“É difícil competir com clubes como Barcelona e Real Madrid”, reconhece dirigente histórico do Milan



“A Europa ficou muito difícil, é uma realidade colossal. Será duro voltar ao seu topo. Torcemos para que isto aconteça, mas é muito difícil competir com clubes como Barcelona e Real Madrid”.

Estas palavras duras e resignadas ganham dimensão transcendental quando vocalizadas por Adriano Galliani, 72 anos, um dos dirigentes mais identificados com a história de sucesso trilhado pelo Milan ao longo das décadas de 80, 90 e até o meio de 2012 no momento em que se afasta da direção do clube. Neste período de glórias, o rubro negro de Milão, sob a presidência de Silvio Berlusconi, conquistou 5 Champions League, 8 Campeonatos italianos, 5 Supercopas da Europa, 6 Supercopas Italianas e 3 Mundiais de Clubes.

Personagens de um Milan que não existe mais (site oficial do AC Milan)

Personagens de um Milan que não existe mais (site oficial do AC Milan)

A realidade do futebol europeu de clubes vem se transformando de maneira dramática nos últimos anos e pouca gente percebeu. Em 2012 o relatório “Football Money League” da empresa de consultoria Deloitte apontava o Milan como o 7º clube com maior receita no futebol europeu. Em 2013, o 6º. Em 2014, ele era o 9º. Em 2015, o 12º. E, no relatório deste ano, o 14º. Em todos estes anos, Real Madrid ocupou a primeira posição.

Neste ciclo, houve uma rápida e profunda reacomodação das forças esportivas e financeiras entre os principais clubes e países na Europa. Alguns se fortaleceram e se expandiram, notadamente os mega espanhóis Real Madrid e Barcelona, praticamente todos os ingleses, o francês Paris Saint-German, o alemão Bayern de Munique e a italiana Juventus de Turim se transformaram na elite da elite.

Dificilmente, como reconhece Galliani, este cenário se modificará no futuro próximo, ainda que o Milan tenha sido adquirido por investidores chineses. As regras de fair play financeiro limitam a aplicação nos clubes de recursos não gerados pelo próprio futebol. Portanto, o dinheiro até pode voltar a aparecer para o rubro negro milanês, mas terá que ser gerado pelo marketing, pela retomada da expansão da marca no exterior e pela volta do torcedor a San Siro. Como fazer isto sem voltar a conquistar o título italiano e a Champions League?

A constatação mais abrangente é que o futebol italiano – e não apenas o Milan – se enfraqueceu recentemente. Os clubes, apesar de privados, não modernizaram o modelo de governança que foi se tornando arcaico, os escândalos financeiros se sucederam, os estádios envelheceram e os resultados nas competições europeias minguaram.

O calcio, com a exceção da Juventus, parou no tempo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 



MaisRecentes

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo

Campeonato Italiano com 20 clubes tem sido previsível e elitista ao longo da história



Continue Lendo