A Juventus está de volta a uma final de Champions League



“Chegamos à Berlim!” é a manchete principal do site oficial da Juventus FC celebrando a classificação à final  da Champions League 2014/15 que será disputada no dia 6 de junho contra o Barcelona na capital alemã. O clube mais popular e que se transformou nos últimos anos também no mais moderno e melhor gerido da Itália volta a disputar a final da competição entre clubes mais importante do mundo depois de 12 anos. Será a oitava final de Champions League em sua história.

A Juventus merece jogar esta final inédita contra o Barcelona de Messi, Suarez e Neymar. Seu time não é tão espetacular, não é tão midiático, nem custa tão caro, mas vem realizando uma temporada magnífica, sólida, regular e que aspira, assim como seu adversário na final, a conquista da sonhada tríplice coroa. Claro, o Barcelona será encarado como favorito ao título. E, até é. Mas…

A Juventus disputará sua oitava final de Champions League ( foto - site oficial da JFC)

A Juventus comemora sua oitava final de Champions League ( foto – site oficial da JFC)

A classificação à final

Juventus e Real Madrid disputaram duas semifinais equilibradíssimas, resolvidas nos detalhes, pelo time que errou menos e, talvez, tenha dado mais sorte.

O Real Madrid, no seu mítico Santiago Bernabéu, fez o que deveria para tentar a reversão da derrota por 1 a 0 em Turim na partida de ida. Pressionou, abriu o placar num pênalti questionável cobrado por Cristiano Ronaldo, criou chances para ampliar o marcador, mas não apenas não conseguiu, como sofreu um gol doído, de autoria do atacante espanhol Álvaro Morata, cria da casa e que fez questão de não comemorar.

O empate obtido fora de casa comprovou que a Juventus de Massimiliano Allegri é uma equipe competitiva, sem ser brilhante, e que foi extremamente bem projetada taticamente para as pretensões e necessidades do time nesta semifinal. Foi uma atuação coletiva admirável. Buffon, Chiellini, Marchisio, Vidal, Pogba e Moratta deram algo mais, tanto do ponto de vista técnico quanto em termos táticos.

Chiellini foi um guerreiro nas semifinais (foto - site oficial da JFC)

Chiellini foi um guerreiro nas semifinais (foto – site oficial da JFC)

Pelo Real, Casillas, Marcelo, Kroos, James, Benzema e Cristiano Ronaldo lideraram uma equipe que realizou um primeiro tempo convincente, quando poderia até ter aberto uma vantagem maior no marcador. O gol de Morata, no início do segundo tempo, transformou as circunstâncias da partida. O time espanhol até poderia ter marcado pelo menos mais um gol que o manteria vivo na disputa, mas não o fez.

No confronto de equipes de dois técnicos italianos prevaleceu aquela dirigida pelo menos vencedor. Esta será a primeira final de Champions League de Massimiliano Allegri depois de eliminar o campeoníssimo Carlo Ancelotti, 3 vezes campeão da competição (2 com o Milan e 1 com o próprio Real Madrid).

Do inferno à reconstrução

A Juventus já é a (tetra) campeã italiana da temporada e disputará no dia 20 de maio a final da Copa Itália contra a Lazio. A possibilidade da tríplice coroa premia o único grande clube italiano que percebeu por onde o futebol contemporâneo caminhava e não perdeu o bonde da história. A trajetória recente da “Velha Senhora” é o caso típico de uma entidade que vai ao inferno, mas é capaz de se reinventar.

Juventus 2015

Em julho de 2006 o clube pertencente à família Agnelli – sinônimo de poder político, financeiro e industrial na Itália depois da Segunda Guerra Mundial – foi rebaixado à Série B italiana e teve os títulos das temporadas de 2004/05 e 2005/06 cassados pelo Tribunal Disciplinar da Federação Italiana de Futebol (Federcalcio) em função da manipulação de resultados. A punição de dirigentes da época obrigou os Agnelli a redefinir o tipo de gestão seria adotado a partir daquele momento. Uma nova diretoria, formada por profissionais sem vínculos com os que saíram, assumiu a administração da entidade.

Pois, em maio de 2010, o clube aprofundou seu processo de reformas e nomeou para liderá-lo um membro da nova geração dos Agnelli. O jovem Andrea, aos 35 anos àquela altura, sobrinho do lendário Gianni Agnelli, foi o escolhido, dentre outras razões, por que já trabalhara no próprio clube, na Ferrari (também controlada pela família) e na divisão esportiva da multinacional Philipp Morris.

Andrea manteve a tradição da família Agnelli na revolução do clube (foto - site oficial da JFC)

Andrea manteve a tradição da família Agnelli mas liderou a revolução na forma de gerir o clube (foto – site oficial da JFC)

A partir de então a Juventus radicalizou sua modernização, renovando a sua estrutura administrativa e adotando procedimentos verdadeiramente empresariais de gestão. A decisão pela construção de um estádio próprio, moderno, concebido como uma nova unidade de negócios do clube pode ser encarado como o símbolo da nova era administrativa. No mesmo ano de 2010 o clube contratou Giuseppe Marotta que, desde então, é seu principal executivo na área esportiva.

O Juventus Stadium, com capacidade para 41 mil pessoas, foi inaugurado em dezembro de 2011, ano que se iniciou a trilha do atual tetracampeonato italiano. Seu custo girou em torno de € 100 mi.

Na festa de abertura do estádio discursaram duas legendas do clube: Giampiero Boniperti – ex-jogador e presidente honorário – e Alessandro Del Piero – um dos maiores ídolos da história com mais de 700 partidas com a camisa alvinegra.

Juventus Stadium

A Juventus é o 10º clube europeu em faturamento segundo o relatório “Football Money League 2015” produzido pela empresa de consultoria Deloitte com receitas de € 279.4 mi  na temporada 2013/14.

Do ponto de vista corporativo a Juventus FC SpA é uma empresa de futebol profissional cotada na Bolsa de Valores italiana, cuja governança corporativa é realizada através de órgãos como a assembleia dos acionistas e o conselho de administração com seus vários comitês. A sociedade empresarial Juventus FC é controlada pela Exor SpA, que por sua vez, é controlada pela Giovanni Agnelli e C. S.a.p.az.

O clube, sua administração e seu estádio constituem um caso excepcional num cenário mais amplo de decadência recente do futebol italiano. Clubes mal geridos, estádios públicos ultrapassados e pouco rentáveis, inseridos num país que vive longa crise econômica, são aspectos de uma realidade que inclui a própria seleção italiana.

A tradicionalíssima “Azzurra”, tetracampeã mundial, foi eliminada ainda na primeira fase da Copa do Mundo de 2014 no Brasil e, neste momento, ocupa a modesta 13ª posição no ranking da FIFA.



MaisRecentes

Presidente do Bayern detona valores especulados numa eventual transferência de Neymar.



Continue Lendo

Os extravagantes valores de uma eventual transferência de Neymar do Barça para o PSG



Continue Lendo

United x City jogarão pela primeira vez o “derby” de Manchester fora do Reino Unido.



Continue Lendo