Jornal francês anuncia candidatura de Platini para a FIFA. Será um bom nome para o Brasil?



O site do diário francês L’Équipe anunciou na manhã desta terça-feira que Michel Platini (60 anos), atual presidente da UEFA, deverá anunciar sua candidatura à presidência da FIFA nos próximos dias, talvez, amanhã. A eleição está marcada para o dia 26 de fevereiro de 2016 em Zurique.

Michel Platini é presidente da UEFA desde(foto - site oficial da UEFA)

Michel Platini é presidente da UEFA desde(foto – site oficial da UEFA)

Platini passou as últimas semanas realizando consultas a dirigentes representativos das entidades continentais e parece convencido de que reúne condições de se eleger. Ele esteve no sorteio das eliminatórias da Copa do Mundo de 2018 na Rússia, realizado em São Petesburgo e, no último fim de semana, assistiu à final da Copa Ouro, conquistada pelo México, na Filadélfia, nos Estados Unidos. Ele parece encarnar a aspiração de oxigenar a administração do futebol mundial, corroída pelas denúncias de corrupção de vários seus dirigentes.

Sepp Blatter está acuado e com dificuldades de articular um candidato que tenha condições de bater o dirigente francês. O nome que parece ter viabilidade e que contaria com a simpatia de Blatter é o do Xeque Ahmad Al-Fahad Al-Sabah (52 anos), do Kuwait, presidente do Conselho Olímpico da Ásia, presidente dos Associação dos Comitês Olímpicos Nacionais e membro do Comitê Olímpico Internacional. Ele teria o compromisso de indicar o advogado Marco Villiger, fomado pela Universidade de Zurique e atual diretor jurídico da FIFA, para o cargo de secretário geral, atualmente ocupado por Jérôme Valcke.

Xeque Ahmad Al-Fahad Al-Ahmed Al-Saba (foto - site oficial do ANOC)

Xeque Ahmad Al-Fahad Al-Ahmed Al-Saba (foto – site oficial do ANOC)

Algumas outras hipóteses possíveis são o sul coreano Chung Mong-joon (61 anos), ex-vice presidente da Fifa e herdeiro do grupo industrial Hyundai, e o príncipe Ali Bin Al Hussein da Jordânia (39 anos), derrotado por Blatter no pleito realizado em maio. Os nomes de Diego Maradona (54 anos) e Zico (62 anos), apesar da presença midiática, não desfrutam de qualquer viabilidade eleitoral. Zico confirmou, nesta terça-feira, que enviou uma carta à CBF solicitando que seu nome seja indicado para candidato ao cargo pela entidade.

Segundo os estatutos da FIFA os candidatos terão que oficializar seus nomes até o dia 26 de outubro, quatro meses antes da data marcada para o pleito.

Platini também é obrigado a considerar o futuro da UEFA sem sua presença na presidência, para a qual foi reeleito no último dia 24 de março. Dois nomes despontam no cenário para substituí-lo. O mais improvável é o do membro dos Comitês Executivos da UEFA e da FIFA e ex-dirigente do Manchester United, David Gill (58 anos). O mais poderoso é o de Wolfgang Niersbach (65 anos), atual presidente da Federação Alemã de Futebol.

Wolfang Niersbach pode suceder Platini na UEFA (foto - site oficial da UEFA)

Wolfang Niersbach, presidente da Federação Alemã de Futebol, pode suceder Platini na UEFA (foto – site oficial da UEFA)

Michel Platini é um ex-extraordinário jogador de futebol, ídolo do futebol francês (Nancy e Saint-Etiènne) e da Juventus de Turim. Ele foi técnico da Seleção Francesa de 1988 a 1992 e co-presidente do Comitê de Organização da Copa do Mundo de 1998. Desde 2007, quando bateu o sueco Lennart Johansson, ele é o presidente da UEFA.

Seu apoio foi decisivo para a polêmica escolha do Qatar para sede da Copa do Mundo de 2022 que deverá ser realizada, excepcionalmente, nos meses de novembro e dezembro em função das condições climáticas daquele país no lugar dos tradicionais meses de junho e julho.

Platini é um euro-centrista convicto. Toda a sua ação no dia a dia da FIFA, onde atua como membro do Comitê Executivo, é voltada para a defesa dos interesses do futebol do continente europeu. Recentemente foi mentor da decisão de banir do futebol o papel dos investidores privados na propriedade dos direitos econômicos dos jogadores, medida frontalmente antagônica aos interesses do futebol sul-americano.

A eleição ocorrerá num momento de extrema debilidade política da Conmebol em função da prisão de alguns dos seus mais importantes dirigentes acusados de corrupção e fraude financeira pelas autoridades da justiça americana. A Concacaf, por outro lado, deve apoiar o nome de Platini, segundo reconheceu, nos últimos dias, o presidente da Federação Mexicana, Justino Compeán.

Platini tem a seu favor o fato de, já algum tempo, defender a reforma da FIFA e a saída de Sepp Blatter da presidência da entidade, mesmo antes das prisões ocorridas recentemente. Ele também acaba de se manifestar a favor da valorização dos jogadores pratas da casa, firmemente apoiada pela Federação Inglesa, preocupada com a invasão de jogadores de outros países na Premier League.

O nome de Platini será tratado com imensa simpatia por parte da mídia esportiva mundial, notadamente da europeia. Mas, no seio dos que ocupam cargos representativos em vários continentes, ele continuará sendo encarado com reservas.

Em condições políticas normais a CBF e a Conmebol deveriam estar articulando um nome viável eleitoralmente alternativo ao do ex-craque francês e encarando com simpatia o do Xeque do Kuwait.

Atualizado às 21:21 de 28 de julho de 2015.



  • SEBASTIÃO PASCHOAL

    Pela organização da Copa da UEFA que assisto todo ano, acho um excelente nome para dirigir a FIFA. Agora, se vai ser bom ou ruim para o Brasil, pouco importa, importa que dê moralidade e renovação ao futebol e com as velhas regras da entidade.

MaisRecentes

Ranieri, uma história sempre surpreendente no Leicester



Continue Lendo

Há 50 anos, o “Bola de Ouro” húngaro Albert vestia a camisa 9 do Flamengo



Continue Lendo

FIFA revoltada com ausência de Messi na festa do “The Best”



Continue Lendo