Destino da eleição na FIFA pode ser decidido amanhã no Catar



Neste fim de semana o destino da eleição para presidente da FIFA, programada para o dia 26 de fevereiro, poderá estar sendo decidido em Doha, no Catar. Neste sábado, Japão e Coréia do Sul, decidirão a Copa da Ásia Sub-23. Como presidente da Federação Asiática de Futebol (FAF) e candidato a presidente da FIFA, o Sheik Salman Bin Ebrahim Al Khalifa, recepcionará 3 dos outros concorrentes ao pleito: o sul-africano Tokyo Seswale, o suíço-italiano Gianni Infantino e o príncipe jordaniano Prince Ali Bin Al Hussein. A presença do francês Jérôme Champagne ainda não foi confirmada.

O significado do encontro entre os candidatos na capital do país que seriará a Copa do Mundo de 2022 pode vir a ser aquele que Seswale definiu durante uma entrevista à rádio sul-africana Metro FM, nesta quinta-feira: “a hora das alianças está chegando. Este é o fator novo que estou identificando. É saudável, democrático e é positivo. Se eu perceber que as chances não são boas… eu continuarei FIFA. Mas que presidente, então, eu gostaria? Por isto acontecem as alianças”.

Sheik Salman recebe concorrentes em Doha (foto - the-afc.com

Sheik Salman recebe concorrentes em Doha (foto – the-afc.com

Seswale confirmou sua estratégia política: “vou ser claro… onde isto pode acabar? Não será Tokyo Seswale. O fim desta história, e neste momento, estou apelando à Europa, aos eleitores europeus, que com o apoio da Europa, chegou a hora de um presidente asiático ou um africano. É nesta direção que devemos seguir”.

O sul-africano explicou por que não admite apoiar o candidato europeu Gianni Infantino: “sou seu amigo, parceiro, mas não acho ele seja a melhor escolha do momento. Eu diria que não é o momento de substituirmos Sepp Blatter por um outro dirigente suíço.”

Tokyo Seswale era amigo íntimo de Nelson Mandela (foto- tokyoseswale.com)

Tokyo Seswale era amigo íntimo de Nelson Mandela (foto- tokyoseswale.com)

Outro importante dirigente asiático estará presente em Doha e, por certo, agindo na direção de um entendimento entre o Sheik Salman e do secretário geral da UEFA Gianni Infantino: o Sheikh Ahmad Al-Fadah Al-Sabah, do Kwait. Segundo ele declarou em outubro à agência Reuters, “eu espero que a gente não tenha um impasse insuperável. Eu torço para que haja uma coordenação e que nós cheguemos uma solução de entendimento”.

Os candidatos a presidente da FIFA encontrarão em Doha um ambiente francamente favorável ao anfitrião Sheik Salman que recentemente protagonizou a celebração, em Ruanda, de um acordo entre a FAF e Confederação Africana de Futebol (CAF),’ pelos próximos quatro anos, nos quais, a entidade asiática investirá e transferirá know how no desenvolvimento do futebol feminino e em projetos de marketing. Evidentemente o acordo está sendo interpretado como a indicação de que os 54 votos africanos se direcionarão maciçamente para o candidato asiático.

Sheik Salman aproveitou seu discurso de recepção aos convidados à final da Copa da Ásia Sub-23 em Doha, nesta quinta-feira, para reforçar os pontos fundamentais de sua plataforma para o futebol. Ele reafirma o objetivo da AFC seguir investindo no “desenvolvimento de times cada vez melhores para competir no mais alto nível do futebol mundial. Vamos buscar o incremento das receitas comerciais para financiar nossos projetos. Buscamos virar referência na boa governança. Chegou a hora do futebol da Ásia brilhar. Com unidade, integridade, liderança e profissionalismo nós vamos provar que estamos aproveitando as oportunidades que estão diante de nós”.

Se a hora é aquela que Tokyo Seswale anunciou, algo de novo pode nascer em Doha e o nome do próximo presidente da FIFA pode estar sendo escrito em tintas fortes para a eleição do dia 26 de fevereiro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 



  • Fabio

    “poderá estar sendo decidido”
    alguém fugiu da escola!

MaisRecentes

Jornais esportivos espanhóis de luto pelos atentados terroristas na Catalunha



Continue Lendo

Barcelona se revolta com matéria que vincula contratação de Paulinho aos interesses da empresa do presidente Bartomeu.



Continue Lendo

Campeonato Italiano com 20 clubes tem sido previsível e elitista ao longo da história



Continue Lendo