UEFA aprova mudanças na Champions League e na Europa League



Finalmente a UEFA decidiu rever aspectos importantes da organização da Champions League e da Europa League, as principais competições entre clubes do mundo, como previu este blog em post anterior.

Pressionada pela ECA (Associação Europeia de Clubes) a UEFA aceitou reformar o formato da Champions League e da Europa Leaque das temporadas 2018/19, 2019/20 e 2020/21 sem mexer no sistema de disputa das mesmas, mas com novos critérios de classificação.

As mudanças foram precedidas de uma ampla consulta a todos os setores do futebol europeu a partir da qual a UEFA apresentou as medidas que foram aprovadas pelo Comitê Executivo, seguidas de recomendações do seu Comitê de Competições de Clubes e do Comitê Executivo da ECA.


logo UEFA

As principais novidades são:

1- ampliar para os 4 primeiros clubes classificados das 4 principais ligas nacionais (Alemanha, Espanha, Inglaterra e Itália) a classificação automática para a fase de grupos da competição.

2- O campeão da Europa League terá presença assegurada na fase de grupos da Champions League da temporada seguinte.

3- O histórico dos clubes serão considerados na elaboração dos rankings e na definição dos coeficientes.

4- A divisão das receitas auferidas tanto da Champions League quanto da Europa League premiará ainda melhor os clubes participantes das 2 competições.

5- A criação da empresa UEFA Clubs Competitions SA para cumprir um papel estratégico no futuro e na gestão das competições entre os clubes europeus. de sociedade da ECA e da UEFA. Os diretores serão indicados em número igual pela ECA e UEFA.

A Champions League continuará contando com a participação de 32 clubes na fase de grupos, assim como a Europa League seguirá com 48 equipes.

Rummenigge foi o principal negociador pelos clubes (foto - site oficial da ECA)

Rummenigge foi o principal negociador pelos clubes (foto – site oficial da ECA)

Para Karl-Heinz Rummenigge, o presidente da ECA, a decisão da UEFA é positiva:

– Eu saúdo a decisão da UEFA por que ela reflete uma séria e justa solução para o futebol europeu de clubes. Estou particularmente satisfeito pelo fato de que a comunidade europeia do futebol permanecerá unida e se desenvolvendo”.

Todos os detalhes das decisões tomadas pela UEFA nesta sexta-feira em Mônaco serão esmiuçados na próxima reunião da ECA em sua 17ª Assembléia Geral que acontecerá nos próximos dias 5 e 6 de setembro em Genebra na Suíça.

As decisões da UEFA devem ser entendidas como produto do fortalecimento crescente dos grandes clubes europeus que há anos amadurecem a ideia de criação de uma Superleague que venha a organizar uma competição no lugar da Champions League, com conceitos que a aproximaria da NBA e da NFL americanas.

Na verdade, a ideia da Superleague é também uma maneira dos grandes clubes não ingleses se defenderem do poder de mercado e financeiro avassalador da Premier League. Não por acaso o presidente Josep Maria Bartomeu do Barcelona foi um dos principais articuladores, ao lado de Rummenigge, do acordo alcançado.



MaisRecentes

FIFA preocupada com boicote de países árabes ao Qatar, organizador da Copa de 2022.



Continue Lendo

Real Madrid, o “senhor das finais e do dinheiro” da Champions League



Continue Lendo

O seleto grupo dos tríplices campeões da Europa



Continue Lendo