Blatter, animado com a suspensão de Platini, pode ser candidato de novo



A mídia internacional tenta antever os desdobramentos políticos provocados pelada bombástica suspensão por 90 dias do presidente da FIFA, Sepp Blatter, do presidente da UEFA, Michel Platini e do ex-secretário geral da FIFA, Jérôme Valcke. Blatter e Platini já recorreram contra a punição junto ao Comitê de Ética.

A tormenta em torno deles ganha novos ingredientes com a revelação do diário inglês The Guardian de que o pagamento de 2 milhões de francos suícos feitas pela FIFA a Platini, em 2011, por uma suposta prestação de serviço como consultor, realizada entre 1998 e 2002, não foi baseado em qualquer contrato entre o dirigente e a entidade. A UEFA, ainda segundo o The Guardian, teria informado à FA – Federação Inglesa de Futebol – que o acordo entre Blatter e Platini teria sido “oral”.

A UEFA convocou uma reunião extraordinária de seu Comitê Executivo para a próxima quinta-feira, em Nyon, na Suíça, que será reforçada pela presença de representantes das 54 federações que compõem a entidade. A UEFA parece disposta a recorrer ao TAS (Tribunal Arbitral do Esporte) se o apelo à FIFA não for aceito.

Ainda segundo o diário inglês, Platini e seus assessores estão examinando as várias possibilidades políticas, inclusive a de que ele se afaste do processo eleitoral. Neste caso, Platini poderia apoiar uma candidatura como imaginou, em 2011, a de Mohamed bin Hammam, do Qatar, ex-presidente da Federação Asiática de Futebol, antes que ele viesse a ser punido pelo Comitê de Ética. Mas por enquanto, esta possibilidade é descartada publicamente.

Enquanto o isto o Comitê Executivo da FIFA se reunirá, também em caráter extraordinário, no dia 20, terça-feira da próxima semana, em Zurique.

FIFA 2

Ambos os encontros visam evidentemente avaliar o quadro político tendo em vista a eleição para presidente da FIFA agendada para o dia 26 de fevereiro. Pelo estatuto da entidade, os candidatos deverão formalizar suas candidaturas até o dia 26 de outubro.

Quais os cenários mais prováveis? Há uma intensa movimentação entre os dirigentes europeus na direção de buscar o adiamento da eleição marcada para fevereiro. A ideia é respaldar o nome de Platini no meio da turbulência, sustentar a tese de usa inocência diante do Comitê de Ética e transferir a eleição para um momento em que o dirigente francês estiver livre de qualquer impedimento legal.

Todas as 54 federações da UEFA se reunirão dia 15

Todas as 54 federações da UEFA se reunirão dia 15

Platini recebeu, no último sábado. a solidariedade pública da Conmebol que, através de uma nota oficial, classificou sua suspensão como “desproporcional. A presunção de inocência é um direito fundamental e o Sr Platini não foi declarado culpado de qualquer acusação, portanto sua suspensão como medida de precaução coloca em risco a integridade do processo eleitoral para a presidência da FIFA no qual o Sr Platini é candidato”.

Michel Platini é presidente da UEFA desde 2007 (foto - UEFA.com)

Michel Platini é presidente da UEFA desde 2007 (foto – UEFA.com)

Blatter, por outro lado, também espera superar o problema levantado pelo Comitê de Ética. Mais do que isto, segundo o diário espanhol El País, Blatter se sentiu reanimado, e até feliz, pelo fato de que o “traidor” Platini passou a ser alvo de uma investigação e perdeu o ar de intocável com que se apresentava como candidato. Há quem ressalte, maquiavelicamente, que, Hans Joachim Eckert, presidente do Comitê de Ética da FIFA, é amigo de longa data de Blatter. Segundo pessoas próximas a Blatter teriam declarado ao El País, ele estaria disposto inclusive a se apresentar como candidato na eleição, independente de quando ela ocorra.

Os dois líderes europeus trabalham a partir da premissa de que eles próprios são candidatos eleitoralmente fortíssimos desde que consigam oficializar suas candidaturas e estejam desimpedidos para fazer campanha, o que a punição atual não permite, se a data de 26 de fevereiro for mantida.

Blatter parece reanimado a seguir na FIFA (foto - Fabrice Coffrini/AFP)

Blatter parece reanimado a seguir na FIFA (foto – Fabrice Coffrini/AFP e Rafael Ribeiro/CBF)

O fato é que está impossível se prever o futuro. Há um temor generalizado nos dirigentes das entidades esportivas e não apenas do futebol. Ninguém sabe quando os escândalos terão fim.

Os candidatos alternativos também seguem se movimentando para que consigam inscrever seus nomes até o próximo dia 26. O príncipe jordaniano Ali bin Al Hussein, derrotado por Blatter na eleição realizados nos últimos dias de maio, continua em busca dos votos africanos e asiáticos.

Zico, sem alarde, também vem conversando com várias federações e conta com a simpatia inicial da CBF e da federação norte-americana de futebol.

O novo cenário político pode beneficiar a candidatura de Zico (foto - Vanderlei Almeida/AFP)

Zico, mesmo da Índia, segue articulando seu nome (foto – Vanderlei Almeida/AFP)

Muita gente vai continuar sem dormir nos próximos tempos se depender do Comitê de Ética da FIFA que anunciou, hoje, o banimento por 90 dias de outro ex-membro do Comitê Executivo da entidade e atual presidente da Federação Tailandesa de Futebol, Worawi Makud. Ele também está sendo investigado por conta do processo de escolha da Rússia para sede do Mundial de 2018 e do Qatar para o de 2020.

 

Atualizado às 10:46 do dia 13/10/2015

 



  • everton andrade da silva

    Zico esta doido para entrar nesta bolada

MaisRecentes

Roma contrata Monchi, o “Rei Midas” do futebol europeu



Continue Lendo

Até a mídia de Madri se rendeu a Lionel Messi



Continue Lendo

Florentino Perez sonhou com Adriano Galliani no Real Madrid



Continue Lendo