marketing esportivo e o retorno do seu investimento pode ser comprovado em estudos de retorno de mídia. Sim o futebol foi bom para a marca.

Por outro lado, sua atuação direta como principal patrocinador do futebol brasileiro pode e deve ser questionada. O banco representa 25% de todo o mercado de patrocínio dos clubes brasileiros, que está estagnado e gerou R$ 467 milhões em 2014.

Os valores inflacionaram o mercado. Hoje marcas privadas se afastam do futebol e um dos motivos é o preço das propriedades. Até nisso os patrocínios da Caixa foram maléficos para o futebol brasileiro, pois pratica valores altos em um mercado com baixo valor agregado.

Receitas com patrocínios dos clubes de futebol no Brasil- R$ milhões

patrocinios-

Há também o aspecto mercadológico de um único patrocinador precisar ativar seu investimento em 10 talvez 11 clubes. Seria muito melhor 10 patrocinadores ativando suas marcas, que produziria muito mais impacto para o mercado. Outro ponto é o caráter nacional, doméstico da marca, frente aos desafios de globalização dos clubes.

Agora o mais grave é saber que esses investimentos jamais deveriam ocorrer, pelo aspecto ético. A Caixa é um banco estatal, que segue as diretrizes da Presidência da República. Se nosso Banco Central hoje é questionado pela falta de independência nas decisões, imaginem a Caixa.

Os clubes, grandes devedores dos órgãos federais, jamais deveriam receber um único centavo de recursos públicos. Muito pelo contrário, como prêmio por não pagarem impostos, FGTS e INSS recebem vultuosas verbas de marketing do banco estatal.

A última notícia é que a Caixa exigirá dos clubes patrocinados que cumpram o Fair Play Financeiro. A ideia é ótima, mas difícil não imaginar a ingerência do Poder Executivo. Portanto a Presidência da República deve estar intimamente ligada à decisão de usar a Caixa como player influente do nosso futebol. E porque não concluir que há claramente interesses político-eleitorais e de manipulação de massas.

Em minha opinião o Governo Federal erra em usar a Caixa para colocar milhões nos clubes. Se o objetivo é ajudar o futebol brasileiro o investimento deve ser direcionado para a base da pirâmide, em infraestrutura, capacitação de professores e material esportivo para a população carente. Isso inclusive adequaria o investimento no futebol à razão de existir da Caixa.



  • Cassiano Juliani

    Mas não, eles pensam que são os maiorais por ostentar grandes valores. Me diz como é ser sustentado pelo governo? Me diz como é ter um estádio com recursos públicos que poderiam e deveriam ser destinados a princípios básicos de um estado democrático de direito? O futebol já foi mágico, o dinheiro sucumbiu essa magia. Um jogador de futebol com 32 anos de idade que diz amar o clube que o colocou no mundo, exige um salário que sabe que o clube não tem condições de arcar, para então, voltar a vestir aquele manto que o Rei já vestiu.

  • SDJ56

    “A Caixa tem todo o direito de investir em estratégias de marketing esportivo e o retorno do seu investimento pode ser comprovado em estudos de retorno de mídia. Sim o futebol foi bom para a marca.”
    Onde estão esses retornos de mídia? O futebol foi bom para a marca é uma afirmação genérica.Não diz nada.A iniciativa privada bateu em retirada,mas não foi por causa da Caixa.Caiu fora, porque não costuma rasgar dinheiro.Um exemplo bem contundente é a Neoquímica. A CEF não precisa de retorno de mídia.Pra ela tanto faz.Não tem concorrência.Aparecendo ou não na mídia, o dinheiro do FGTS,Pis/Pasep,Fat e a grana pesada das loterias, continuarão abastecendo seus cofres religiosamente.
    O patrocínio dessa estatal a clubes de futebol é uma vergonha,uma imoralidade,um tapa na cara do contribuinte.É a farra do dinheiro público.

MaisRecentes

Impacto da violência para os negócios dos clubes



Continue Lendo

São Paulo em queda livre



Continue Lendo

Sucesso do futebol alemão começou fora de campo



Continue Lendo