Barcelona ultrapassa Real Madrid em receitas



No futebol mundial nenhuma disputa é mais acirrada atualmente do que a competição particular entre Barcelona e Real Madrid. Os rivais históricos ao longo de décadas vêm travando uma verdadeira batalha dentro e fora dos gramados.

Real Madrid cresceu muito desde o início dos anos 2000 com a consolidação do seu projeto dos galácticos, criado pelo presidente Florentino Pérez. Já o Barcelona teve um crescimento mais acentuado a partir de 2003, com a eleição do antigo presidente Joan Laporta e seu projeto de expansão internacional.

A maior diferença entre as receitas dos clubes ocorreu em 2003 e 2005 quando os merengues faturaram quase € 70 milhões a mais que os culés. E a menor diferença em 2015 quando Barça ficou irrisórios € 2 milhões atrás de seu eterno rival.

Pela primeira vez na história recente o time catalão superou as receitas do time madrilenho, que acaba de divulgar seus dados financeiros.

Na temporada 2015-16, Real Madrid alcançou a maior receita da sua história, com faturamento de € 620 milhões, crescimento de 7% em relação ao ano anterior.

No mesmo ano, Barcelona alcançou a marca também inédita de € 631 milhões, aumento de 10%. Se consideradas as receitas com transferências de atletas,  Barça faturou € 679 milhões, contra € 622 milhões do Real.

real-x-barca

Na comparação das fontes de receitas em 2016 o crescimento acentuado do Barcelona foi proveniente de receitas maiores que seu rival com marketing que atingiram € 268 milhões contra € 212 milhões do Real. E também com o Camp Nou que gerou € 176 milhões, frente aos € 154 milhões do Santiago Bernabéu.

Já em termos de direitos de TV o Real leva vantagem, muito impulsionado pelo título europeu de 2015-16. Na comparação o time de Madri alcançou € 254 milhões contra os € 168 milhões dos catalães.

Durante décadas os culés correram atrás do seu rival, buscando equilibrar a diferença. Enfim chegou o dia de comemorar essa vitória, já que não é pouca coisa superar o Real em receitas.

Ambos são os clubes que mais faturam no esporte mundial, inclusive mais que times de magnatas na Europa e também dos EUA, mesmo com estrutura jurídica de clubes.

Inclusive são os únicos modelos associativos que efetivamente deram certo no mundo do futebol, contra os gigantes empresariais que dominam a Europa.

Gastos salariais do Barça já eram maiores

Se a disputa acirrada entre Real e Barça por mais receitas mudou o cenário dessa disputa na última temporada, os gastos salarias dos culés já eram maiores há algum tempo.

Desde 2015 o Barça gasta mais com salários que seu rival. Em 2016 os custos salariais do Barcelona atingiram € 396 milhões contra € 307 milhões do Real Madrid.

gastos-salariais-real-x-barca

Na relação com as receitas, os merengues apresentam maior equilíbrio, já que seus gastos salariais representam 50% do faturamento, contra 63% do Barcelona.

Lucratividade foi idêntica

Real e Barça encerraram a última temporada com lucratividade idêntica, ambos fecharam 2016 com superávit de € 30 milhões.

A diferença é que o aumento dos gastos salariais dos merengues e redução dos ganhos com transferências fizeram com que houvesse uma queda de 29% no superávit, contra um aumento de quase 100% do Barcelona.

Em 2015 as punições e multas do caso Neymar fizeram com que o clube fechasse o exercício com lucro de apenas € 15 milhões, contra € 42 milhões do Real.

Dívida do Barça é maior

Em termos de endividamento o Real apresentou dívida líquida em 2016 de € 263 milhões e Patrimônio Líquido de € 442 milhões.

Já o Barça encerrou a última temporada com dívida líquida de € 310 milhões e Patrimônio Líquido de € 97 milhões.

Ambos têm uma relação dívida / receita muito inferior aos grandes clubes brasileiros.



  • Fabricio

    O palmeiras ira arrecadar esse ano500 milhoes o primeiro clube do brasil a arrecadar tudo isso…

  • Fabricio

    Maior e maiS rico clube da america do sul

MaisRecentes

Real Madrid atinge a maior receita de sua história



Continue Lendo

Falta de oxigenação de ideias no futebol brasileiro



Continue Lendo

A crise eterna dos times brasileiros



Continue Lendo