No que a Islândia investiu para fazer história no futebol e se classificar para a Copa da Rússia?



A Islândia não para de pregar peças nas competições esportivas internacionais. Ano passado, para estupefação mundial, superou a Inglaterra nas oitavas de final da Euro 2016 e chegou às quartas da competição para só aí ser eliminada pela França. Desde então seus jogadores viraram heróis nacionais e o futebol suplantou o handebol como principal esporte do país.

Hoje, neste 9 de outubro de 2017, que passa a entrar para a história das grandes façanhas do futebol, a Islândia venceu Kosovo por 2 a 0, em Reiquiavique, chegando em primeiro lugar do Grupo I das eliminatórias europeias para a Copa da Rússia, se transformando no país de menor população na história a se classificar para uma Copa do Mundo. Até hoje, jamais a seleção de um país com apenas 334 mil habitantes¹ disputou um Mundial de futebol.

A evolução do futebol islandês é consistente faz tempo. Por pouco, sua seleção não participou da Copa de 2014 no Brasil. Ela chegou na segunda posição no seu Grupo nas eliminatórias vencido pela Suíça. Ela foi obrigada a disputar uma vaga na repescagem com a Croácia, quando acabou derrotada. Já nas eliminatórias para a EURO 2016 a equipe venceu, em casa, a Holanda por 2 a 0.

Pois na disputa por uma vaga na Rússia, a Islândia deu a volta por cima e chegou em primeiro no Grupo empurrando a favorita Croácia – de Modric, Rakitic, Perisic e Mandzukic – para a repescagem. A vitória por 2 a 0 em casa, sobre a equipe croata, na partida de volta, em casa, abriu o caminho para a arrancada final com 3 triunfos consecutivos.

A vitória sobre a Croácia indicou o caminho da classificação ( foto - ksi.is)

A vitória sobre a Croácia indicou o caminho da classificação ( foto – ksi.is)

Este blog sempre respeitou e acompanhou a afirmação da Islândia no cenário do futebol europeu e mundial. Trata-se da impressionante trajetória de uma seleção que jogou pela primeira vez num campo de futebol gramado em 1958, apesar do primeiro clube de futebol no país -Vikingur Reykjavik F.C – ter surgido em 1908. Seu primeiro jogo contra a seleção de um outro país aconteceu em 1930 contra as Ilhas Faroe. O primeiro amistoso contra a seleção de um país membro da FIFA aconteceu em 1946 contra a Dinamarca quando foi derrotada por 3 a 0. O primeiro triunfo internacional aconteceu um ano mais tarde sobre a Finlândia.

Em 1967 os vikings sofreram a derrota mais humilhante de sua até então débil experiência internacional ao serem goleados pela Dinamarca por 14 a 2.

Só a partir da Copa do Mundo da Alemanha em 1974 a Islândia passou a participar de eliminatórias para competições internacionais.

Aron Gunnarson: o capitão na Euro e nas eliminatórias (foto - uefa.com)

Aron Gunnarson: o capitão na Euro e nas eliminatórias (foto – uefa.com)

Investimento maciço do governo no desenvolvimento do futebol entre os jovens

A explicação mais lógica para esta evolução esportiva fabulosa recente tem a ver com a decisão governamental tomada, em 2002, de investir na prática de esportes coletivos como um instrumento de combate ao alcoolismo e ao tabagismo que se alastrava perigosamente na juventude do país.

Um investimento significativo foi realizado através da Federação de Futebol da Islândia – KSI ²– na construção de instalações esportivas modernas e acessíveis aos praticantes e na formação de técnicos e profissionais em cursos de alto nível promovidos pela UEFA.

O projeto era consistente e contou com a adesão da população.O dramático ano de 2008 quando a economia islandesa quebrou, não comprometeu o desenvolvimento do projeto. A população, por orgulho e pela paixão pelo próprio futebol, encontrou meios de garantir que a ampliação da prática esportiva entre os jovens não sofresse com a falência da economia do país.

