França organiza e sonha com a EURO 2016



A EURO 2016 tem início na tarde de hoje em Paris com a partida entre França e Romênia no Stade de France. Não é exagero definir a competição como uma Copa do Mundo sem Brasil e Argentina.

Também não está longe da verdade encarar a versão 2016 da competição europeia como o torneio de um favorito destacado: a equipe anfitriã, a França. Talvez seja a única seleção dos países tradicionais candidatos ao título verdadeiramente pronta e madura para confirmar suas potencialidades. Se a equipe de Didier Dechamps não conta com um gênio como Zinedine Zidane, ela tem em Anthony Griezmann um atacante de talento e eficiência que podem aproximá-lo do papel que Thierry Henry cumpriu tanto tempo nos “Bleus” e em Pogba a criatividade em forma de jogador no meio campo. Pelo bem do futebol a atitude oportunista de Karim Benzema tentando “politizar” sua exclusão da seleção vinculando-a a uma suposta escolha racista por parte de Deschamps não prosperará.

"É a hora de entrar no jogo"

“É a hora de entrar no jogo” conclama a Federação Francesa de Futebol através “#orgulhoso de ser azul”

Uma outra probabilidade, na direção oposta, é a Espanha, com seu grupo formado por jogadores de primeira categoria, mas que, há muito, se apresenta como uma equipe cansada, monótona, repetitiva e que parece não ter sabido se reinventar com o tempo. Vicente Del Bosque sobreviveu aos 3 a 0 da final da Copa dos Confederações no Brasil e ao fiasco da eliminação da Copa do Mundo na fase de grupos, mas se despedirá do cargo após a Euro.

A Alemanha vem com um grupo repleto de remanescentes da conquista do Mundial de 2014, mas experimentando soluções táticas diferentes (3 zagueiros e processo de substituição de Schwensteiger) que podem custar caro ao time de Joaquin Läw.

A Inglaterra inaugurá suas participações em finais internacionais na etapa pós-Gerrard/Lampard de sua vida. Roy Hodgson tem nas mãos um grupo jovem que vem se firmando com boas atuações e aproveitando surpresas recentes geradas pela Premire League como os atacantes Vardy, do Leicester, e o jovem diamante do Manchester United, Rashford. No entanto, em se tratando do English Team e seus fracassos recentes é bom “esperar para ver”.

Príncipe William desejando sorte a Roy Hodgson (foto - thefa.com)

Príncipe William desejando sorte a Roy Hodgson (foto – thefa.com)

A Itália será sempre a Itália, atual vice campeã do torneio, mas completamente remodelada, para pior, do meio para frente e desfalcada no meio campo de Verrati e Marchisio. Sorte ainda contar com Buffon e o trio juventino de zagueiros (Chielini, Barzagli e Bonucci). Se chegar a algum lugar será, por certo, em função de sua solidez defensiva. O momento da Azzurra é tão delicado que obrigou o técnico Antonio Conti a recorrer a “italianos” como Thiago Motta e Eder.

A Bélgica e seus talentos espalhados pelas principais ligas do continente retoma sua condição de aspirante a protagonista com justos motivos. Vai vingar? Esta resposta fará parte da concretização ou não das maiores expectativas de quem acompanhará o torneio.

Portugal, Galles e Suécia merecem a citação por contarem com astros como Cristiano Ronaldo, Gareth Bale e Zlatan Ibrahimovic, mas com chances remotas de título.

A Euro tem se revelado mais sujeita às surpresas em termos de campões inéditos do que a Copa do Mundo tão conservadora e elitista com um círculo tão restrito de ganhadores.

Todos os 51 jogos da Euro 2016 estarão disponíveis em “streaming” através do site oficial da UEFA com 26 câmeras próprias e exclusivas por partida, contando com 8 delas em qualidade 4K UHD.



MaisRecentes

Presidente do Bayern detona valores especulados numa eventual transferência de Neymar.



Continue Lendo

Os extravagantes valores de uma eventual transferência de Neymar do Barça para o PSG



Continue Lendo

United x City jogarão pela primeira vez o “derby” de Manchester fora do Reino Unido.



Continue Lendo