Faltou entrosamento



* Por Guilherme Abrahão

Ficou nítido que o problema do Fluminense ontem foi a total falta de entrosamento. Talvez até um pouco de falta de treinamento da equipe que iria para o jogo. Já sabendo que pouparia alguns titulares, Renato Gaúcho nem sequer realizou um coletivo. Este deve ter sido o problema, que impediu o Tricolor de vencer um desesperado Duque de Caxias.

Mesmo se tratando do time reserva, a superioridade técnica do Fluminense era muito maior. Jogadores como Wágner e Walter possuem futebol para serem titulares em diversos clubes do Brasil. Isso sem falar nos titulares que atuaram, como o volante Jean e até mesmo o goleiro Diego Cavalieri. O que se viu no início da partida foi uma equipe desesperada, afobada, porém lenta ao extremo.

Alguns jogadores pegavam a bola e devido à falta de entrosamento pareciam não saber qual era o melhor posicionamento do companheiro. Os dois gols foram marcados em lances individuais, nada trabalhados. O primeiro, Walter amorteceu um lateral e Wágner, com categoria e precisão, definiu para o fundo das redes.

Já no segundo gol, o zagueiro do Duque de Caxias entregou para o apoiador Higor. Méritos do garoto, que mostrou personalidade na primeira partida na temporada. Ganhou o lance em um carrinho, invadiu a área e cruzou na cabeça de Walter. O atacante, por sinal, precisa sempre ser destacado. Sumido durante a maior parte do jogo, ele tem um senso de posicionamento impressionante. Tanto que já balançou as redes em cinco oportunidades, mesmo sendo reserva.

Se a partida de ontem serviu para Renato Gaúcho ver quem poderia brigar por uma vaga de titular ou para ser mais utilizado, quem saiu por cima foi o meia Higor. Até porque Wágner e Walter já são utilizado em praticamente todas as partidas. De resto, fica difícil para o treinador avaliar, já que eles entraram em campo como um bando e não como uma equipe. Testar as opções é válido, mas também é preciso treiná-las. Afinal, treino é treino e jogo é jogo, já dizia Didi.



  • geraldo lourenço

    Faltou foi futebol.

    É certo também que um time de futebol ( mesmo de varzea ) precisa treinar, enquanto o FLU tiver essa filosofia que: Altinho/futivolei/raçhão/jogo de bobo/pique esconde/pular amarelinha é treinamento, nós veremos esse bando.

    Um jogador ( Biro Biro ) que chuta 420 vezes de qualquer distância ou posição e não acerta o gol uma única vez, isso não tem nada à ver com entrosamento, mas sim com: qualidade/competência/habilidade/futebol/treinamento.

    Esse tal de Ailton, PORRA, QUE MOLEQUE HORROROSO, não joga nada, não defende, não ataca, não chuta, não dá um passe certo, não consegue marcar ninguém, FORA COM ESSE MOLEQUE.

MaisRecentes

Torcida única – Qual deve ser a posição do Fluminense?



Continue Lendo

Fred será protagonista em mais um Fla-Flu?



Continue Lendo

Vale apostar em Enderson Moreira?



Continue Lendo