Johan Cruyff, um mito eterno do futebol



Atualizado às 16:27 h de 24/03/2015

 

Johan Cruyff faleceu na manhã desta quinta-feira em Barcelona, a cidade que dividiu com Amsterdam o privilégio de tê-lo como morador nos últimos 40 anos. Ele tinha 68 anos e sofria de câncer, diagnosticado em outubro do ano passado.

O futebol mundial não perde apenas um de seus melhores e mais cerebrais jogadores de todos os tempos. O esporte mais popular do planeta fica privado de uma das pessoas que sempre o pensou de maneira absolutamente original e revolucionária, responsável pela matriz do futebol praticado pelo clube que mais tem encantado os amantes deste esporte nas últimas décadas: o FC Barcelona.

Johan Cruyff encantou o mundo com a camisa 14 laranja (foto - Cruyff.com)

Johan Cruyff encantou o mundo com a camisa 14 laranja (foto – Cruyff.com)

É o próprio presidente atual barcelonista, Josep Maria Bartomeu, quem testumunha: “Cruyff, como jogador, nos introduziu no mapa do futebol nacional. Depois, como técnico, nos levou à Europa”. A partir de Rinus Michels e, ainda mais fortemente, de Cruyff o clube catalão passou a desenvolver uma escola própria, inconfundível de conceber o futebol, buscando sempre a excelência, o jogo ofensivo, a exuberância técnica, a combinação mais perfeita possível da beleza na forma do jogo com uma famigerada ambição das conquistas mais espetaculares. O Barcelona aprendeu com Cruyff a não se contentar apenas em ser vencedor, mas a jogar bem e bonito também.

Inspirado por Cruyff o Barcelona desenvolveu uma das mais respeitadas e prolíficas academias de clubes de futebol no mundo: La Masia, celebrada definitivamente pela geração extraordinária de Piqué, Busquets, Xavi, Iniesta, Fábregas e Lionel Messi e, que inspirou a revelação dos extraordinários Pep Guardiola e Luís Enrique como treinadores.

Cruyff exerceu igual influencia no Ajax de Amsterdam, clube que o projetou e onde alcançou as maiores glórias de sua vida esportiva, protagonizando a equipe que encantou o mundo com o que ficou conhecido como “Futebol Total”,

Barcelona e Ajax terão para todo o sempre as digitais de Johan Cruyff na maneira de formar seus jogadores e desenvolver suas equipes.

Cruyff é um dos mentores do atual Barça (foto - cruijff.com)

Cruyff é um dos mentores dos times do Barça de Guardiola e de Luis Enrique (foto – cruijff.com)

Cruyff protagonizou uma das equipes mais transformadoras e vanguardistas da história do futebol: a seleção holandesa da década de 70, que se eternizou como a “Laranja Mecânica”. Afinal, como escreve o cronista catalão Francesc Aguilar no site do diário Mundo Deportivo, “mesmo tendo perdido a final do Mundial da Alemanha em 1974, é da Laranja Mecânica que todos se lembram, e não da equipe de Franz Beckenbauer que conquistou o título”.

Como jogador ele assinalou 392 gols em 520 jogos durante uma carreira de 19 anos. Como técnico ele alcançou 242 vitórias em 387 partidas, com 75 empates e 70 derrotas, segundo informa o site do diário londrino The Guardian.

Como típico holandês, Cruyff era um ser cosmopolita, pensava por si só, tinha uma personalidade complexa, mas fascinante e jamais fugiu das polêmicas com outras grandes figuras do futebol de seu país como Louis Van Gaal. Nos últimos anos, ele usou sua coluna semanal no diário De Telegraaf, de Amsterdam, para externar seus pontos de vista e influenciar os destinos do futebol, do Barcelona e do Ajax.

As palavras do Rei da Holanda, Willem-Alexander, sobre Johan Cruyff sentenciam a sua importância para o país: “ele era um ícone da Holanda. Johan Cruyff era tudo para nós”.

Foi um prazer e uma honra para mim, trabalhar como consultor da seleção holandesa de futebol, antes e durante a Copa do Mundo de 2014, no Brasil. Eu tive a oportunidade inesquecível de colaborar com a seleção da mágica camisa laranja cujo número 14 ficou eternizado por ter sido o utilizado pelo mítico Johan Cruyff.

Aos meus queridos amigos holandeses, minhas mais sinceras condolências pelo falecimento de Johan Cruyff!

Aan mijn geliefde Ndserlandese vrienden. Mijn oprechte deelneming bij het overlijden van Johan Cruyff!

 

 

 



MaisRecentes

Há 50 anos, o “Bola de Ouro” húngaro Albert vestia a camisa 9 do Flamengo



Continue Lendo

FIFA revoltada com ausência de Messi na festa do “The Best”



Continue Lendo

Última chamada na Champions League: 7 clubes disputam 4 vagas.



Continue Lendo