A construção de instalações para a prática do futebol teve que enfrentar o problema do rigorosíssimo e longo inverno que praticamente impedia sua prática em campos ao ar livre e em gramado natural por quase 7 meses a cada ano.

Desde 2002, 7 campos oficiais “indoor” e outros 20 campos com medidas oficiais e gramados artificiais foram construídos pelo país. Além disto, cada uma de 130 escolas públicas passou a dispor de pelo menos um campo de futebol (não necessariamente com medidas oficiais) com grama artificial. Com isto os jovens passaram a jogar futebol o ano inteiro, mesmo nos períodos de inverno. De dia ou de noite.

A inesquecível celebração na EURO 2016 na vitória sobre a Inglaterra (foto - uefa.com)

A inesquecível celebração na EURO 2016 na vitória sobre a Inglaterra (foto – uefa.com)

Federação de Futebol da Islândia

Por outro lado, a KSI formulou um programa ambicioso e de alta qualidade para a formação de técnicos de futebol. Em nenhum outro país da Europa há tantos técnicos, por jogador, com formação nos cursos oficiais da UEFA em níveis A e B. Com isto o trabalho nas divisões de base deste esporte passou a ser realizado em nível elevado e padronizado já que são todos ministrados por técnicos qualificados.

Segundo dados da KSI o país contava, em 2013, com 165 técnicos de nível A e 563 técnicos de nível B da UEFA, espalhados por todas as regiões, garantindo mais técnicos per capita do que na Espanha ou Alemanha, por exemplo.

Assim os jovens islandeses são orientados no mesmo padrão, com todas as cidades – maiores ou menores – se orgulhando de ter boas instalações, bons técnicos – talvez entre os melhores da Europa -, capazes de formar jogadores promissores em todas as idades. Segundo as estatísticas oficiais, em 2016, havia 21 508 jogadores de futebol registrados na Islândia,  enquanto na Holanda eram 1 138 860 e na Alemanha somavam 6 308 946.

Jogadores atuam fora do país. Elenco precisará ser rejuvenescido após a Copa

A seleção da Islândia tem uma das mais altas médias de idade dentre as seleções europeia. O plantel é praticamente o mesmo que brilhou na Euro 2016. Nenhum jogador atua num clube da primeira divisão islandesa: 4 jogam na Suécia, 4 na Inglaterra, 3 na Dinamarca, 2 na Alemanha, 1 na Espanha, 1 na Itália, 1 no País de Gales, 1 na Bélgica, 1 na Grécia, 1 na Suíça, 1 na Rússia, 1 na Turquia e 1 em Israel.

O técnico Heimir Hallgrímsson é ex-jogador da seleção (foto- youtube.com)

O técnico Heimir Hallgrímsson é ex-jogador da seleção (foto- youtube.com)

A equipe na Euro 2016 foi codirigida pelo técnico sueco Lars Lagebäck, 68 anos, e pelo islandês Heimir Hallgrímsson, 48 anos. A dupla foi desfeita após a EURO quando Lagebäck se aposentou.

Desde então, Hallgrímsson vem comandando a seleção e mantendo o nível de performance que garantiu esta classificação histórica. Independente do resultado que sua equipe obtiver na Rússia a reformulação e rejuvenescimento do elenco será o grande desafio do futuro imediato.

 

¹Dados oficiais do Banco Mundial em 2016.

² A KSI foi fundada em 1947 ano em que se filiou à FIFA. Ela se filiou à UEFA em 1954.

 

 

 

 

 

 



MaisRecentes

Quais foram os 11 melhores jogadores das 5 principais ligas europeias no último semestre?



Continue Lendo

Guardiola vence o derby e celebra campanha com vitórias em Stamford Bridge e Old Trafford



Continue Lendo

Lillo, mentor de Guardiola e sucessor de Rueda, deixa o Atlético Nacional de Medellín



Continue Lendo