Escaladores competirão nas clássicas da Bélgica amanhã e domingo. Masoquismo? - Solta o freio

Escaladores competirão nas clássicas da Bélgica amanhã e domingo. Masoquismo?



M. Landa(Movistar) competiu a E3 Harelbeke. Valverde(Mov), Quintana(Mov) e Bardet(Ag2R) largarão amanhã na Dwars Door Vlaanderen. Valverde e Nibali estão programados para correr a clássica monumento Tour de Flandres nesse domingo.

Para que essas estrelas das altas montanhas estão se sujeitando a essa sofrência?

Tudo porque na primeira semana do Tour de France 2018 teremos uma etapa nos paralelepípedos perto de Roubaix. Não está claro ainda quais setores serão utilizados no Tour, mas da última vez que isso aconteceu(2014) Nibali foi o grande vencedor entre os favoritos na classificação geral(GC). Abriu mais de 2 minutos para seus concorrentes. Agora pense numa etapa MUITO dura de montanha e lembre quanto tempo o vencedor abriu dos outros favoritos. Se foram mais de 30-45seg foi uma chinelada para quem está disputando o pódio. Então, todos sabem o quanto essa etapa será decisiva no Tour de France e estão ensaiando para julho.

  

É até didático ver esses sensacionais ciclistas numa prova em que a maior subida nunca passa de 2km e na sua enorme maioria tem partes bem ingrimes e em paralelepípedos. Além disso, em estradas expostas ao vento e bem estreitas. Essas provas se reduzem a força bruta. Nada de watts/kg. Ou seja, o quanto de força um ciclista consegue produzir medido em watts dividido pelo seu peso. Quanto mais força(watts) e menor peso(kg) por um período de mais de 30min, melhor será considerado o escalador. Essa é a equação que todo escalador tem que fazer para conseguir um bom contrato e uma boa equipe para ajuda-lo. Não funciona nas estradas da Bélgica ou do norte da França. Lá é a potência que manda e nem tanto o peso. As provas geralmente se resumem a quanto tempo um ciclista consegue mantê-la. São provas longuíssimas de 6 a 7 horas e a última hora numa intensidade extrema. Adicione a isso o vento, a chuva e a habilidade nesse piso. Entre os extremamente fortes que estarão disputando essas provas nada substitui o instinto e posicionamento. Saber “ler” quem está bem e qual ataque seguir.

Todo mundo que competiu ou mesmo fez um “treinão” com vento sabe o desânimo e dor que essa imagem acima significa.

Os escaladores podem usar essas provas e essa sofrência para testarem os equipamentos, as roupas, a alimentação, que certamente os ajudarão. Mesmo correndo o risco de uma queda e contusão na época mais importante dos treinamentos do ano. Qualquer tempo fora da bike em março/abril significaria um desastre para o Giro d’Italia, que acontece em maio e um problema para quem quer ganhar o Tour de France no começo de julho. Landa caiu na E3 semana passada, mas sem consequências. Chegou em 86o a 14min do vencedor…

Amanhã temos na previsão chuva, frio e vento. Uma péssima notícia para esses escaladores, mas uma excelente para nós que iremos assistir.

Dito tudo isso, quem aposta contra Nibali e Valverde no domingo?

 

comentários ao vivo no twitter; @MoynaFernando

 



MaisRecentes

Liège-Bastogne-Liège. A 4a clássica monumento do ano nesse domingo.



Continue Lendo

La Flèche Wallone hoje na TV



Continue Lendo

Saindo das clássicas de Flandres e em direção as da Ardennes



Continue Lendo