Capello critica o Calcio ao anunciar a aposentadoria: “é difícil obter bons resultados com jogadores medíocres”



Fabio Capello, um dos técnicos italianos de maior prestígio nas últimas décadas, aproveitou uma entrevista para a RadioUno para anunciar que não trabalhará mais como técnico e passará apenas a comentar futebol para o canal Sky italiano. Aos 71 anos, ele ironiza sua nova condição profissional: “fiz tudo o que eu queria e estou muito contente com o que consegui. Estou encantado por ser comentarista. É uma posição em que você sempre ganha”.

O diagnóstico de Capello sobre o Calcio praticado no momento não poderia ser mais crítico: “nós, treinadores, somos bons quando temos jogadores de primeiro nível. É difícil obter resultados com jogadores medíocres. Neste momento não temos grandes jogadores, não temos líderes. Nos faltam jogadores que fazem a diferença. A Série A tem pouca qualidade. Não temos maestros no futebol italiano, bons jogadores que possam inspirar.”

Para ele a perspectiva não é boa devido a incapacidade financeira dos clubes italianos: “você aprende com os melhores, mas os melhores são comprados pelos clubes estrangeiros mais fortes. O futebol italiano não tem bons professores, nem bons jogadores para copiar algo”.

Capello atuou em 32 partidas pela Azzurra

Capello faz uma comparação muito interessante entre a formação dos jogadores na Itália em relação a que é realizada na Espanha. Segundo ele, “na Itália, já se fala de tática com jogadores de 12 anos, enquanto os espanhóis trabalham com a bola nesta idade. Precisamos de pessoas que ensinem o futebol, a parte técnica, a controlar a bola”.

Por tudo isto Capello é pessimista sobre as perspectivas das equipes italianas na Champions League: “quando você tem Ronaldo e Messi, você já começa o jogo com  1 a 0. Eles são jogadores decisivos e nesta temporada mais do que nunca. Eu não vejo muitas chances para Juventus e Roma. As qualidades desses jogadores e o potencial econômico desses clubes é maior do o nosso”.

Ao mesmo tempo ele vislumbra na Juventus a favorita para a conquista do scudetto e comenta:  “a Juve tem força mental, qualidade técnica e um treinador que sabe ler os jogos muito bem. O Napoli vem perdendo a vitalidade, o jogo exuberante que teve alguns meses atrás e tem jogado na base da individualidade”.

A trajetória de Capello no futebol

Fabio Capello foi um bom meio campista. Ele passou por Spal, Roma, Juventus, Milan e pela própria seleção italiana. Como técnico só trabalhou em grandes equipes. Seu primeiro clube foi o Milan, substituindo Arrigo Sacchi.  Em seguida foi para Real Madrid, Roma, Juventus e voltou ao Real Madrid. Ele dirigiu a seleção inglesa na Copa de 2010 na África do Sul e a seleção russa na Copa de 2014 no Brasil. Seu último clube foi o chinês Jiangsu Suning.

É possível qualificar a conquista da Champions League 1993/1994 pelo Milan como o auge de sua carreira como técnico. O clube italiano de Maldini, Desailly, Albertini, Donadoni, Boban e Savicevic derrotou por 4 a 0 o Barcelona dirigido por Johan Cruyff e que contava com Zubizarreta, Koeman, Guadiola, Stoichkov e Romário. A partida foi em Atenas.

Capello não teve a importância transformadora de Arrigo Sacchi no futebol italiano, seu antecessor, mas sempre organizou equipes equilibradas e bem mais audaciosas que a cultura defensivista do futebol de seu país.

 

 

 



MaisRecentes

A saída de Wenger do Arsenal indica o fim de uma época no futebol



Continue Lendo

Até que ponto a Roma épica que eliminou o Barça simboliza um novo futebol italiano?



Continue Lendo

Pesquisa prova que interesse dos franceses pela Ligue 1 é cada vez maior. Neymar tem a ver com isto.



Continue Lendo