Real, Barça e mais 5 clubes obrigados pela União Europeia a devolver € 69 milhões aos cofres espanhóis



Atualizado às 16:30h de 04/07/2016

A Comissão Europeia anunciou, nesta segunda-feira, que 7 clubes espanhóis estão obrigados a devolver algo em torno de € 69 milhões aos cofres públicos daquele país por terem recebido ajudas estatais ilegais. Real Madrid, Barcelona, Valencia, Hércules, Elche, Athletic de Bilbao e Osasuna usufruíram de formas diferentes de privilégios estatais.

O Real Madrid, horas depois, publicou um comunicado em seu site oficial tornando público que “recorrerá aos tribunais de justiça da União Europeia confiante que esta resoluções serão revogadas”. Entretanto, o clube garante que no caso de que a punição efetivamente seja mantida “já tem contas provisionadas para que o pagamento seja realizado”.

Segundo o relatório da comissária dinamarquesa que conduziu as investigações, Margrethe Vestager, “utilizar o dinheiro dos contribuintes para financiar clubes de futebol profissional pode falsear a concorrência. O futebol profissional é uma atividade comercial que movimenta muito dinheiro. Os fundos públicos devem cumprir normas de concorrência leal, e nos casos, as subvenções investigadas não as cumpriram”.

Margrethe Vestager, 48 anos, é Comissária de Concorrência da UE (foto - divulgação)

Margrethe Vestager, 48 anos, é Comissária de Concorrência da UE (foto – divulgação)

O Real Madrid deve devolver € 18.4 milhões por ter sido beneficiado por avaliações tendenciosas de terrenos que negociou com a prefeitura de Madri no final dos anos 90.

Os clubes de Valência deverão restituir valores relativos a avais sobreavaliados pelo Instituto Valenciano de Finanças para a contração de empréstimos em condições mais favoráveis para que pudessem enfrentar problemas financeiros emergenciais, o que caracterizaria “uma vantagem econômica frente aos demais”. Caberá ao Valência € 20.4 milhões, ao Hércules € 6.1 milhões e ao Elche € 3.7 milhões.

Real Madrid, Barcelona, Athletic de Bilbao e Osasuna devolverão dinheiro por conta de terem usufruído, desde 1990, de privilégios fiscais ao terem sido tributados como fundações (25%)e não como sociedades comerciais (30%).

Agora as autoridades espanholas negociarão com as da Comissão Europeia de que modo estes valores deverão ser resgatados.

Historicamente os clubes espanhóis, notadamente Real Madrid e Barcelona, tem sido acusados pelos demais clubes europeus por contarem com um tratamento privilegiado da parte do estado daquele país.

Clubes holandeses também foram investigados

A Comissão Europeia admitiu que concluiu investigações relativas a 5 clubes holandeses por eventualmente terem recebido tratamento privilegiado por parte das autoridades das cidades onde atuam. A conclusão é de que os procedimentos respeitaram as regras da União Europeia, incluindo medidas saneadoras na gestão envolvendo corte nos salários dos jogadores. Os clubes são Den Bosch FC, MVV Maastricht, NEC Nijmegen e Willem I.

O PSV Eindhoven também foi investigado por conta de uma operação imobiliária que envolveu o Phillips Stadium e o centro de treinamento do clube, mas nada que afrontasse as regras da UE foi encontrado.

 

 



MaisRecentes

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo

Campeonato Italiano com 20 clubes tem sido previsível e elitista ao longo da história



Continue Lendo