Adoção do Fair Play Financeiro fez 15 dos 20 clubes da Premier League ter lucro



Os resultados financeiros da Premier League na temporada 2013/14 apresentados pelo relatório anual do diário londrino “The Guardian” revelam claramente os efeitos positivos imediatos na saúde financeira de seus membros a partir da introdução das regras do “Fair Play Financeiro”, em 2013, que estabeleceram limites para os gastos dos clubes em jogadores a um percentual de suas receitas.

Por isto, pela primeira vez nos últimos 16 anos, 15 dos 20 clubes da Premier League foram superavitários e geraram um lucro global de € 275 mi na última temporada. A razão? Suas receitas cresceram 22% enquanto os gastos com jogadores se elevaram 5.5% no mesmo período. Apenas Aston Villa, Cardiff City, Fulham (rebaixado), Manchester City e Sunderland registraram prejuízo no período. Vale observar que ao final da temporada 2012/13, antes da introdução das medidas reguladoras, 12 dos 20 clubes apresentaram resultados negativos em seus balanços.

Os clubes da Premier League tiveram lucro pela primeira vez em 16 anos (foto - site oficial do MUFC)

Os clubes da Premier League em 2013/14 tiveram lucro pela primeira vez em 16 anos (foto – site oficial do MUFC)

No documento que saúda o anúncio destes números a direção da Premier League afirma que “dois anos atrás, os clubes filiados à Premier League concordaram em introduzir regulamentos financeiros que estimulem o investimento sustentável e limitem o montante da receita global que pode ser gasto em despesas com jogadores. Essa decisão, combinada com o aumento da receita, tem contribuído significativamente para os resultados financeiros positivos apresentados pelos clubes”.

Os membros da Premier League gastaram 57,5% de seus € 4.5 bi de receitas em jogadores em 2013/14, reduzindo em quase 10% os 67% gastos em 2012/13.

O “Fair Play Financeiro” funcionará mais do que nunca a partir da entrada em vigor do novo multimilionário contrato de TV firmado pela Premier League. Suas regras impedirão que as novas receitas sejam aplicadas irresponsavelmente na contratação de jogadores em busca de resultados esportivos de curto prazo.

Por outro lado, a realidade que será criada com a combinação de clubes equilibrados financeiramente com a existência das novas fabulosas receitas de TV poderá provocar uma nova rodada de venda do controle dos clubes ingleses para novos investidores permitindo que os atuais proprietários obtenham lucros expressivos.

O Chelsea teve lucro pela primeira vez desde que foi comprado por Roman Abramovich (foto - site oficial do CFC)

O Chelsea teve lucro pela primeira vez desde que foi comprado por Roman Abramovich (foto – site oficial do CFC)

O sucesso súbito alcançado com a adoção do regime do “Fair Play Financeiro” no mercado inglês – o mais competitivo e rico do futebol mundial – indica claramente o caminho que os clubes brasileiros devem trilhar com o objetivo de disciplinar seus gastos e elevar o nível de qualidade na sua gestão.

Evidentemente as regras para o nosso mercado devem contemplar as especificidades de nossos clubes poliesportivos e suas receitas e despesas além das do departamento de futebol. Mas, quanto mais rápida for a implantação de um regime disciplinador inteligente, mas rigoroso, das finanças de nossos clubes mais rapidamente eles evoluirão para um realidade mais saudável e mais próxima de uma governança que orgulhe os amantes do futebol neste país.

Resultados financeiros dos 6 clubes que mais faturaram e dos 2 que menos faturaram na Premier League 2013/14.

Interessante observar que a distribuição dos direitos de TV é realizada de modo a atenuar o desequilíbrio provocado pelo conjunto das demais receitas e a elevar a capacidade de investimento dos clubes mais modestos:

1- Manchester United FC

Receita total – € 601 mi

Proporção salário/receita – 50%

Receita de estádio – € 150 mi

Direitos de TV – € 189 mi

Receita comercial – € 263 mi

2- Manchester City FC

Receita total – € 482 mi

Proporção salário/receita – 59%

Receita de estádio – € 65 mi

Direitos de TV – € 185 mi

Receita comercial – € 231 mi

3- Chelsea FC

Receita total – € 450 mi

Proporção salários/receita – 59%

Receita de estádio – € 99 mi

Direitos de TV – € 194 mi

Receita comercial – € 158 mi

4- Arsenal FC

Receita total – € 422 mi

Proporção salário/receita – 55%

Receita de estádio – € 139 mi

Direitos de TV – € 168 mi

Receita comercial – € 82 mi

5- Liverpool FC

Receita total – € 355 mi

Proporção salário/receita – 56%

Receita de estádio – € 71 mi

Direitos de TV – € 140 mi

Receita comercial – € 144 mi

6- Tottenham Hotspur

Receita total – € 251 mi

Proporção salário/receita – 55%

Receita de estádio – € 49 mi

Direitos de TV – € 125 mi

Receita comercial – € 78 mi

19- Hull City

Receita total – € 117 mi

Proporção salário/receita – 51%

Receita de estádio – € 17 mi

Direitos de TV + Premier League – € 94 mi

Receita comercial – € 6 mi

20- Cardiff City

Receita total – € 115

Proporção salário/receita – 64%

Receita de estádio – € 11 mi

Direitos de TV + Premier League – € 89 mi

Receita comercial – € 15 mi



MaisRecentes

Marco Asensio será o novo galático do Real Madrid?



Continue Lendo

Rummenigge, presidente do Bayern: “não podemos e não compraremos um jogador por € 222 milhões”



Continue Lendo

Monaco é o campeão europeu em faturamento nas transferências de jogadores



Continue Lendo