Federação Espanhola desafia Governo e Liga de Futebol. Greve convocada.



O futebol espanhol vive um momento de absoluto desencontro, num clima de beligerância interna que o aproxima do caos. A Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) reagiu à maneira com que o governo tratou a questão do novo Real Decreto que define os termos de negociação dos direitos audiovisuais das competições de futebol profissional e convocou, em conjunto com a associação de jogadores profissionais, uma greve do futebol espanhol para a partir do dia 16 de maio, coincidindo com a realização da penúltima rodada da La Liga 2014/15. Esta é a sétima vez que uma greve é convocada pela RFEF, desde março de 1979, sendo que apenas duas delas acabaram sendo realizadas sem que um acordo prévio as abortasse.

A RFEF demorou a reagir publicamente, mas afinal se revelou contrária a algumas das medidas contidas no Decreto como as inspeções da Agência Tributária e da Previdência social “aos clubes mais modestos”. Já o sindicato dos futebolistas se manifestou crítico ao aumento da pressão fiscal por parte da Agência Tributária com relação aos impostos aplicados  aos contratos de direitos de imagem dos jogadores e à repartição dos recursos da TV entre a Primeira e a Segunda Divisão estabelecida em 90% e 10% respectivamente. A entidade dos jogadores defende que a relação seja mais próxima de 80%/20% adotada na França ou de 79%/21% aplicada na Alemanha.

Greve na La Liga em que brilham Dani Alves e Neymar? (foto - site oficial do Barcelona CF)

Greve na La Liga em que brilham Dani Alves e Neymar? (foto – site oficial do Barcelona CF)

Cabe observar que a decisão pela greve tomada na reunião da junta diretiva da Federação não contou com o apoio dos dirigentes do Getafe, Valadollid, Tenerife e Villareal.

A reação por parte da Liga de Futebol Profissional (LFP) em defesa do Real Decreto foi imediata e veemente anunciando medidas legais junto aos órgãos administrativos e judiciais contra a deflagração da greve e “em defesa dos direitos e interesses legítimos, tanto dos clubes filiados quanto das competições profissionais que organiza e que estão sendo flagrantemente violados”.  Outro tema que afasta a LFP da RFEF e do sindicato dos clubes se refere à entrada em vigor a partir do último 1 de maio da proibição da ação dos fundos de investimento no futebol espanhol – também conhecidos como TPO (third-party ownership) apoiada pela FIFA.

Segundo o presidente da LFP, Javier Tebas, “os fundos de investimento foram responsáveis pela aplicação recente de mais de € 100 milhões no futebol espanhol e o objetivo é triplicar esta cifra nas próximas duas temporadas. Com estes recursos seremos capazes de manter talentos e também contratar jogadores europeus de primeiro nível”.

Javier Tebas adverte que “os prejuízos da convocação da greve anunciada pela RFEF são terríveis e substanciais. Esta greve é uma loucura irresponsável. Até da China eu recebi mensagens de preocupação por parte de algumas empresas patrocinadoras”. Para ele o governo não deveria ceder “a esta chantagem irresponsável e não deveria modificar uma vírgula sequer do Real Decreto”.

Javier Tebas não acredita na greve convocada pela RFEF ( foto - site oficial da LEF)

Javier Tebas não acredita na greve convocada pela RFEF ( foto – site oficial da LEF)

Pelo lado governamental o presidente do Conselho Superior de Desportos (CSD) Miguel Cardenal afirmou, na manhã de hoje, que convocação da greve por parte da RFEF não tem justificativa pois o Real Decreto aprovado pelo Governo na quinta-feira da semana passada que determina a venda coletiva dos direitos de TV no futebol apenas atende a “uma demanda reiterada do setor. Ele diz “esperar” e “confiar” que impere a lógica e que a rodada da La Liga do fim de semana de 16 e 17 de maio aconteça normalmente: “peço que a RFEF faça uma leitura mais atenta e tranquila do texto, reavalie e retome a linha de trabalho razoável para levar à frente o futebol espanhol”.

Cardenal foi além e questionou a RFEF de maneira enfática; “gostaria de saber exatamente do que a FREF não gosta no Real Decreto. Não gosta de que mais dinheiro seja destinado para a Segunda Divisão ? Que o futebol popular saia do nada e passe a receber € 30 mi ao ano? Que a Liga Espanhola possa vir a competir com as demais inclusive com a Premier League? Ela não gosta que possamos manter os grandes jogadores no nosso campeonato? Este é o momento que todos devemos pensar no futebol espanhol, que vive uma encruzilhada história e em que todos temos que estar juntos a seu lado para que todos sejamos beneficiados”.

As rodadas que vão definir o campeão da Temporada 2014/15 estão suspensas? ( foto - site oficial do RMCF)

As rodadas que vão definir o campeão da Temporada 2014/15 estão suspensas? ( foto – site oficial do RMCF)

O presidente da LFP menosprezou uma possível denúncia por parte da RFEF junto à FIFA de ingerência do Governo nos assuntos do futebol. Ele não crê que o Real Decreto seja muito diferente da legislação já adotada por outros países europeus: “não tomei conhecimento de intervenção alguma da Federação Internacional por leis parecidas com as nossas”.

Salta aos olhos a semelhança de alguns argumentos esgrimidos pela RFEF diante das questões provocadas pelas medidas adotadas pelo Governo espanhol comparados aos apresentados pela CBF no processo de discussão da medida provisória proposta pela presidente Dilma Rousseff .

Atualização às 18:31 de 07/05

Nesta quinta-feira os jogadores profissionais – Casillas, Xavi, Piqué, Juanfran, Ramos, Vella e Iniesta dentre outros –  se reuniram com o presidente da AFE (sindicato dos futebolistas) e decidiram apoiar a greve sugerida pela RFEF.

Os jogadores deixaram claro que apoiam a venda coletiva e centralizada dos direitos de TV, mas reclamam não terem sido consultados durante o processo de discussão sobre o Real Decreto lançado pelo Governo. AFEBasicamente a AFE reivindica que de 1% a 1,5% dos valores gerados pelo novo contrato de direitos de TV seja destinado a planos de pensão para futebolistas e aplicados num fundo de apoio à recolocação profissional dos jogadores das divisões mais modestas do futebol espanhol.

Tudo indica que o Real Decreto deverá incorporar algumas das questões apontadas tanto pela RFEF quanto pela AFE a tempo de impedir que a greve programada para o dia 16 de maio seja deflagrada.



  • Ambrosio jose

    Por favor deixem nao quebrem o ritimo do barcelona nem do messi ele vai provar mais uma vez q na ultima eleicao nao esteve bem mas ele sera sempre o melhor em comparacao aqueles q qdo nao fazem tem q ganhar destaque pela negativa
    Ambrosio do Rangel

MaisRecentes

Ranieri, uma história sempre surpreendente no Leicester



Continue Lendo

Há 50 anos, o “Bola de Ouro” húngaro Albert vestia a camisa 9 do Flamengo



Continue Lendo

FIFA revoltada com ausência de Messi na festa do “The Best”



Continue Lendo