Revolução na Espanha: Governo aprova Decreto sobre a venda dos direitos de TV



O Conselho de Ministros da Espanha anunciou na noite desta quinta-feira a aprovação do Decreto de Lei Real com medidas urgentes sobre a comercialização dos direitos de conteúdos audiovisuais das competições de futebol profissional, segundo confirmaram a vice presidente do governo, Soraya Sáenz de Santamaria, e o ministro da Educação e Esportes, José Ignacio Wert.

A nova legislação estabelece a venda centralizada, no lugar da negociação individual que vigia até agora, dos direitos de exploração de conteúdos audiovisuais da “La Liga”, da “Copa do Rei” e da “Supercopa da Espanha”. A concepção que embasou a criação do Decreto é baseada nos modelos adotados pela Premier League inglesa, pela Série A italiana e Bundesliga alemã de negociação coletiva dos direitos de TV.

Barcelona e Real

A partir deste novo formato, Real Madrid e Barcelona estarão impedidos de transacionar individualmente estes direitos. O acordo põe fim a quase 20 anos de guerra comercial entre operadores e canais de TV, disputas entre a Liga de Futebol Profissional e a Real Federação Espanhola de Futebol e venda crescentemente desigual dos direitos pelos clubes, provocando o enfraquecimento financeiro dos mesmos no cenário do futebol europeu. A disparidade atual faz com que Real Madrid e Barcelona recebam, cada um, algo em torno de € 140 mi por temporada pelos direitos de TV, enquanto o Atlético de Madri não mais do que € 50 mi!

A divisão – A partir do novo contrato os clubes profissionais ficarão com 92% das receitas da venda dos direitos de TV: 90% para os da Primeira Divisão com suas 380 partidas e 10% para os da Segunda com suas 400 partidas. O restante das receitas será distribuído para as equipes que sejam rebaixadas de divisão (3,5%), o futebol não profissional, futebol feminino e sindicato dos jogadores (1,5%), a Liga de Futebol Profissional (1%) e a Real Federação Espanhola de Futebol (2%).

Uma parte expressiva das receitas destinadas aos clubes da Primeira Divisão será dividida em partes iguais e a restante seguirá critérios desportivos (desempenhos nas últimas 5 temporadas) e de representatividade social com o objetivo de tornar as competições mais equilibradas.

A expectativa é de que a próxima negociação (2016/17) dos direitos de TV gere algo em torno de € 1 bi e que chegue a €1,5 bi entre 3 e 6 anos, sendo que € 1 bi viria da venda para o mercado espanhol e € 500 mi pela venda no mercado internacional. Para efeito de comparação, o novo contrato de direitos de TV da  Premier League inglesa gerará € 1.8 bi por ano a partir da temporada 2016/17.
mosaico-real-madri

A decisão do governo espanhol só foi anunciada pelo Palácio de Moncloa depois das 20h da quinta-feira e foi precedida de intensa negociação entre os clubes, a Liga de Futebol Profissional e a Real Federação Espanhola de Futebol sobre a divisão equitativa das receitas geradas a partir de agora.

Os ministros da Economia, Luis de Guindos, e da Fazenda, Cristóbal Montoro, – interessados em encontrar uma saída para o atual endividamento dos clubes espanhóis que está calculado em € 3 bi – também participaram do processo de aprovação do novo Decreto.

Em entrevista coletiva o ministro da Cultura e Esporte, José Ignacio Wert, declarou que “o objetivo do Decreto é que os valores a serem distribuídos entre os clubes variem na proporção de 3 para os que mais receberão e 1 para os que menos receberão quando os direitos atingirem a meta de € 1.5 bi. Neste primeiro momento a proporção será de 4,5 para 1 , bem diferente dos 7 a 1 atuais”.

O ministro Wert admitiu que “houve desencontros ao longo da negociação mas eles não chegaram a atrasar a aprovação do Decreto. Nestes momentos é natural que existam divergências entre os vários interessados, mas o importante é que prevaleceu a ideia de que havia a necessidade deste Decreto e para isto era necessário alcançar o equilíbrio”.

Para o presidente da Liga de Futebol Profissional, Javier Tebas, “a partir de agora nasce uma nova Liga, se inicia uma nova era para o futebol profissional espanhol que será mais competitivo internacionalmente, pois nossas competições serão mais equilibradas e igualitárias. O objetivo é  igualar ou superar outros mercados como o italiano e inglês”.

O Decreto agora depende da aprovação do parlamento espanhol para ganhar a efetividade de lei, o que deverá acontecer já que o Partido Popular do primeiro ministro Mariano Rajoy é majoritário entre os congressistas.

As consequências em termos de resultados esportivos deste novo cenário financeiro evidentemente dependerão da capacidade dos clubes espanhóis aplicarem com competência e racionalidade os novos recursos que terão à disposição. No futebol não é importante apenas ter mais dinheiro. É essencial saber gastá-lo. Mas é inegável que a tendência é de que a asfixiante hegemonia histórica de Real Madrid, Barcelona e, muito eventualmente, do Atlético de Madri, sofra algum tipo de abalo no médio prazo.



MaisRecentes

Infantino convoca reunião de emergência da FIFA para discutir proposta de 25 bilhões de dólares



Continue Lendo

Roma, depois de 5 anos, tem novo patrocinador master: a Qatar Airways



Continue Lendo

A saída de Wenger do Arsenal indica o fim de uma época no futebol



Continue Lendo