Mundial de estrada valerá a pena assistir todas as provas - Solta o freio

Mundial de estrada valerá a pena assistir todas as provas



Domingo, dia 24 de setembro, será disputado na Noruega o mundial de estrada desse ano. Com percurso “fácil”, mas com oportunidades para táticas diferentes esse mundial proporcionará vários ataques que certamente movimentarão o “xadrez” que as equipes terão que resolver durante a prova. A subida de 1,5km e pendência média de 6,4% não é suficientemente longa para um GC se impor e também não é tão longa que um sprinter não consiga se reconectar com ajuda de sua equipe após a descida. Além disso, serão quase 10km até a chegada após a última subida, que facilitam as equipes com melhores gregários a reconectar com qualquer grupo em fuga. Para uma fuga funcionar terão que trabalhar juntos até o final, pois sozinho ou com somente 2 ou 3 não conseguirão manter o pelotão longe. Não será aquela prova chata do ano passado. Com horas até a óbvia disputa pelo sprint final sem nenhuma fuga com chance de sucesso. Após 41km de estrada praticamente plana e exposta o percurso entra no circuito de 19,1km onde serão 12 voltas para a elite masculina, 10 voltas para o sub-23 e 8 voltas para as mulheres.

O local tem histórico de chuvas, mas a previsão sugere céu claro. Se é que é possível apostar em céu claro na Noruega por muito tempo. Nesse caso as chuvas convidam os belgas a no mínimo confundir os favoritos. Certamente irão fazer a prova ficar mais difícil possível para diluir o pelotão e os puros sprinters.

A excelente equipe da Itália, assim como a dos belgas, para mim são favoritos para esse percurso. Eles tem várias opções, mas devem agir de forma diferente. Os belgas irão tentar atacar sem parar nas voltas finais com seus sensacionais “roulers” e forçar os outros países a perseguir enquanto o resto da equipe vai de roda. Já os italianos tem até mais opções, mas devem cobrir qualquer ataque e não inicia-los. Mesmo se ficar para o sprint em um grupo reduzido com Trentin ou Colbrelli.

Colômbia tem uma equipe estelar, mas só se a prova fosse bem mais montanhosa. Mesmo assim eles tem o Gaviria, que se conseguir fazer a seleção final será um dos que tem a maior velocidade.

Polônia(Kwiatkowski), França(Allaphilipe+Demare), Noruega(Kristoff+E.B.Hagen) e Sagan terão que acertar em acompanhar a fuga correta. Como serão vários ataques e com boas chances de sucesso realmente terão que escolher com inteligência a hora correta de participar de qualquer fuga na última ou penúltima volta. Mais ou menos como foi a Milan-San Remo desse ano.

Equipes de 9 ciclistas; Itália, Alemanha, Noruega, Grã Bretanha, Bélgica, Colômbia, Espanha, França, Holanda e Austrália.

Equipes com 6 ciclistas; Polônia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Estados Unidos, Suíça, Portugal, Rússia, República Checa e Irlanda.

Equipes com 3 ciclistas; Luxemburgo, Áustria, África do Sul, Nova Zelândia, Canada. Bielorrússia, Ucrânia, Estônia, Cazaquistão e Eritreia.

Os outros com 1 ciclista, incluindo o Brasil que ao que parece vai “optar” em não levar ninguém para a prova da elite, não tem a menor chance e devem comemorar estarem na largada e torcer para aguentar até o final da prova sem serem cortados.

Já na 2ª feira(18/set) teremos o contrarrelógio por equipes(TTT). Lembrando que não é disputado por países e sim pelas equipes que já conhecemos. Favoritos ainda são Q-Step, BMC e Sky, mas Sunweb pode surpreender.

Na 4ª feira(20/set) começa o contrarrelógio individual com 31km. Esse também é difícil de prever, pois tem uma subida exatamente nos últimos 3,4km do percurso e pendência média de 9,1%. É possível até que alguém opte por trocar a bike de TT pela normal no começo da subida. Mesmo com todos os riscos que isso possa trazer. Como podemos ver no link abaixo a subida final tem curvas seguidas e empinadas onde a bike TT não será fácil de manobrar. Além disso, o percurso conta com 1,2km de paralelepípedo, mas como vimos aqui na Rio-2016 não chega a atrapalhar. Apenas ajuda a fazer a prova mais desconfortável. Quem errar o ritmo no plano pode botar tudo a perder na subidinha final. A torcida estará em peso e dará um show! Como favoritos meu chute vai de T.Dumoulin(HOL) como favoritíssimo, R.Dennis(AUS) e Froome(GBR). Como zebras ao podium; Bodnar(POL), Kung(ALE) e Roglic(SLO)…

Última subida em vídeo; https://www.youtube.com/watch?v=5mRHVFTvzB0

Sportv transmitirá as provas.



Cancelar Resposta

MaisRecentes

Temporada praticamente acabou. Agora, foco passa a ser 2018.



Continue Lendo

Provas do outono italiano são lindas e muito divertidas



Continue Lendo

Sagan é tricampeão mundial!!



Continue Lendo