A Premier League esnoba os técnicos ingleses



Atualizado às 20:25 h de 20/05/2016

 

A Premier League é a competição nacional de clubes mais badalada e milionária do futebol mundial contemporâneo. Sua movimentação financeira é estonteante. Seus clubes se transformaram em marcas globais e ampliam a fronteira do futebol no planeta conquistando mercados antes inexplorados como o asiático e o norte-americano. Segundo o relatório “Football Money League 2015”, de autoria de empresa de consultoria inglesa Deloitte, dos 10 maiores clubes em receita do futebol europeu, 5 são ingleses: Manchester United, Manchester City, Arsenal, Chelsea e Liverpool.

Este sucesso financeiro determinou desdobramentos em todos os níveis na maneira como clubes centenários passaram a ser geridos nas 2 últimas décadas. Alguns deles estão merecendo a reflexão por parte de quem possui uma visão estratégica do futebol inglês.

Um aspecto que se destaca neste cenário é presença avassaladora de técnicos estrangeiros. Na temporada recém encerrada nenhum clube entre os 10 primeiros colocados foi dirigido por um técnico inglês. Na verdade apenas 3 clubes, aqueles chegaram imediatamente a seguir aos 3 que acabaram rebaixados, contaram com um inglês no comando: Alan Pardew com o Crystal Palace no 15º lugar, Eddiw Howe com o Bournemouth no 16º e Sam Allardyce com o Sundeland no 17º.

Ranieri é o mais recente técnico estrangeiro campeão da PL (foto: Rob Tanner)

Ranieri é o mais recente técnico estrangeiro campeão da PL (foto: Rob Tanner)

O fato é que os clubes ingleses a partir do momento que passaram ter como proprietários milionários oriundos de todas as partes do globo buscaram soluções comprometidas com vários objetivos distantes daqueles verdadeiramente representativos do futebol inglês. Os técnicos e jogadores ingleses foram pouco a pouco preteridos por grandes nomes internacionais sejam eles técnicos ou jogadores que foram atraídos pelos altos salários, pela exposição mundial proporcionada pela mídia e pela infraestrutura impecável de CTs e estádios que a Premier League oferece a quem dela participa.

No caso especificamente dos técnicos há ainda um outro fator a sensibilizar os grandes nomes estrangeiros: o imenso poder que eles usufruem nos grandes clubes ingleses, com a maioria detendo o poder quase absoluto de definição e do processo comercial de contratação de jogadores. Ou eles não são reverenciadamente chamados pelo mundo do futebol por “Boss” (“Patrão” em português)? Noutros mercados eles são tratados por “Professor”, “Coach” (“Treinador”, em português) ou “Mister” (“Senhor”, em português).

 Sir Alex Ferguson: a exata personificação do "Boss" ( foto - manutd.com)

O escocês Sir Alex Ferguson: a exata personificação do “Boss” ( foto – manutd.com)

Se no Brasil reclamamos a pouca presença de treinadores estrangeiros e o quase monopólio exercido pelos profissionais brasileiros, a situação na Premier League é exatamente a inversa. Ambos os extremos acabam sendo prejudiciais aos interesses de longo prazo do futebol de um país. No caso inglês o problema é a falta de espaço para que técnicos nativos se evoluam e acabem contribuindo para o desenvolvimento de uma cultura própria de como organizar uma equipe de futebol.

A seguir a lista de técnicos da Premier League na temporada 2015/16:

1- Leicester – Claudio Ranieri (Itália)

2- Arsenal – Arsène Wenger (França)

3 – Tottenham – Maurício Poquettino (Argentina)

4- Manchester City – Manuel Pellegrini (Chile)

5 – Manchester United – Louis Van Gaal (Holanda)

6 – Southampton – Ronald Koeman (Holanda)

7 – West Ham – Slaven Bilic  (Croácia)

8 – Liverpool – Jürgen Klopp (Alemanha)

9 – Stoke City – Mark Hughes (País de Gales)

10 – Chelsea – José Mourinho (Portugal) e Guus Hiddink (Holanda)

11 – Everton – Roberto Martinez (Espanha) e

12 – Swansee – Francesco Guidolin – (Itália)

13 – Watford – Enrique Sanchez Flores – (Espanha)¹

14 – West Brom – Tony Pullis  (País de Gales)

15 – Crystal Palace – Alan Pardew (Inglaterra)

16 – Bournemouth -Eddiw Howe  (Inglaterra)

17 – Sunderland – Sam Allardyce (Inglaterra)

18 – Newcasttle – Rafa Benitez (Espanha)

19 – Norwich – Alex Neil (Escócia)

20 – Aston Villa – Tim Sherwood (Inglaterra), Rémi Gard (França) e Eric Black (Escócia)

 

1 – Nesta sexta-feira, 20/05, o Watford anunciou a contratação do italiano Walter Mazzari, 54 anos, pelas próximas 3 temporadas.



MaisRecentes

Borussia Dortmund lidera lista dos clubes com maior posse de bola nas 5 maiores ligas europeias



Continue Lendo

Marco Asensio será o novo galático do Real Madrid?



Continue Lendo

Rummenigge, presidente do Bayern: “não podemos e não compraremos um jogador por € 222 milhões”



Continue Lendo