Tem início a Copa América Centenário. E a Argentina é favorita. De novo.



Atualizado às 21:48h de 03/06/2016

Estados Unidos e Colômbia abrem, na noite desta sexta-feira, na cidade de Santa Clara, na Califórnia, a Copa America Centenário. Apenas uma das concorrentes tem motivos para se arvorar a algum favoritismo: a Argentina, vice na Copa do Mundo do Brasil, em 2014, e na Copa América do Chile, em 2015. E, por ter Lionel Messi, atual melhor jogador do mundo segundo a FIFA, em condições físicas longe das ideais, não nos esqueçamos. Terá chegado a hora da seleção mais badalada pela mídia esportiva brasileira ganhar alguma coisa importante desde 1993?

Messi e a Argentina são favoritos de novo, (foto - Arquivo Lance!)

Messi e a Argentina são favoritos. De novo. (foto – Arquivo Lance!)

Os Estados Unidos, além de anfitriões, tem evoluído consistentemente nos últimos anos, em todos os níveis. Já a Colômbia pode ser encarada, mais uma vez, com respeito por conta do excelente José Pekerman e pelos talentos que possui – notadamente James Rodriguez -, e ser cobrada pela necessidade de se afirmar como uma grande seleção de fato.

A seleção do Brasil chega mais respeitada pelos adversários do que pelo próprio público e mídia brasileiros. Dunga talvez esteja diante de sua prova de fogo definitiva, pressionado por uma campanha irregular e insatisfatória nas eliminatórias para a Copa da Rússia e a poucos dias de uma outra prova desafiadora: a busca pela medalha de ouro nos Jogos do Rio 2016. Seu planejamento especificamente para o torneio nos Estados Unidos parece comprometido pelas 6 mudanças na lista inicial que foi obrigado a realizar já em solo americano e sem Neymar, a estrela da companhia. Mas será que os escolhidos na última hora não acabaram por fortalecer a seleção?

Teremos um Chile recém campeão, mas envelhecido e sem o comando de Jorge Sampaoli. Um Uruguai combativo como sempre, mas dependente de um Luis Suárez fragilizado em termos físicos, e uma Costa Rica – surpresa da Copa no Brasil – sem seu melhor jogador, o goleiro campeão da Champions League, Keylor Navas. Já o México do técnico Juan Carlos Osório e do artilheiro Chicarito Hernandez vem de uma sequência impressionante de vitórias desde a chegada do técnico colombiano e sonha alto.

O colombiano Osório credenciando o México? (foto - Alfredo Estrella/AFP)

O colombiano Osório credenciando o México? (foto – Alfredo Estrella/AFP)

Os demais serão coadjuvantes de luxo ou nem isto.

Boa sorte, aos canarinhos, desacreditados como nunca!! E que esta Copa, que por pouco não resistiu aos escândalos da Conmebol, da Concacaf e da FIFA, nos gramados, seja, pelo menos, um sucesso esportivo.

 

 

 



MaisRecentes

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo

Campeonato Italiano com 20 clubes tem sido previsível e elitista ao longo da história



Continue Lendo