Mourinho pode cair? O Chelsea é o mais brasileiro dos clubes ingleses



O surpreendentemente tenebroso início de temporada do Chelsea incitou o questionamento sobre o futuro imediato do técnico José Mourinho. Quem poderia imaginar que, ao final da 10ª rodada da Premier League 2015/16, um dos técnicos mais icônicos do futebol contemporâneo, atual defensor do título da competição, estaria com a cabeça a prêmio? Pior, argumenta-se que a decisão só não foi tomada ainda dada a exorbitante multa de €45 milhões que o contrato estabeleceria para uma ruptura unilateral antecipada.

A julgar pelo noticiário publicado por TODOS os jornais ingleses – do sensacionalista The Sun ao sisudo e rigoroso The Times – o resultado da partida contra o Liverpool no próximo sábado, em Stamford Bridge, poderá provocar a demissão do treinador português. Alguns deles já arriscam inclusive a especulação em torno dos nomes do italiano Carlo Ancelotti e do holandês Guus Hiddink para o lugar do técnico português.

A manchete arrasadora do diário londrino The Mirror, reproduzida como título de uma matéria do consagrado El País de Madrid, sintetiza o quadro de Mourinho a partir do ponto de vista da mídia europeia: “Acabado”

José Mourinho voltou ao Chelsea em Junho de 2013 (foto - Chelseafc.com)

José Mourinho voltou ao Chelsea em Junho de 2013 (foto – Chelseafc.com)

Convenhamos, o desempenho do Chelsea na atual temporada é absurdamente medíocre: 15º colocado na Premier League com 11 pontos ganhos em 30 disputados, cinco derrotas em dez jogos e com a terceira defesa mais vazada e saldo de gols negativo de -4. Jamais um clube com 11 pontos na 10ª rodada logrou acabar o campeonato entre os quatro primeiros. Na Champions League sua campanha também decepciona com um modesto 3º lugar num grupo G pouco assustador que se completa com o Porto, o Dynamo de Kiev e o Maccabi Tel-Aviv.

Muitos afirmam que Mourinho, atualmente, vive apenas mais um dos seus tradicionais fins de ciclo de 3 anos. Historicamente, suas passagens pelos clubes costumam se esgotar no ano final dos contratos que quase sempre têm a duração prevista para 3 temporadas. Foi assim no próprio Chelsea, no Real Madrid e, só não pode ser medido na Inter de Milão, por que o presidente Massimo Moratti foi obrigado a iniciar um processo precoce de desmonte da estrutura campeã da Champions League 2009/10 em função da crise financeira que assolava a Itália e que comprometia a sua própria capacidade de investimento.

Mourinho tem a seu favor neste momento apenas, vale lembrar, o fato de que o Chelsea acabou realizando um nível de investimento modesto para atual temporada. Trouxe alguns jovens jogadores, frustrando o técnico português nas suas solicitações de mais peso.

Stamford Bridge é o oitavo estádio em capacidade na Inglaterra (foto - site oficial do CFC)

Stamford Bridge é o oitavo estádio em capacidade na Inglaterra (foto – site oficial do CFC)

Na verdade, de todos os mega clubes europeus, o Chelsea de Roman Abramovich, desponta, sem dúvida, como aquele em que os resultados são mais determinantes para determinar o nível de estabilidade de um treinador. O bilionário russo não costuma ser paciente com a sucessão de derrotas. Ele parece transferir para o futebol a impaciência típica das pessoas poderosas que se habituaram a ter sempre o melhor a hora que quiserem. Luiz Felipe Scolari talvez possa explicar com alguma dose de realismo a impulsividade que aflora nos escritórios de Stamford Bridge nos momentos delicados advindos de resultados frustrantes nas competições.

O nome de Ancelotti é um dos lembrados pela mídia inglesa ( foto - Realmadrid.com)

O nome de Ancelotti é um dos lembrados pela mídia inglesa ( foto – Realmadrid.com)

Felipão – Big Phil para a mídia inglesa – faz parte de uma lista incomparável em número com o de qualquer outro grande clube da Premier League. Desde que o ciclo Abramovich teve início, em Junho de 2003, o Chelsea já teve como técnicos:

Claudio Raniere – até maio de 2004

José Mourinho – Junho de 2004 até Setembro de 2007

Avram Grant – Setembro de 2007 até Maio de 2008

Luiz Felipe Scolari – Julho de 2008 até Fevereiro de 2009

Ray Wilkins – Fevereiro de 2009

Guus Riddink – Fevereiro de 2009 até Maio de 2009

Carlo Ancelotti – Junho de 2009 até Junho de 2011

André Villas Boas – Junho de 2011 até Março de 2012

Roberto Di Matteo – Março de 2012 até Dezembro de 2012

Rafa Benítez – Novembro de 2012 até Junho de 2013

José Mourinho – desde Junho de 2013

Neste mesmo período, por exemplo, o Manchester United teve Sir Alex Ferguson, David Moyes, Ryan Giggs e Louis Van Gaal. O Arsenal somente trabalhou com Arsène Wenger e o Liverpool teve Rafa Benítez, Roy Hodgson, Kenny Dalglish, Brendan Rodgers e Jürgen Klopp.

Por isto, o Chelsea talvez seja o mais brasileiro dos times ingleses. Com a diferença de que os técnicos demitidos não são obrigados a buscar na justiça o que devem receber pela demissão. Em Stamford Bridge, a bola tem que entrar sempre no gol adversário.

Atualizado à 01:29 de 28/10/2015

 



  • Bruce Wang

    Se você perde “a mão” no grupo, por melhor técnico que seja, acabou o seu time porque por mais que você faça, não haverá resultados e futebol é resultado…

MaisRecentes

Neymar quebra recordes e encanta Paris



Continue Lendo

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo