Guardiola vence o derby e celebra campanha com vitórias em Stamford Bridge e Old Trafford



Atualizado às 16:09h de 11/12/2017¹

 

A incontestável vitória do Manchester City sobre o Manchester United, neste domingo, em Old Trafford, por 2 a 1, não apenas estendeu a liderança do líder do campeonato para 11 pontos na 16ª rodada. Ela sacramentou uma nítida superioridade na nível de futebol e na competitividade apresentados pelo líder do campeonato sobre seu menos distante concorrente. E consagrou a maior liderança em pontos de um time nas principais ligas europeias.

O City de Guardiola foi a Old Trafford e se impôs com a autoridade de mandante sobre um acovardado United de Mourinho que se limitou a 2 espasmos durante a partida. No lance fortuito em que Rashford por oportunismo igualou o placar no final do primeiro tempo e na pressão desesperada dos últimos minutos do jogo. Neste momento a participação do goleiro brasileiro Ederson foi brilhante com 2 defesas espetaculares em sequência.

City faz festa no vestiário de Old Trafford (foto – twitter pessoal de Lerroy Sané)

Convenhamos que é muito pouco para o clube mais vitorioso do país e que marcou sua trajetória ao longo da vida com equipes ofensivas e ambiciosas que justificaram a definição de seu estádio como o “Teatro dos Sonhos”. Mourinho tentou proteger seu pragmatismo doentio ao final da partida alegando ter constatado um equilíbrio que só ele viu, além de reclamar um pênalti de Otamendi em Herrera. As imagens da TV mostraram que foi um lance complexo mas em que o contato entre os jogadores foi provocado pelo espanhol do United.

As cifras da partida são categóricas e provam que uma equipe não é mais ofensiva pelo número de atacantes que coloca em campo. Mourinho escalou de início Lingard, Rashford, Martial e Lukaku e, amplamente dominada, viveu de esparsos contra-ataques. Guardiola, voltou para o segundo tempo, com Fernandinho de zagueiro e Gundogan no lugar de Kompany e provou que foi ao campo adversário para vencer e não usaria substituições óbvias para perseguir seu objetivo.

Em todas as estatísticas, a equipe de Guardiola foi superior. O time azul teve 64% de posse de bola contra 36%, com 606 passes contra 325. O City chutou 14 bolas a gol (7 no alvo), contra 8 (5 no alvo). O City cobrou 8 corners contra 2 do United. O time de Mourinho cometeu 16 faltas e de Guardiola 10.

As palavras do técnico português após a derrota de que o  City “está protegido pela sorte” e de que “os deuses do futebol estão apoiando eles” não podem ser levadas a sério. Um clube não conquista, invicto, 46 pontos em 16 rodadas apenas por golpes de sorte. Talvez o fato de que, agora, em 2o confrontos contra Guardiola, Mourinho venceu apenas 4 explique a insensatez proferida pelo técnico do United.

É importante registrar que o City lidera consistentemente a Premier League jogando um futebol diferente dos demais clubes. E Guardiola tem razão quando lembra que “as pessoas dizem que não se pode jogar desta forma na Inglaterra. Elas diziam que nós não podíamos jogar como o Barcelona. É possível e nós fizemos isto. Eu sempre acreditei que poderíamos. É por isto que o futebol é tão bonito”.

O catalão foi enfático na celebração dos 2 triunfos mais significativos da campanha até aqui: “estou feliz em ir a Stamford Bridge e agora a Old Trafford e em superar nossos adversários desta maneira”. Ele se refere às vitórias como visitante sobre o campeão² da última temporada e o arqui-rival.

Guardiola parece determinado a escreverá um capítulo muito particular na história da Premier League e do próprio futebol inglês com uma fórmula de difícil aplicação no campeonato mais rico do planeta: vencer, dando espetáculo.

Brasileiros em campo

O técnico Tite deve ter saído satisfeito de Old Trafford. Viu Ederson brilhar no gol e Fernandinho ratificar sua versatilidade por atuar magnificamente num jogo tão importante em mais de uma posição: volante e zagueiro. Gabriel Jesus brigou muito mas não viveu uma jornada inspirada.

Problemas no túnel de Old Trafford sob investigação

A FA investigará os acontecimentos pós jogo no túnel de Old Trafford que envolveram, pelo menos com certeza, José Mourinho e o goleiro Ederson.

 

 

1 O título do post foi corrigido: “celebre” foi corrigido para “celebra”.

2 No dia 30 de setembro, pela 7ª rodada, o City venceu o Chelsea por 1 a 0 em Stamford Bridge.

 

 

 



MaisRecentes

O sonho comum dos técnicos Heynckes e Zidane: o terceiro título da Champions League



Continue Lendo

Liverpool x Roma: duelo de clubes europeus com proprietários americanos



Continue Lendo

Infantino convoca reunião de emergência da FIFA para discutir proposta de 25 bilhões de dólares



Continue Lendo