O Boca Juniors não pode passar impune



O mítico estádio La Bambonera foi palco de um dos mais tristes episódios da história da Copa Libertadores durante a partida Boca x River Plate desta quinta-feira. No campo os primeiros 45 minutos foram jogados num clima beligerante da parte dos jogadores do Boca que superaram qualquer limite razoável dadas as verdadeiras agressões – e, não apenas faltas – que cometeram.

A agressão aos jogadores do River envergonha o futebol (foto - Lance!Net)

A agressão aos jogadores do River envergonha o futebol (foto – Lance!Net)

Mas o mais grave ainda viria a acontecer quando a equipe do River Plate retornava ao gramado ao fim do intervalo e foi alvejada por uma substância identificada como gás de pimenta quando ainda se encontrava no interior do túnel inflável. Pelo menos 4 atletas acabaram se ferindo com queimaduras evidentes, visíveis nitidamente através das imagens da TV.

O árbitro foi mais do que tolerante e demorou mais de uma hora até decidir pela suspensão da partida, depois de várias intermináveis conversas com o delegado da Conmebol.

Um comportamento premeditado, planejado, inaceitável, covarde, animalesco, criminoso e irresponsável de “alguns”(?) torcedores do Boca, por certo, já que o jogo tinha torcida única.

A violência imperou nos 45 minutos jogados em La Bambonera (foto - Conmbebol)

Um Superclássico que macula a imagem do futebol argentino  (foto – Conmbebol)

A Conmebol não pode contemporizar ou fazer política diante deste episódio.

Ao mesmo tempo já passou da hora da mídia esportiva abandonar esta bobajada retrógrada retórica de “clima de Libertadores”, expressão que confere uma certa normalidade ao comportamento pouco civilizado de torcedores capazes de tramar agressões como a que vitimou os jogadores do River Plate.

A involução de alguns aspectos da sociedade argentina e do futebol daquele país não pode chegar ao futebol sul americano. O Boca Juniors merece uma punição exemplar.



  • Eduardo

    dada à punição imposta aos jogadores do orinthians, q cometeram faltas de jogo e foram suspensos por 3 partidas cada um, o Boca Juniors mereceria ficar ausente por 10 anos de todas as competições internacionais promovidas pela Confederação. Seria uma punição exemplar ao clube ícone do futebol argentino, q faria certamente com q os d+ clubes do país e da vizinhança revejam o modo como praticam o esporte. Não é só os argentinos. Em todos os países da América do Sul, o futebol é jogado como se fosse uma guerra. É o q difere a Libertadores da UCL. Lá se joga futebol, pura e simplesmente. Ganhou… ganhou; perdeu… perdeu e acabou. Ganhar, perder ou empatar é do jogo, não é o fim de mundo. Aki, se o time perde é uma guerra. O q o torcedor ganha especificamente com isso? As contas de cada um não serão pagas pelo clube, a crise política/financeira do país não vai parar, não vão melhorar as condições sócio/política/econômica do país. Então bola pra frente.

    • Márcio

      Não venham com complexo de vira-lata, denegrindo o nosso próprio País e a Libertadores. Essas coisas já aconteceram na UEFA Champions League, no clássico entre Internazionale e Milan (o maior clássico do mundo, pela qualidade técnica de ambos os times, considerando apenas jogos entre clubes da mesma cidade).

      http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas/2005/04/12/ult59u92752.jhtm

  • FORCE

    Se fosse algum time brasileiro iria ficar fora uns 05 anos desse campeonato de várzea… agora vamos ver se com o boca vão punir… se o sheik pegou 03 jogos por um trança pé… o que o boca deveria receber?

  • Yuri Laurentino

    Concordo com que mereçam ser punidos, mas lembremos que a “torcida” do Corinthians matou um outro torcedor e ele não foi excluído da competição. Acho válido esta pequena lembrança para que não haja dois pesos e duas medidas.

    • Júnior

      Sou Palmeirense, mas uma coisa diferencia bem as situações. Claro que o efeito do jogo do Corinthians foi muito maior, mas lá não vi em nenhum momento vontade de matar ninguém. Aqui houve! A torcida do Boca queria agredir os jogadores. Ou talvez até coisa pior

  • Marcio

    Esqueceram-se de que a torcida do Corinthians matou, isso mesmo, matou um garoto na bolivia, e o que aconteceu… pena de jogar com portões fechado!!! Sulamericana é uma barbaridade.

  • Rodrigo J.

    Queria ver essa pressão por uma punição quando o Palmeiras colocou gás de pimenta no vestiário do SP….

    • Júnior

      Essa história nunca foi esclarecida! Ninguém viu quem jogou o gás, no tubo de ventilação não vestígio (logo po lá não foi) e não havia buraco na parede por onde o gás entrou.
      Segundo o laudo inicial, o gás tinha sido DE DENTRO do vestiário, não de fora pra dentro. Assim, o mais provável na época era que O PRÓPRIO SÃO PAULO tinha jogado gás de pimenta no próprio vestiário pra não jogar mais lá. Aí, de repente, esqueceram o assunto e morreu…

      • Rodrigo J.

        Sei…o SP jogou gás de pimenta pra não jogar, e jogou….

        kkkkkkkkkkkkkkk

    • Júnior

      Essa história nunca foi esclarecida! Ninguém viu quem jogou o gás, no tubo de ventilação não vestígio (logo por lá não entrou) e não havia buraco na parede por onde o gás entrou.
      Segundo o laudo inicial, o gás tinha sido JOGADO DE ALGUÉM QUE ESTAVA DENTRO do vestiário, não de fora pra dentro. Alguém entrou com tubo, e espirrou! Ninguém viu um “estranho” entrando. No vídeo dos jogadores do São Paulo saindo pro campo, inclusive, ninguém estava com sinal de estar sentindo nada (o Muricy vomitou depois, mas naquele momento, ele estava 100% normal e calmo).
      Assim, o mais provável na época era que O PRÓPRIO SÃO PAULO tinha jogado gás de pimenta no próprio vestiário pra não jogar mais lá. Só pra lembrar, essa época começou a história do Palmeiras e Corinhians não mais jogarem no Morumbi quando eram mandantes do jogos.
      Aí, de repente, esqueceram o assunto e morreu…

MaisRecentes

Roma contrata Monchi, o “Rei Midas” do futebol europeu



Continue Lendo

Até a mídia de Madri se rendeu a Lionel Messi



Continue Lendo

Florentino Perez sonhou com Adriano Galliani no Real Madrid



Continue Lendo