Argentina e Brasil: um clássico eternamente imprevisível



O clássico Argentina x Brasil será sempre um dos jogos mais importantes e seguidos do futebol internacional. A rivalidade explica apenas parte da expectativa que ele gera. Antes, entretanto, está o fato de que reúne, sempre, uma quantidade incomum de jogadores técnicos, habilidosos, criativos e alguns, verdadeiramente extraordinários. Dos dois lados.

Pena que no confronto desta noite (1) não teremos o duelo entre Lionel Messi e Neymar. A disputa entre o M e o N do tridente fabuloso do Barcelona, o primeiro após a conquista da tríplice coroa europeia do clube catalão, entraria para a história das partidas mais aguardadas de todos os tempos. O reencontro entre eles, mas trajando o mesmo uniforme, poderá ocorrer no próximo dia 21, no estádio Santiago Bernabéu, no clássico Real Madrid e Barcelona pela La Liga.

Neymar estreia nas eliminatórias (foto - Fifa.com)

Neymar estreia nas eliminatórias para a Copa do Mundo de 2018 (foto – Fifa.com)

Os 22 jogadores que começarão a partida no Monumental de Nunez representam uma síntese de boa parte dos melhores jogadores do mundo, espalhados pelos clubes que costumam protagonizar as principais competições do futebol internacional.

A Argentina não contará com Messi, Aguero, Zabaletta e Tevez diante de um Brasil composto praticamente com todos os jogadores que o técnico Dunga poderia contar. Isto muda alguma coisa? Nada. Com ou sem Messi, com ou sem Aguero e Tevez, a seleção argentina será a adversária de sempre, jogará com a energia e a exuberância técnica que tanto empolgam os amantes do futebol. Se o Barcelona segue se impondo sem Messi, por que a Argentina não pode fazer o mesmo? Vamos torcer para que a resposta seja simples e a nosso favor: por que Tata Martino não pode escalar Neymar com a camisa azul e branca com o número 11 .

Sim, por que o craque brasileiro não para de quebrar paradigmas, de ultrapassar recordes e se aproximar da hora de ser encarado como o melhor jogador do mundo. Com 23 anos, ele já tem números superiores aos de Messi e Cristiano Ronaldo. Mas, em relação a Pelé? Em 1963, pela Seleção Brasileira, aos 23 anos, Pelé havia assinalado 47 gols em 44 jogos – média de 1.06 gol por partida. Com a mesma idade, porém, com um número de jogos maior de jogos, Neymar poderá alcançar Pelé nas próximas duas partidas das eliminatórias, contra a Argentina, hoje, às 22h, em Buenos Aires, e diante do Peru, na próxima terça, em Salvador, se marcar mais duas vezes. Atualmente, o N do Barcelona tem 46 gols.pele2375

Na verdade, convenhamos, este equilíbrio entre as duas mais vitoriosas seleções sul-americanas, se verificou somente após o surgimento de um certo atleta genial apelidado de Pelé pelo lado brasileiro. Até então, os argentinos nos venciam mais e conquistavam mais títulos. Não por acaso, a Argentinam ainda hoje, tem 14 títulos da Copa América contra 7 conquistados pelo Brasil.

Ambas as seleções estão pressionadas neste momento. A anfitriã, em função do início frustrante nas eliminatórias em que somou apenas 1 ponto em 6 disputados e a incomum e desconfortável 7ª colocação na tabela de classificação, entra em campo com a necessidade vital de vencer seu maior rival, mesmo desfalcada de alguns de seus astros e jogadores experientes. Mas, terá Mascherano, Di Maria e Higuaín, vale lembrar.

 

Angel Di Maria pode ser o Messi nesta noite? (foto - Conmebol.com)

Angel Di Maria pode “ser” o Messi nesta noite? (foto – Conmebol.com)

Pelo lado brasileiro, o jogo é malucamente perverso para o técnico Dunga, cujo time se encontra na 5ª colocação na competição com 3 pontos ganhos. Se vencer, seus críticos, com a irracionalidade e contundência habituais, creditarão o triunfo à volta de Neymar e às ausências dos craques argentinos. Se perder, voltará ao Brasil para a partida contra o Peru ainda mais pressionado do que quando partiu para o jogo contra a Venezuela em Fortaleza, após a derrota para o Chile na estreia da competição.

Argentina e Brasil não se enfrentam há exato 1 ano e 1 mês e deverão começar a partida com as seguintes formações:

 

ARGENTINA afa

Romero – 28 anos – Manchester United
Roncaglia – 28 anos – Fiorentina
Otamendi – 27 anos – Manchester City
Funes Mori – 24 anos – Everton
Rojo –  25 anos –  Manchester United
Mascherano – 31 anos – Barcelona
Biglia – 29 anos – Lazio
Banega – 27 anos – Sevilla
Di Maria – 27 anos – PSG
Higuaín – 27 anos – Napoli
Lavezzi – 30 anos – PSG

BRASIL CBF_logo256_zps02e85575

Alisson – 23 anos – Internacional
Dani Alves – 32 anos – Barcelona
Miranda – 31 anos – Inter de Milão
David Luiz – 28 anos – PSG
Filipe Luiz – 30 anos – Atlético de Madrid
Luiz Gustavo – 28 anos – Wolfsburg
Elias – 30 anos – Corinthians
Lucas Lima – 25 anos – Santos
William – 27 anos – Chelsea
Neymar – 25 anos – Barcelona
Ricardo Oliveira – 35 anos  – Santos

Atualizado às 21:35h de 12/11/2015

(1) – A partida foi adiada para a noite desta sexta-feira (12/12/2015) em função das fortes chuvas que alagaram o gramado do Monumental de Nunez e dificultou a ida dos torcedores para o estádio.



MaisRecentes

City x Napoli: O duelo de líderes nacionais que jogam para ganhar sempre



Continue Lendo

Depois de Dugout, Juventus tem projeto pioneiro com a Netflix



Continue Lendo

Arjen Robben: o craque obstinado dá adeus à camisa laranja



Continue Lendo