Revendo a temporada 2017 - Melhores do ano - Solta o freio

Revendo a temporada 2017 – Melhores do ano



Com o fim da temporada 2017 do pelotão profissional de ciclismo de estrada chega a hora de tentar resumir o que de melhor e pior aconteceu. Para isso listei aleatoriamente categorias que pudessem destacar os melhores momentos e desempenhos. Então vamos lá; 

Melhor ciclista;

Chris Froome(Sky). Ganhar 2 voltas de 3 semanas no mesmo ano é extremamente difícil. Não ganhou nem disputou a liderança de mais nada importante no ano, mas ganhar o “Tour de France” e “Vuelta a Espanha” foi sensacional. Mesmo para ele.
Melhor Sprinter;

Fernando Gaviria(Q-Step). Ao contrário do Marcel Kittel(Q-Step), o colombiano ganhou Sprint subindo, no plano, contra medalhões, a camisa de pontos do Giro, foi muito bem nas clássicas e só tem 23 anos. 2018 terá tremenda responsabilidade assumindo tão jovem o papel do  Kittel na Quick-Step.
Melhor ciclista de provas clássicas;

Greg Van Avermaet(BMC). Só pela vitória na “Paris-Roubaix” já valeria, mas também ganhou “Omloop et Nieuwsblad“ e “E3 Harelbeke”. Até mais importante foi p vice na “Tour de Flandres” e na “Strade Bianche”. Continua melhorando.
Melhor contrarrelogista;

Essa é fácil. Tom Dumoulin(Sunweb) colocou todo mundo no bolso. Simples assim.
Melhor escalador;

Mikel Landa(ex Sky). Mais 1 ano sem sorte, mas tanto no Giro, quanto no Tour de France sobrou quando a estrada apontou para cima. 2018 promete no giro.
Melhor sub-23;

Gianni Moscon(Sky). Apesar das várias polêmicas seu desempenho foi nada menos que espetacular. 5o na “Paris-Roubaix”, campeão italiano de contrarrelógio, 3o no “Giro de Lombardia” e um dos mais importantes gregários do Froome na “Vuelta a Espanha”. Inclusive chegando em 13o na temida etapa, até pelos veteranos escaladores, do Alto de L’Angliru. Difícil saber no que vai se especializar…

Melhor equipe;

Sunweb. Equipe vem melhorando anualmente e se fortalecendo. Dumoulin, Kelderman, Mathews, Ooman só melhoram. Perderam o Barguil, mas contrataram Edward Theuns(ex-Trek). Tremendo talento.

Maior decepção;

Nairo Quintana(Movistar). Começou muito bem. Venceu “Tirreno-Adriatico” e “Cuminatat Valenciana”. 2o no Giro é sempre muito bom, mas certamente não vai tentar o “double”(Giro+Tour) tão cedo. Pelo menos tentando ganhar as 2. Ainda é o principal ciclista para as grandes voltas da Movistar, mas 2018 o “Tour de France” será decisivo para sua liderança na equipe.
Ciclista mais versátil;

Michal Kwiatkowski(Sky). Que ano! Ganhou sua 1a clássica monumento(“Milan-San Remo”) e ganhou novamente “Strade Bianche” num longo e corajoso ataque. 2o na “Amstel Gold” e 3o na “Liege-Baston-Liege”. Não bastasse isso sua ajuda para o Froome no “Tour de France” foi absolutamente incrível!
Ciclista que passou para o 1o escalão;

Primoz Roglic(Lotto-Jumbo). Já era realidade nos contrarrelógios que se confirmou com o 2o no mundial desse ano, mas ganhar etapa dificílima de montanha no seu 1o “Tour de France”, quase ganhar a camisa de bolinha(2o), assim como 2o no geral da “Tour of Romandie” abre um leque de possibilidades que nem ele deve saber até onde pode ir.

Maior promessa;

Egan Bernal(ex-Androni). Agora na Sky terá como desenvolver seu incrível potencial. Foi o maior responsável na vitória de sua equipe na Copa Itália, que garante a uma equipe italiana “pro tour”(como se fosse a 2a divisão) no “Giro d’Itália” no ano seguinte. Correu com os medalhões na Tirreno-Adriático, assim como nas clássicas do final de ano e foi muito bem. Ganhou o “Tour de l’Avenir” até com facilidade. Isso com 20 anos!? Correndo por fora está o David Gaudu(FDJ) já ambientado numa equipe World Tour(1a divisão). Esses 2 irão fazer duelos pelos próximos 10 anos, mas nas grandes voltas só daqui a uns 2 ou 3 anos.

Melhor desempenho:

Ainda estou na dúvida. Alberto Contador(Trek) encerrando sua ilustríssima carreira com uma vitória no Alto del Angliru(Vuelta) ou o ataque solo de 50km do Philippe Gilbert(Q-Step) no “Tour de Flandres”. 2 shows inesquecíveis..
Ciclista mais espetacular;

Peter Sagan(Bora). Sempre produz excelente entretenimento, mesmo quando não vai bem. Conseguiu o tricampeonato mundial em sequência num percurso não lá “ideal” para suas características. Por muito pouco não leva sua 1a “Milan-San Remo” e mais uma vez faltou sorte na “Paris-Roubaix” com 2 pneus furados no final.
Melhor volta de 3 semanas:

Giro d’Itália. O centésimo Giro foi caprichado. Teve excelentes ciclistas do 1o escalão, design a altura da importância do 100o e boas disputas. Vuelta foi muito boa e o Tour bem abaixo.

Melhor prova do ano

Tour de Flandres. Embora Dauphine, Amstel, Strade Bianche e Tirreno-Adriatico tenham sido excelentes.

Melhor design de prova;

5a etapa da “Tirreno-Adriatico”. Qualquer etapa ou prova onde Sagan e Quintana disputam a chegada tem que ter havido algo especial.
Momento mais peculiar;

Não da para não ser o Tom Dumoulin(Sunweb) parando para fazer um “#2” na beira da estrada vestindo a camisa rosa de líder.

Difícil deixar o Vicenzo Nibali(Bahrain), seus 2 pódios em grandes voltas e a vitória da clássica monumento “Giro de Lombardia” fora da lista. Assim como o começo do ano do Alejandro Valverde(Movistar), Richie Porte(BMC), mas foi assim que vi o excelente ano de 2017.



MaisRecentes

Ontem foi sprint, mas foi bem mais complicado que isso



Continue Lendo

Contrarrelógio foi decisivo! Yates está inabalável…



Continue Lendo

Giro chega no seu momento de decisão no CRI de 34,2km.



Continue Lendo