Há 50 anos, o “Bola de Ouro” húngaro Albert vestia a camisa 9 do Flamengo



Atualizado às 13:24h de 15/01/2017

 

Há exatos 50 anos, no dia 15 de janeiro de 1967, o craque húngaro Albert Flórián (1941/2011) vestiu a camisa 9 do Flamengo no primeiro de dois amistosos que jogaria contra o Vasco da Gama na disputa do Troféu Rivadávia Correa Meyer, homenagem ao ex-presidente da CBD que falecera.

Albert, que jogou pelo Ferencvárosi TC de Budapeste, entre 1958 e 1974, estava no auge de sua carreira e seria eleito pela revista France Football, em setembro daquele ano, o Bola de Ouro do futebol europeu, superando jogadores míticos como o inglês Bobby Charlton (Bola de Ouro 1966), o português Eusébio (Bola de Ouro 1965) e o alemão Franz Beckembauer (Bola de Ouro 1972 e 1976).

Na partida disputada na Gávea¹, o Flamengo venceu por 2 a 0, com gols de Albert e Osvaldo. Antes do jogo, houve homenagens para o craque húngaro, para o atacante Silva que se despedia do clube e para o volante Carlinhos pelos 12 anos que completava como jogador do Flamengo.

No segundo amistoso², na quarta-feira, dia 18, em General Severiano, o Vasco da Gama venceu por 2 a 0 com gols de Oldair e Morais. Albert saiu na metade do segundo tempo pois voaria naquela mesma noite de volta para seu país. Ele se reapresentaria imediatamente ao Ferencvárosi que jogaria no início de fevereiro contra o Eintracht Frankfurt pela então Liga dos Campeões da Europa.

O registro do episódio ganha significado se o compararmos com a realidade de profissionalização e sentido empresarial do futebol contemporâneo. Nos dias de hoje equivaleria a que Cristiano Ronaldo ou Lionel Messi visitasse o Rio de Janeiro, treinasse na Gávea por 2 semanas e atuasse pelo Flamengo em 2 amistosos sem qualquer remuneração em troca. Nas circunstâncias de hoje as chances de um jogador vinculado a um clube húngaro voltar a conquistar um dos prêmios mais cobiçados são risíveis.

Albert celebrando seu gol na Gávea

Albert, ao centro,  celebrando seu gol na Gávea

Albert passou 2 semanas no Rio de Janeiro convidado pelo vice-presidente rubro negro de então, o sueco Gunnar Goransson, e pelo presidente Luiz Roberto Veiga Brito. Sua passagem foi coberta com grande destaque pela mídia esportiva. O convite ao jogador foi feito vários meses antes, mas sua vinda no início da temporada de 1967 também serviu para tentar resgatar o ânimo da torcida rubro-negra traumatizada pela perda do título carioca do ano anterior na famosa decisão contra o Bangu no Maracanã. Poucas semanas antes, num domingo, 18 de dezembro de 1966, diante de 143 mil pessoas, o clube de Moça Bonita vencia por 3 a 0 quando uma briga generalizada entre os jogadores interrompeu a partida. Ao final o árbitro Aírton Vieira de Morais encerrou a partida em função do número de jogadores que ele expulsara de campo.

A badalação em torno da vinda de Albert, portanto, se justificava e incluiu até a ida de sua esposa, Irene, à quadra da escola de samba Estação Primeira de Mangueira onde foi homenageada. Albert foi primeira página de O Globo, Jornal do Brasil, Jornal dos Sports, Diário de Notícias em vários daqueles dias.

O craque húngaro se tornara conhecido no Brasil especialmente por ter sido apontado como o melhor jogador em campo na vitória da Hungria sobre a Seleção Brasileira, por 3 a 1, na Copa do Mundo da Inglaterra meses antes. Ele ainda hoje é considerado o melhor jogador de seu país após a geração de ouro de Ferenc Puskás, Sándor Kocsis, Zoltán Czibor, Nándor Hidegkuti e outros que brilharam no futebol europeu nos anos 50 do século passado. Ele disputou 75 partidas e assinalou 31 gols pela seleção húngara entre 1959 e 1974. Pelo Ferencvárosi foram 350 jogos e 258 gols marcados.

O atacante se destacava pela inteligência e elegância com que se movimentava em campo, pela técnica e eficiência com que chegava ao gol adversário.

Albert conquistou 4 títulos de campeão húngaro (1962/63, 1963/64, 1966/67 e 1967/68) 3 Copas da Hungria ( 1957/58, 1961/61 e 1973/74) 1 Taça Europeia das Feiras (1964/65) e a medalha de bronze nas Olimpíadas de 1960 em Roma. Ele foi 3 vezes o artilheiro do campeonato húngaro (1959/60, 1960/61 e 1964/65), o artilheiro da Copa do Mundo de 1962 no Chile e o artilheiro da Copa dos Campeões de 1965/67.

 

FUNDAÇÃO

Neste momento a “Albert Flórián Sport Foundation”, dirigida por Albert Jr e Magdolna, filhos de Albert, por ocasião da celebração dos 75 anos de nascimento do craque, organiza uma exposição sobre sua carreira que funcionará até o dia 30 de maio dentro do Museu do Ferencvárosi, em Budapeste.

Inspirados pela lembrança das histórias simpáticas que seus pais contavam da visita ao Rio e pelo tratamento que receberam do Flamengo, seus filhos se dirigiram oficialmente ao clube, através de seu amigo húngaro/brasileiro Jorge Frank, e solicitaram uma camisa oficial rubro-negra de número 9, com o nome de Albert às costas, para que esta viesse a integrar a exposição. O presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e o vice-presidente de patrimônio histórico, Roberto Diniz, não se limitaram a enviar duas camisas oficiais do clube. Eles também providenciaram a produção de um vídeo com o depoimento dos ex-craques rubro-negros Silva Batuta e de Paulo Henrique³ que conviveram com Albert durante sua permanência no Rio.

Marca da Fundação Albert

Marca da Albert Flórián Sport Foundation

O principal canal esportivo de TV da Hungria registrou a entrega formal do material enviado pelo Flamengo numa reportagem exibida na última sexta-feira e que teve mais de 8 minutos de duração.

Recentemente, a Fundação lançou um livro com fotos, depoimentos de outras legendas do futebol húngaros e histórias com a carreira de Albert.

 

 

 

 

 

 

Notas:

¹Flamengo 2 x 0 Vasco – Gávea – Flamengo – Marco Aurélio, Murilo, Jaime, Ditão (Gilson) e Paulo Henrique; Pedrinho (Jarbas) e Carlinhos  (Osvaldo); Dênis (Pedrinho), Albert, Cesar (Rimbo) e Osvaldo (Arílson). Técnico: Armando Renganeshi – Vasco da Gama – Édson, Ari (Odair), Sérgio, Ananias, e Oldair (Tinoco); Maranhão (Salomão) e Danilo; Zezinho (Nado), Bianchini (Acelino), Adilson (Rubilota) e Morais. Técnico: Zizinho. Árbitro: Arnaldo César Coelho

 

²Vasco da Gama 2 x 0 Flamengo – General Severiano – Vasco da Gama – Édison, Nilton, Sérgio, Ananias e Oldair; Maranhão (Salomão) e Danilo Menezes; Zezinho (Nado), Bianchini, Adilson e Morais. Técnico: Zizinho – Flamengo – Marco Aurélio, Murilo (Leon), Jaime, Luís Carlos (Murilo) e Paulo Henrique; Pedrinho (Jarbas) e Carlinhos; Dênis (Pedrinho), Albert (Fio), César e Osvaldo. Técnico: Armando Renganeshi – Árbitro: José Mário Vinhas.

 

³Paulo Henrique era o lateral esquerdo da seleção brasileira na derrota para Hungria de Albert na Copa da Inglaterra em 1966.

 



MaisRecentes

Ranieri, uma história sempre surpreendente no Leicester



Continue Lendo

FIFA revoltada com ausência de Messi na festa do “The Best”



Continue Lendo

Última chamada na Champions League: 7 clubes disputam 4 vagas.



Continue Lendo