Um vencedor dentro e fora dos gramados – Batemos um papo com Geovani



FOTO/Acervo do jogador: Geovani no Vasco

“As minhas atuações pelo Vasco jamais serão esquecidas. Desde a minha chegada…”

Cinco vezes campeão carioca, o ex-meia Geovani, 53 anos, passou 12 anos de sua vida defendendo as cores do Vasco. Este, infelizmente, é quase o mesmo tempo pelo qual vem lutando contra o Mieloma Múltiplo, um câncer incurável que atinge as células da medula óssea. O ex-jogador, que teve em campo as companhias de craques como Roberto Dinamite e Romário, descobriu a doença em 2006 e, desde então, faz de tudo para, ao menos, tentar regredi-la.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani no Vasco

Blog – Quem é hoje, o ex-jogador Geovani?

‘Depois que encerrei a minha carreira, ingressei na política (Deputado Estadual). Mas tive um problema de saúde. Daí em diante, passei a me dedicar 100% da minha vida, ao meu tratamento. Hoje, cuido mais da minha saúde’.

Blog – Você começou a sua carreira na Desportiva (ES)? Como foi o início da sua carreira como atleta profissional?

‘Comecei jogando a Copa Gazetinha pelo Bahia de Alto Lage (clube do meu bairro). Meu pai insistiu para eu fazer um teste na Desportiva. Não passei no primeiro teste, mas meu pai insistente me conseguiu uma nova oportunidade. Mas meu pai sabia que eu gostava mesmo é de jogar as minhas peladas – ele acreditava no meu potencial -. Fiz o segundo teste e acabei ficando na Desportiva. A base era muito boa. O primeiro mundial que eu disputei, foi como jogador da Desportiva’.

Blog – Você chegou ao Vasco em 1982. Mas seus melhores anos foram 1987 / 1988. Como foi o seu momento no Vasco?

‘Foi um momento maravilhoso. Tínhamos ótimos jogadores. Fui campeão carioca cinco vezes: 82, 87, 88, 92 e 93. E em todas essas conquistas, eu fui eleito o melhor jogador da competição.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani no Vasco

As minhas atuações pelo Vasco jamais serão esquecidas. Desde a minha chegada. Muito novo. Mas fui para seleção brasileira, devido as minhas boas atuações pelo Vasco’.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani no Vasco

Habilidoso, ótimo lançador, excelente cobrador de pênaltis e faltas, Geovani foi um dos destaques da Seleção Brasileira nas Olimpíadas de Seul, em 1988. Na ocasião, o time dirigido por Carlos Alberto Silva conquistou a medalha de prata. O Brasil foi derrotado pela União Soviética, de virada, por 2 a 1.

Blog – Você foi um dos destaques da Seleção Brasileira nas Olimpíadas de Seul, em 1988. Na ocasião, o time dirigido por Carlos Alberto Silva conquistou a medalha de prata. O Brasil foi derrotado pela União Soviética, de virada, por 2 a 1. Como foi para você disputar essas Olimpíadas?

‘O melhor sentimento possível. Fico muito honrado em ter sido o capitão dessa equipe. Tínhamos: Taffarel, Jorginho, Bebeto, Romário e vários jogadores de alto nível. A grande tristeza foi porque eu levei um cartão amarelo contra a Alemanha e não pude jogar a final. – Essa foi uma das grandes frustrações da minha vida -. Mas para seleção brasileira foi uma linda conquista’.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani na seleção olímpica

Blog – Depois de ser bicampeão carioca pelo Vasco (1987/88), você foi jogar no Bologna, da Itália, e no futebol da Alemanha, mas como estava em equipes modestas não conseguiu se destacar. Como foi o Geovane no futebol europeu?

‘Quando eu cheguei ao Bologna, eu senti bastante. Eu estava acostumado a jogar num time que lutava sempre pra ser campeão (Vasco) e, de repente você vai defender uma equipe que lutava para não cair. Jogávamos com “15 jogadores atrás”! Isso dificultou bastante. E com tudo, terminamos a competição em 6° lugar… fui jogar na Alemanha, não só para conhecer o futebol alemão, mas também pela parte financeira. Foi uma experiência maravilhosa’.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani no Bologna

Blog – Como foi o encerramento da sua carreira?

‘Quando tive que encerrar a minha carreira, saí dos gramados e fui direto pra política. Foi uma mudança radical, mas no começo, não senti muito. Mas com o passar do tempo, é lógico que comecei a sentir falta de jogar futebol’.

Papo de Torcedor – Perguntas enviadas pelo nosso leitor vascaíno Rubens Silva

Torcedor – Você venceu um poli neuropatia e tumor vertebral, que acabou lhe obrigando a andar de cadeira de rodas por 11 meses. Essa foi a maior vitória da sua vida?

‘Sim. Sem dúvida alguma. Até hoje eu faço o tratamento, mas Deus foi tão bom comigo, que não me deixou parar. Fez-me um guerreiro. Fiquei pouco tempo na cadeira de rodas. Mesmo sem poder, eu subia e descia escadas, para fortalecer a minha musculatura. Essa foi, sem dúvida alguma, a maior vitória que eu tive na minha vida’.

Torcedor – Como você vê o atual momento em que vive Vasco?

‘O momento em que o Vasco vive, não é um momento bom… mas tem tudo para melhorar. Um time bom, não cai’.

Torcedor – Filho de Peixe, Peixinho é: O que falar do seu filho Andrey como jogador?

‘O Andrey só não foi jogador profissional no Vasco, por falta de motivação. Não deram pra ele a oportunidade de mostrar a qualidade que ele tem. Ele jogou com Felipe Coutinho e outros bons jogadores. O que faltou pra ele no Vasco, foi a falta de oportunidade. E isso me entristece muito no futebol de hoje’.

Agora o Papo é Reto

Blog – Um jogo inesquecível?

‘Contra o Flamengo no Maracanã. Inclusive eu fiz um gol de cobertura e o goleiro era o Fillol’.

Blog – Um gol que marcou a sua carreira?

‘No mundial de juniores, um gol de pênalti que nos ajudou a conquistar o mundial pela seleção’.

Blog – Família?

‘Depois de Deus, é a coisa mais importante. É o fortalecimento da vida’.

Agora lançamos a Pergunta Bomba

Blog – De todos os craques com quem você jogou, escale a nossa seleção brasileira:

‘Taffarel; Luís Carlos Wink, Aloísio, André Cruz e Jorginho; Ademir, EU, Edmar e Careca; Bebeto e Romário. Seleção Olímpica’.

FOTO/Acervo do jogador: Geovani na seleção olímpica

Papo Final

Blog – Deixe agora, as suas considerações finais sobre a nossa coluna:

‘Muito legal e não pode parar por aí. Estou respondendo às suas perguntas e vou revivendo tudo aquilo que eu passei. E isso nos alimenta. Parabéns. Você está fazendo os ex-jogadores reviverem. Quero ver outras matérias com: Falcão, Carpegiani, Caçapava, Cereso, Zico entre outros. Mais uma vez, parabéns’.



MaisRecentes

Futebol Raiz no Papo com Boleiro – Que dupla fez mais sucesso no Velho Cálcio nos anos 80 e 90?



Continue Lendo

Ídolos de Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco analisam os times na reta final do brasileirão



Continue Lendo

Batemos um papo com Yan – Uma joia da geração de ouro do Vasco



Continue Lendo