Batemos um papo com o ex-jogador Nielsen Fernandes – Um ícone do futebol carioca



“Na época em que Romário estava próximo de atingir os 1000 gols, em São Januário, já estávamos perdendo por 4 x 0 e houve um pênalti a favor do Vasco, quando o nosso goleiro desejou boa sorte ao “Baixinho” e o camisa 11 do Vasco disse: “boa sorte para vocês, pois já estamos ganhando por 4 x 0 (risos)”.

FOTO: acervo do ex-jogador Nielsen Fernandes

FOTO: acervo do ex-jogador Nielsen Fernandes

Batemos um papo com o ex-jogador Nielsen Fernandes. Um personagem do futebol carioca que foi uma das referências nos clubes que atuou.

Nielsen Marques de 39 anos, meia armador, com passagens por Entrerriense, Olaria, Americano, Volta Redonda e Angra dos Reis, Nielsen conta como foi o começo da sua carreira no Botafogo, fala sobre seleção brasileira, sobre Romário e fala sobre o nosso futebol carioca.

PB – Como foi a trajetória para virar um jogador profissional?

“A minha trajetória começou nas divisões de base do Botafogo”.

PB – Como surgiu a vontade de ser um jogador de futebol?

“Eu ouvia muito o meu pai falar sobre o Zico, daí comecei a ver os jogos de futebol e aprendi a gostar de jogar futebol. Foi quando entrei para a escolinha de futebol do Botafogo”.

PB – Qual foi a sua primeira equipe profissional?

“Comecei no profissional do Olaria”.

PB – Analisando com um torcedor, como você vê o momento atual do futebol carioca?

“Pela minha ótica, o futebol carioca está falido. O Campeonato carioca já foi o melhor do Brasil e hoje em dia, serve apenas para vendas de jogadores. Sem contar que conseguiram elitizar os torcedores que frequentam os estádios”.

PB – É óbvio que exista um carinho por todas as equipes que você atuou, mas existe uma equipe que lhe deixou saudades?

“Existe sim, o Entrerriense foi, a equipe que mais atuei e também fui campeão”.

PB – Como foi o encerramento da sua carreira?

“Para quem vive e gosta de futebol, é muito triste o encerramento de carreira. Mas, hoje em dia disputo os meus torneios amadores”.

PB – Existiu um treinador que durante a sua carreira, lhe ajudou e um treinador que lhe prejudicou?

“Todos os treinadores que passaram pela minha carreira foram especiais. Mas, o treinador que mais me ajudou inclusive no término da minha carreira foi o Badú”.

PB – Um craque?

“Atuei ao lado de Marquinhos, Jorginho, mas gostei muito de jogar contra o Romário”.

PB – Para você, qual foi a melhor seleção brasileira que você viu atuando?

“A seleção brasileira de 1982. Essa sim foi a seleção que me encantou e encheu os olhos da maioria dos brasileiros, assim eu acredito”.

PB – Você como um “especialista” do nosso futebol, o que falar sobre os 7 x 1 na “nossa” Copa do Mundo?

“A seleção brasileiro não estava preparada para enfrentar a Alemanha. Tudo isso é reflexo do fracasso do nosso futebol. Com o Tite, começo enxergar uma evolução”.

PB – Fale sobre um fato inusitado?

“Na época em que Romário estava próximo de atingir os 1000 gols, em São Januário, já estávamos perdendo por 4 x 0 e houve um pênalti a favor do Vasco, quando o nosso goleiro desejou boa sorte ao “Baixinho” e o camisa 11 do Vasco disse: “boa sorte para vocês, pois já estamos ganhando por 4 x 0 (risos)”.

PB – Craque brasileiro, Neymar ou Romário?

“Romário”.

PB – O que o ex-jogador Nielsen faz hoje da vida?

“Ainda jogo as minhas ‘peladas’, mas hoje tenho o meu próprio trabalho em uma empresa de motoboy no Centro do Rio de Janeiro, e na parte da noite sou filiado de uma cooperativa de táxi”.

PB – O que é família para você?

“Em primeiro lugar está Deus e, em segundo é a família como algo sagrado. A minha família é o meu refúgio e todos da minha família foram muito importantes para o começo e o fim da minha carreira”.

PB – Quais são suas considerações finais sobre a nossa coluna:

“Parabéns pela iniciativa em resgatar a memória dos ex-jogadores. Parabéns pela visão que a coluna tem sobre futebol. Agradeço a coluna pelo convite, estou muito feliz em ter participado deste papo. A coluna é nota 10. Agora serei leitor assíduo”.

Por: Luiz Otávio Oliveira

Facebook: @papocomboleirolance

E-mail: papocomboleiro@gmail.com  



MaisRecentes

Batemos um papo com o ex-jogador Lúcio Bala



Continue Lendo

Um verdadeiro “volante” clássico – Batemos um papo com o ex-jogador Jamir



Continue Lendo

#PapocomBoleiro “O Artilheiro das Decisões” – Batemos um papo com Nunes



Continue Lendo