Até quando a qualidade dos jogadores da Seleção Brasileira será questionada?



A prova da evolução da Seleção Brasileira sob o comando do técnico Tite é que fica cada dia mais evidente que ele conta com um grupo de jogadores de muito mais alto nível do que tanta gente acredita.

Na vitória consistente e incontestável sobre o Peru, em Lima, por 2 a 0, não seria exagero se afirmar que Phillippe Coutinho e Gabriel Jesus foram mais determinantes do Neymar. Não poderia surgir melhor cenário do que este para o futuro desta seleção que, além disto, ampliou a liderança isolada nas eliminatórias para 4 pontos em relação ao Uruguai, segundo colocado, e ficando a 7 do Chile, quarto colocado.

Onde este menino pode chegar? (foto - Pedro Martins - MowaPress)

Onde este menino pode chegar? (foto – Pedro Martins – MowaPress)

A bobagem tantas vezes repetidas de que só temos um Super craque e que por isto nossa Seleção tem limitações parte daquele pressuposto básico de idealização de um passado que nunca existiu. A Alemanha, atual campeã do mundo, foi um timaço na Copa no Brasil, mas não possuía um único extra-classe, à exceção talvez, do goleiro Manuel Neuer. A equipe de Joachim Löw era o conjunto, o dinamismo de um time formado por muitos ótimos jogadores, sem único “Gênio”.

Tite está sendo capaz de fazer um elenco tão bom quanto qualquer outro no mundo hoje se transformar numa seleção competitiva, com padrão de jogo, que se vale da qualidade individual de jogadores para organizar um time cujo limite ainda é prematuro se tentar definir. E, por isto, pode se tornar a melhor se conseguir fazer da soma de tantos bons jogadores, um Gênio e alguns jovens, cujo limite ainda não podemos garantir, um conjunto harmônico e com padrão.

A atuação contra o Peru não foi perfeita, mas apresentou situações de entrosamento, troca de bolas, troca de posições, movimentos articulados entre os setores que sinalizam na direção de uma equipe madura e que tem um jeito próprio de jogar futebol.

Tite é ótimo, mas não é mágico. (foto - Pedro Martins - MowaPress)

Tite é ótimo, mas não é mágico. (foto – Pedro Martins – MowaPress)

Ganhar em Lima nunca foi fácil. Ganhar 6 partidas consecutivas nas eliminatórias assinalando 17 gols e tomando apenas 1, muito menos.  Ganhar, jogando bem e sem ter Neymar como protagonista sugere novos personagens de peso na equipe. São indícios valiosos de que algo consistente e superior está surgindo.

Um bom time de futebol não cai do céu. Ele se monta num processo nem sempre linear e coerente. De qualquer forma, onde pode chegar o trio Coutinho-Gabriel- Neymar? Pode reproduzir um novo MSN do Barça ou o BBC do Real Madrid?

“A maior crise técnica da historia do futebol brasileiro” só existiu para quem conhece pouco o futebol e para quem não tem a menor importância para quem dirige os grandes clubes do mundo. A realidade é que Roma, Juventus, Inter de Milão, PSG, Atlético de Madrid, Manchester City, Barcelona, Real Madrid, Liverpool, Chelsea e Bayern de Munique pensam diferente e, por isto, contam com nossos jogadores em seus elencos.

 

 

 

 

 



  • Ângelo Andrade

    Se Neymar é gênio, a Alemanha de 2014 tinha pelo menos uns 3..

  • Campeão do Século

    A QUALIDADE TÉCNICA DA SELEÇÃO BRASILEIRA É UMA REALIDADE, TEMOS UMA BOA EQUIPE TÉCNICA E UM TIME MOTIVADO QUE COM FACILIDADE CHEGA AO GOL. UM TIME MUITO JOVEM QUE AINDA VAI AMADURECER E QUE PROVAVELMENTE REVIVERÁ OS GRANDES ATAQUES DAS SELEÇÕES BRASILEIRAS DAS COPAS DE 58/62/70. QUANTOS AOS CLUBES BRASILEIROS, O QUE SE DESTACA NO MOMENTO É O PALMEIRAS, QUE SE MANTIVER A ESTRUTURA ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA ATUAL, TERÁ FUTURAMENTE UM TIME PARA DISPUTAR MANO A MANO COM OS EUROPEUS.

  • Anderson Dutra

    artigo muito coerente!

MaisRecentes

FIFA preocupada com boicote de países árabes ao Qatar, organizador da Copa de 2022.



Continue Lendo

Real Madrid, o “senhor das finais e do dinheiro” da Champions League



Continue Lendo

O seleto grupo dos tríplices campeões da Europa



Continue Lendo