Barça atinge € 679 milhões em receitas, lucro poderia ser muito maior



FC Barcelona anunciou essa semana que seu faturamento atingiu € 679 milhões na temporada 2015-16, recorde histórico para o clube. As receitas cresceram quase 12% em relação ao ano anterior, quando foram de € 608 milhões.

Segundo os dirigentes as receitas estão superiores ao que previamente estava no orçamento do clube. Segundo seu planejamento estratégico o Barça deve atingir a marca de € 1 bilhão de faturamento em 2021.

FCB

Além dos altos contratos televisivos e receitas da UEFA o crescimento está associado aos títulos e principalmente a renovação dos grandes contratos de patrocínio.

O grande aumento do contrato com a Nike foi decisivo para essa melhora. A empresa de material esportivo garante agora para o clube € 105 milhões anuais, podendo chegar dependendo da performance, a até € 155 milhões.

Outro contrato importante renovado foi com a Qatar Airways, que garantirá ao clube € 32 milhões para esta temporada. O contrato que se encerraria em 2016 foi renovado por mais um ano. Outro acordo divulgado pelo clube foi o patrocino global com a Konami, para a presença do time no game Pro Evolution Soccer (PES).

Um ponto que chamou a atenção nas notícias relacionadas às receitas do clube é que os as cadeiras dos sócios (abonos anuais) estão com os preços congelados. Segundo dados divulgados essa semana os custos das cadeiras para a temporada estão idênticos há seis anos. A promessa do clube é mantê-los sem acréscimo até 2021.

Todos os sócios pagam para o clube uma contribuição. Atualmente são 143,4 mil sócios que geram cerca de € 19 milhões anuais. Uma parte desses sócios, cerca de 97 mil torcedores são os proprietários das cadeiras. O Barça produz outros € 30 milhões por ano com os abonos. Poderia ser muito mais.

O valor mais caro de uma cadeira no Camp Nou é € 1.097 por ano e a mais barata € 132 por ano. No Santiago Bernabéu o abono mais caro para assistir as partidas do Real Madrid sai por € 2.384 por ano e o mais econômico € 323 euros anuais.

As receitas de bilheteria do clube são cada vez mais elevadas e já superam € 73 milhões. O Barça há muito tempo tem um sistema muito eficiente de liberação das cadeiras pelos os sócios que não vão às partidas. Praticamente a metade das receitas de bilheteria já é proveniente dessa liberação.

Há ainda ganhos de mais de € 50 milhões com a exploração das instalações, fazendo com que o estádio do clube gere mais de € 172 milhões anuais.

O torcedor em dias de jogos consome e também o turista que visita a cidade e o estádio do clube. Os gastos são em compras na loja, visita ao museu e estádio, consomo nos bares e restaurantes.

IMG_7189

IMG_7204

IMG_7199

Analisando os dados, está claro que o clube busca crescimento constante, em escala mundial, com patrocínios de marcas globais e projetos internacionais. As novas receitas cada vez mais estão associadas à sua internacionalização. Todo esse crescimento sem pressionar o bolso do torcedor.

Esse sistema de liberação de cadeiras inclusive gera descontos para o sócio na próxima temporada. Ganha o clube que vende mais caro para outros sócios, turistas e na bilheteria e ganha o torcedor que tem sua paixão e fidelidade bonificadas.

 

Lucro líquido poderia ser muito maior

Barça encerrou a temporada 2015-16 com um lucro líquido de € 29 milhões, aumento de 93% na comparação com a 2014-15. Naquele ano as punições e multas do caso Neymar fizeram com que o clube fechasse o exercício com lucro de apenas € 15 milhões.

Nessa temporada o motivo foi a obrigação judicial de devolver o dinheiro da venda dos terrenos de Can Rigalt, realizada em 2005 pelo então presidente Joan Laporta.

Inclusive esses recursos foram usados pelo ex-presidente para equilibrar as finanças e fortalecer o time.

O valor a ser devolvido é de € 47 milhões. Segundo o clube nesse balanço há perdas lançadas pela reversão da venda de € 30 milhões.

O lucro poderia ter sido o dobro do atual.



MaisRecentes

São Paulo e Real Madrid vivem mundos opostos



Continue Lendo

Champions 2017-18: a vez dos novos ricos?



Continue Lendo

PSG colocou Fair Play Financeiro na marca do pênalti



Continue Lendo