Tribunal Arbitral do Esporte funcionará no Rio até o fim das Olimpíadas



Atualizado às 18:51h de 27/06/2016

Pela primeira vez na história dos Jogos Olímpicos o Tribunal Arbitral do Esporte – TAS – atuará como primeira instância no julgamento de casos de doping. Para isto a entidade abriu um escritório no Rio de Janeiro, localizado no Windsor Oceânico Hotel, na Barra da Tijuca, que também tratará de recursos em casos de arbitragem de resultados de competições e de nacionalidades de atletas.

Esta nova estrutura está pronta a examinar casos potenciais de doping que sejam submetidos em conformidade com as regras antidopagem do Comitê Olímpico Internacional – COI. Até hoje, os casos de doping durante os Jogos Olímpicos eram examinados por uma comissão disciplinar do COI que decidia as sanções que variavam da desclassificação à revisão de medalhas. Em março deste ano, o COI decidiu por delegar esta missão ao TAS para que um tema tão sensível e grave como o doping passasse a ter um tratamento mais independente.

A Divisão Anti-doping do TAS irá pronunciar-se sobre esses casos, ouvidas as partes em causa. Ela tem poder para impor suspensões provisórias enquanto se aguarda a conclusão do procedimento. As decisões finais da Divisão Anti-doping  do TAS poderão ser objecto de recurso perante a Divisão TAS ad hoc no Rio ou após o término dos Jogos Olímpicos na sede do tribunal, em Lausane, na Suíça.

 

Juiz Keba , presidente do TAS de 1994 a 2007.

Juiz Kéba Mbaye, fundador e presidente do TAS, de 1994 a 2007 (www.tas-cas.org)

A divisão ad hoc do TAS foi criada por ocasião das Olimpíadas de Atlanta em 1996, para resolver disputas legais que viriam a surgir durante a competição (classificação das provas, questões disciplinares, questões de doping em 2ª instância, dentre outras). Ela permite que os participantes tenham livre acesso à justiça no prazo de 24 horas ou num prazo compatível com a programação das competições.

O TAS trabalhará com o apoio da Ordem dos Advogados do Brasil – OAB – que terá cerca de 25 advogados, a cada semana, com experiência profissional nestes temas específicos para atuar na defesa das federações e atletas.

A fundação do TAS é fruto da iniciativa do ex-presidente do COI, o espanhol Juan Antonio Saramanch, que, em 1981, tomou a iniciativa de criar uma jurisprudência específica para o esporte. No ano seguinte o juiz senegalês, Kéba Mbaye, membro do Tribunal Internacional de Justiça de Haia e membro do COI, liderou um grupo formado para redigir os estatutos da entidade que viria a ser o “Tribunal Arbitral do Esporte”.

O australiano John D. Coates é o atual presidente do TAS

O australiano John D. Coates é o atual presidente do TAS

O estatutos foram aprovados oficialmente pelo COI em 1983 e passaram a vigorar a partir de 30 de junho de 1984. O TAS teve como primeiro presidente o Juiz Kéba Mbaye e como secretário geral o Sr Gilbert Schwaar.

O Tribunal foi profundamente reformado em novembro de 1994 e, atualmente, é presidido pelo Sr John D. Coates. Ele também é membro do COI e presidente do Comitê Olímpico Australiano.

 

 



MaisRecentes

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo

Campeonato Italiano com 20 clubes tem sido previsível e elitista ao longo da história



Continue Lendo