Técnico na Ucrânia, brasileiro analisa Seleção local finalista do Mundial Sub-20



Foto: Gilmar Tadeu-Arquivo pessoal

Gilmar Tadeu é o primeiro técnico negro a trabalhar na elite do país

A Ucrânia fez história nesta terça-feira. Pela primeira vez, a seleção europeia está na final da Copa do Mundo Sub-20, ao bater a Itália por 1 a 0. Tratando-se de sua primeira grande decisão, o país festejou bastante a vaga.

Vivendo no país do leste europeu desde 2010, quando chegou para trabalhar no Metalurg Zaporizhzhya, o técnico Gilmar Tadeu é oficialmente cidadão ucraniano e falou sobre a inédita classificação da seleção local.

Foto: Gilmar Tadeu-Arquivo pessoal

– A Ucrânia está em festa! Essa vaga na final do Mundial nos permite enxergar um tempo novo  no futebol ucraniano, tanto no Sub-20 quando no time principal. Temos atletas em grandes ligas e jovens em times grandes aqui, disse o comandante.

O técnico destacou alguns dos jogadores presentes na Seleção Sub-20 e que mesmo jovens já recebem holofotes da mídia local e de dirigentes de clubes tradicionais da Europa.

– Esta é uma das melhores safras já vistas na Ucrânia. O goleiro Andriy Lunin tem contrato com o Real Madrid (está emprestado ao Leganés), Vladyslav Supriaha e Serhiy Buletsa são joias do Dynamo de Kiev. Nunca na história tivemos tantos jogadores ucranianos se transferindo como agora.

A Ucrânia conta com jogadores conhecidos do torcedor, como Zinchenko, do Manchester City, Konoplyanka, do Schalke 04, e Yarmolenko, do West Ham. Porém, o maior nome da Seleção na história é Andriy Shevchenko, atual treinador do time principal e ídolo do Milan. E é ele um dos responsáveis pelo atual momento do país no futebol internacional.

– O Shevchenko abriu portas importantes para a Ucrânia no futebol. Não só pelo nível dele enquanto jogador, masa como técnico ele tem participação importante na reformulação da seleção. E aliado a isso o grande trabalho de base feito por Shakhtar e Dinamo de Kiev, completou Gilmar Tadeu.

Dentro de campo, o técnico brasileiro coloca como ponto forte do time o esquema usado pela comissão-técnica e garante que o time não é defensivo.

– Poucas equipes conseguem jogar com tamanha competência no 5-4-1. Pode parecer defensivo, mas a Seleção em muitas oportunidades ataca com no mínimo três jogadores.

Após eliminar a Itália, a Ucrânia enfrenta a  Coréia do Sul. A final será no próximo dia 15, às 13h (Brasília).



MaisRecentes

Revelado pelo XV de Piracicaba, volante João Pedro assina primeiro contrato como profissional



Continue Lendo

Após classificação no Aspirantes, jovem atacante destaca a força do Santos: “elenco muito qualificado”



Continue Lendo