Atlético vence Bayern com golaço “maradoniano”.



Atualizado às 20:10 de 27/04/2016

 

O Atlético de Madrid sai na frente do confronto contra o Bayern de Munique nas semifinais da Champions League com a vitória por 1 a 0 na partida de ida realizada num frenético Vicente Calderón.

O placar não foi exatamente a expressão do que aconteceu em campo, mas foi construído num lance espetacular de Saúl, 21 anos, classificado de “maradoniano” pela mídia espanhola. O meia ofensivo espanhol, aos 11 minutos do primeiro tempo, driblou 3 jogadores do Bayern em fila – Thiago Alcântara, Xabi Alonso e Bernat – e descobriu um ângulo genial para enfiar a bola no canto direito de um impotente Manuel Neuer, apesar da tentativa de bloqueio de Vidal e Alaba. Como o próprio Saúl reconheceu “foi o gol mais bonito e importante” de sua carreira, iniciada nas divisões de base do próprio Atlético. O site do diário As classificou o tento como “uma obra de museu”. O site do Marca levantou a questão: “Saúl, de que planeta vieste?”

A justa comemoração de um golaço de Saúl (foto - uefa.com)

A justa comemoração de um golaço de Saúl (foto – uefa.com)

A partir daí, a equipe de Diego Simeone – com seu comportamento tradicionalmente teatral à beira do gramado – fez aquilo em que é incomparável e quase inimitável no futebol contemporâneo: fechou-se numa retranca férrea, assumida, compacta, com os 11 jogadores atrás da linha da bola e torcendo pela chance de armar um contra ataque. Claro, o fez com muita intensidade, organização tática, concentração, energia física, mas num esforço exclusivamente defensivo. No segundo tempo, no único contragolpe que foi capaz de encaixar, Fernando Torres quase anotou o segundo tento chutando na trave direita do gol de Neuer.

Cenário inesquecível de um Calderón efervecente (foto - uefa.com)

O Rei Felipe VI da Espanha, torcedor do Atlético, esteve presente neste Calderón efervecente (foto – uefa.com)

Do ponto de vista do Bayern, o time não fez o primeiro tempo com a concentração necessária para superar um adversário como o dirigido por Simeone. Teve 70% da posse de bola, mas não criou chances de gol em número compatível. Já no segundo a pressão foi crescente, as chances surgiram de todo tipo, mas a bola não entrou, inclusive pela impecável atuação do goleiro esloveno Jan Oblak. Como o próprio Pep Guardiola comentou após o jogo “jogamos bem 75% do tempo”.

O que ainda não ficaram claros são os motivos pela opção de Guardiola em abrir mão de Thomas Müller por 55 minutos após ter sofrido o gol. Um atleta com a técnica, a experiência, a presença de área e o oportunismo de Müller não pode assistir do banco seu time buscar o gol de empate em qualquer partida, salvo se suas condições físicas forem a razão.

Guardiola: "o resultado não é bom, complica a partida de volta (foto - uefa.com)

Guardiola: “o resultado não é bom, complica a partida de volta (foto – uefa.com)

A vaga na final de Milão está longe de definida. O time mais eficientemente retranqueiro do futebol saiu na frente da série, mas enfrentará uma equipe ótima mandante em seu estádio e que já reverteu situações semelhantes no passado recente.

Guardiola tem 90 minutos para chegar a sua primeira e única final de Champions League no comando do Bayern de Munique. A tríplice coroa que ele herdou de Jupp Heyncks ainda é possível, mas ficou um pouco mais complicada. Por certo, quando, em 2012, o então presidente Uli Hoeness e o vice presidente Karl-Heinz Rummenigge foram à Nova York contratá-lo não esperavam apenas chegar a 3 semifinais consecutivas da competição que mais ambicionam para o FC Bayern.

BRASILEIROS EM CAMPO

Filipe Luís jogou com a discrição, a disciplina tática e a concentração de sempre. Foi tão impecável e importante quanto o argentino Augusto Fernández para a solidez defensiva da equipe.

Douglas Costa foi incansável, atuou em todas as posições do meio para a frente, mas sem o sucesso doutras jornadas: nem marcou gol, nem deu o passe para que alguém o assinalasse.

 

 



MaisRecentes

Há 70 anos o Real Madrid inaugurava o estádio Santiago Bernabéu



Continue Lendo

Quais foram os 11 melhores jogadores das 5 principais ligas europeias no último semestre?



Continue Lendo

Guardiola vence o derby e celebra campanha com vitórias em Stamford Bridge e Old Trafford



Continue Lendo