A mítica Federica Pellegrini conduzirá a bandeira italiana no dia de seu aniversário



O PLANETA FUT VIVERÁ INTENSAMENTE OS ESPORTES DURANTE A RIO 2016

O esporte proporcionará uma experiência inédita na vida campeoníssima nadadora italiana Federica Pellegrini. O 5 de agosto de 2016 não será apenas o dia em que ela estará comemorando seus 28 anos de vida. Será a data em que, pela primeira vez na história, uma nadadora terá tido a honra de carregar a bandeira italiana na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos.

“La Pellegrini” desfilará no Maracanã, no dia de seu aniversário, como líder e capitã da delegação de seu país, para uma platéia mundial e na presença do próprio primeiro ministro italiano Matteo Renzi.

A trajetória esportiva da nadadora nascida nas redondezas da mágica Veneza é simplesmente impressionante. Ela  despontou para o estrelato olímpico, em Atenas, em 2004, quando conquistou a medalha de prata nos 200 m livre. Na mesma prova, no ano seguinte, no Mundial de Montreal, ela voltava a ser medalhista de prata.

Federica Pellegrini nasceu em 5 de agosto de 1988 (foto -arquivo Lance!

Federica Pellegrini nasceu em 5 de agosto de 1988 (foto -arquivo Lance!

Em 2006, em Trieste, no Campeonato Europeu, ela reafirmou sua liderança nos 200 m livre e arrebatou a medalha ouro.

No ano mais brilhante de sua carreira, em 2008, ela foi campeã dos 400 m livre no Campeonato Europeu de Eidhoven, na Holanda, estabelecendo um novo recorde mundial. Nos Jogos de Pequim ela se tornou campeã olímpica dos 200 m livres numa participação extraordinária ao vencer todas as baterias e quebrar o recorde mundial com o tempo de 1:54.82.

“La Pellegrini” viverá na  Rio 2016 a sua quarta olimpíada. Em entrevista na edição desta sexta-feira do diário “La Gazzetta dello Sport”, ela admite que experimentará uma sensação única:

– Normalmente, para mim, o 5 de agosto acontece sempre no meio das provas mais importantes da temporada … Este ano vou comemorar conduzindo a bandeira italiana. Será uma sensação única. É ao mesmo tempo um sinal de que a natação se tornou um dos esportes mais importantes da Itália. Serei a quinta mulher a ter a honra de cumprir esta tarefa.”

La Pellegrini e uma de suas medalhas de ouro

La Pellegrini e uma de suas medalhas de ouro

Sua trajetória extraordinária na natação mundial pode ser sintetizada em alguns episódios que ela própria enumera. Seu primeiro campeonato Mundial adulto em 2003. O primeiro recorde mundial batido em Melbourne, em 2007, superando a mitológica campeã alemã Francizca Van Almizick. O ouro e os recordes de Pequim em 2008. O Mundial de Roma em 2009. E, este ano, o recebimento da condecoração “Tricolor” das mãos do presidente da República, Sergio Matarella, no Palácio Quirinale, em Roma.

“La Pellegrini” explica de que maneira as 3 cores da bandeira italiana a inspiram no esporte:

– O vermelho é a paixão que faz parte de mim. Se não fizesse tudo com paixão não teria chegado até aqui. O branco é a pureza de querer ser sempre clara e dizer tudo com franqueza. O verde é a esperança na nossa terra”.

O decepcionante quinto lugar das Olimpíadas de Londres mexeu tanto com a nadadora italiana que ela chegou a admitir que não viria ao Rio de Janeiro:

-Não esperava que chegaria ao Rio como protagonista da forma que está acontecendo. Pensei por um tempo que Londres seria minha última experiência olímpica, mas depois de alguns dias percebi que não podia me render ao fato de encerrar minha carreira com a sensação de impotência na água. Na medida em que os Jogos vão se aproximando eu me sinto feliz por ter prosseguido por mais estes 4 anos.

La Pellegrini admite que aos 28 anos e depois de ter sido a melhor nadadora do mundo de 200 m ela continua perseverando na mesma direção:

-Procuro o mesmo que todos: fazer a prova perfeita, independente de que medalha virá.

Federica perfil

A Vila Olímpica da Rio 2016 surpreendeu a campeã das águas:

-Honestamente não há nada de estranho na Vila. Até agora a atmosfera não é nada daquilo que falavam.

A nadadora e toda a equipe de natação italiana chegou ao Brasil e se instalou em Santos onde iniciou o período final de preparação para as competições.

“La Pellegrini” reage com naturalidade aos elogios do primeiro ministro Renzi que a define como “divina, belíssima e em forma”:

-Estou contente, serena e determinada. Me sinto orgulhosa de ser a porta bandeira. Será uma grande emoção. Creio que é uma honra merecida por tudo o que alcancei na minha carreira. Espero estar a altura, mas não sinto nenhuma pressão em particular.

A campeã foi sincera e sensata. Depois de tantos desafios e superações a tarefa de desfraldar a bandeira de seu país no dia de seu aniversário na cerimônia de abertura dos Jogos Olímpicos só pode ser motivo de felicidade e leveza. A

La Pellegrini  cumprirá a mesma missão no mesmo dia que outras lendas como Rafael Nadal, Andy Murray, Michael Phelps e Novak Djokovic o farão também.

Feliz aniversário, campeã! Buon compleanno, campione!

 

 

 



MaisRecentes

Roma contrata Monchi, o “Rei Midas” do futebol europeu



Continue Lendo

Até a mídia de Madri se rendeu a Lionel Messi



Continue Lendo

Florentino Perez sonhou com Adriano Galliani no Real Madrid



Continue Lendo