Brasil é irrisório no mercado global de transferências



O futebol brasileiro é disparado o que mais exporta jogadores no planeta, em quantidade de atletas, mas nem de longe é o que mais fatura. Literalmente transferirmos milhares de jogadores, com baixo valor arrecadado.

Nada diferente de nosso passado colonial, antes era o pau brasil, cana de açúcar e café.  O mesmo ocorre com os jogadores, já que nos transformamos no mercado exportador de pé de obra.

Sempre cito o exemplo do café, de forma simbólica. Somos os maiores exportadores cafeeiros do planeta, mas são os países desenvolvidos que compram em sacas o nosso café verde, os torram por conta própria, e comercializam globalmente em caixinhas no supermercado, em diferentes países.

Transferimos grande parte dos jogadores em transações que não envolvem valores financeiros. E mesmo quando há movimentação financeira, somos irrelevantes na comparação com outros mercados.

Essa realidade fica ainda mais evidente analisando o estudo publicado pela empresa Prime Time Sport, de Barcelona, sobre o mercado de transferências na temporada 2016-17 das 5 maiores ligas da Europa.

O estudo apresenta dados recentes da janela de inverno e também da janela de verão passada.

O volume movimentando pelos grandes clubes europeus com transferências cresceu 48% nessa janela de inverno, atingindo o valor recorde de € 633 milhões. Na mesma janela anterior o valor foi de € 427 milhões.

A janela de verão passada já tinha movimentando valor inédito de € 3,2 bilhões. Somando as duas janelas, as transferências atingiram quase € 3,9 bilhões, maior valor da história.

Os times da Premier League lideram com folga, com € 1,6 bilhão de investimento, bem à frente dos demais mercados.

Transferencias por liga

Manchester City foi o time que mais investiu individualmente em aquisição de atletas em 2016-17, com € 206 milhões, seguido da Juventus com € 199 milhões e Manchester United € 185 milhões.

Times contratações

Os clubes europeus que mais investem, muitas vezes são aqueles que geram receitas com transferências. Por exemplo, Chelsea com a venda do Oscar para o Shangai SIPG arrecadou € 67 milhões somente nessa janela, e claro usa esses recursos para contratar.

Os times europeus não têm como objetivo principal vender atletas, mas sim o espetáculo. Se por uma boa proposta perdem um ídolo, logo já buscam reforços à altura, para fazer toda a engrenagem girar.

Esse sem dúvida é o verdadeiro abismo, em termos de mentalidade de gestão, que nos separa do mercado europeu.

E ainda fazemos mal as nossas transferências. Os clubes brasileiros são muito pequenos no volume global. Em 2016, os times do Brasil faturaram R$ 654 milhões com transferências internacionais de jogadores, ou € 191 milhões. Em um mercado internacional que supera € 4 bilhões.

Isso significa que representamos apenas 4,8% de mercado global. Muito pouco para quem transferiu mais de 4 mil jogadores nos últimos cinco anos.

China aqueceu o mercado

O estudo sobre as transferências mostra claramente a força da China. Os times chineses não apenas buscam seus jogadores na América do Sul, mas cada vez gastam mais em contratações de grandes times da Europa.

Segundo o levantamento, os chineses gastaram € 129 milhões na janela de verão e outros € 228 milhões nesta recente de inverno, totalizando € 357 milhões.

China

Na temporada 2015-16 os chineses já tinham investido outros € 407 milhões. Ao longo dos últimos cinco anos a China injetou € 1,1 bilhão no mercado global de transferências.

Os times chineses nessa última janela de inverno somente ficaram 18% atrás dos ingleses na aquisição de jogadores. À frente de todas as outras ligas do Velho Continente.

Fonte: Prime Time Sport



MaisRecentes

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo

Clubes brasileiros estão completamente dependentes da TV



Continue Lendo