Batemos um papo com Fábio Augusto, ex-volante de Fla, Guarani e Timão



Natural do Rio de Janeiro, o meio-campista surgiu para o futebol no Flamengo, onde fez parte daquele timaço campeão brasileiro de 1992, que contava com craques como Júnior, Marcelinho Carioca, Djalminha, Paulo Nunes, Nélio, entre outros.

Fabio Augusto no Papo com Boleiro – Foto: Acervo do jogador

Blog – Quem é hoje o ex-boleiro Fabio Augusto?

– ‘Hoje, eu sou um homem realizado naquilo que eu busquei para a minha vida… muito feliz por ter tido a oportunidade de jogar ao lado de vários craques… eu estou pensando em voltar ao futebol. Ainda não me decidi como!… eu tive uma experiência como treinador há mais ou menos uns dois anos no time do Planaltina’.

Blog – Como foi o início da sua carreira como atleta profissional? Você começou a sua carreira no Flamengo?

– ‘Iniciei a minha carreira no futsal do Fluminense e depois fui para o campo com 12 anos já no Flamengo. Onde permaneci até os 20 anos de idade. Joguei poucas vezes no profissional, porque ficava naquela de subir e descer… Eu não comecei com aquele pessoal da Copinha, sou mais novo (risos)’.

Na Gávea, o versátil jogador se transferiu ao Guarani. No time alviverde, o jogador também fez parte de um verdadeiro esquadrão. Ele se transferiu ao Bugre juntamente com Djalminha. Atuando como meia ou volante, Fábio Augusto passou a despertar interesse de vários grandes clubes do Brasil.

Blog – Do Flamengo para o Guarani de Campinas. Como foi o Fabio Augusto naquele timaço do Guarani?

– ‘Cheguei ao Guarani muito novo. O treinador era o Candinho. O time do Guarani, só tinha fera: Djalminha, Fernando, Clóvis, Luizão, Amoroso, Fernandão, enfim, era um timaço. Tecnicamente o time era tão bom, que às vezes não fazíamos nem treinos coletivos. Tecnicamente, esse time foi o melhor que joguei – superando até o Corinthians de 1997 –’.

Fabio Augusto no Guarani-SP/Foto: acervo do jogador

Depois de uma rápida passagem pelo Galo, o jogador acabou contratado pelo Corinthians no pacote promovido pelo extinto Banco Excel para disputa do Campeonato Paulista, em 1997. O Timão foi campeão paulista naquele ano, contando com Túlio Maravilha, Antônio Carlos, Donizete Pantera e André Luiz. Pelo mesmo Corinthians, entretanto, o jogador foi suspenso preventivamente em exame antidoping por 60 dias. No exame foi acusada a substância efedrina, tudo por causa de uma vitamina norte-americana.

Blog – Você chega ao Corinthians, que naquele ano, com a ajuda do Banco Excel, montou um grande time. Inclusive conquistando o Paulista de 97. Como foi o Fábio Augusto no Corinthians?

– ‘Cheguei ao Corinthians… eu havia feito um bom campeonato pelo Atlético-MG… fizemos um campeonato paulista maravilhoso, mas no brasileiro de 1997, teve aquele problema do meu doping, mas superei tudo isso… quando voltei em 1998, com Luxemburgo, ele me deu oportunidade. Tirando a questão do medicamento, a minha passagem pelo Corinthians foi sensacional’.

Fabio Augusto no Corinthians / Foto: acervo do jogador

Blog – Você teve passagens pelo futebol europeu. Conte-nos um fato inusitado que aconteceu com você na Europa?

– ‘Eu jogava na Suécia… na pré-temporada estava muito frio e, por isso, fomos para Espanha – Lamanga. Um Centro de Treinamento – nós tínhamos marcado um amistoso contra um time da Noruega. Achei que esse seria o momento ideal para mostrar o meu futebol… joguei o jogo todo… Iria descansar até às 17hs,.. De repente escuto uns murros na minha porta! Era o auxiliar técnico me chamando pra treinar. Me assustou porque eram treinos fortes. Depois fui entender que essa era a cultura do futebol europeu’.

Blog – Como foi o encerramento da sua carreira?

– ‘Eu consegui estender bem a minha carreira… eu resolvi parar, quando senti que não dava mais. Joguei pela seleção brasileira das Forças Armadas (vesti a camisa que o Pelé vestiu), e encerrei atuando pelo River do Piauí. Eu me preparei para isso… atleta de futebol tem prazo de validade. Consegui meus objetivos no futebol… só não consegui uma chance na seleção brasileira (risos). Hoje, eu não sinto saudades daquele ambiente que envolve o futebol…’.

Fabio Augusto na seleção das Forças Armadas / Foto: acervo do jogador

AGORA O PAPO É RETO

 

Blog – Uma camisa?

– ‘A camisa do Flamengo’.

Blog – Uma partida inesquecível?

– ‘Torneio Rio/SP em 1999, Botafogo 6 x 1 Corinthians’.

Blog – Lateral ou volante?

– ‘Gostei de jogar no meio campo, perto do ataque’.

Blog – Um treinador com quem você trabalhou que marcou a sua carreira?

– ‘Carlos Alberto Silva’.

Blog – Um craque?

– ‘Maradona’.

 

LANÇAMOS A PERGUNTA BOMBA

 

Blog – Se você estivesse no lugar do Tite e, pudesse escalar a nossa seleção brasileira com todos os craques com quem você atuou quem seriam os 11 convocados?

– ‘Taffarel; Alessandro, Juan, Gamarra e André Luís; Leandro Ávila, Djalminha e Bebeto; Amoroso, Donizete Pantera e Tulio Maravilha’;

Blog – Deixe as suas considerações finais sobre o trabalho da nossa coluna:

– ‘Esse espaço é muito bom… acompanho sempre. Nós jogadores podemos contribuir muito mais para o futebol através da imprensa. Que o atleta possa ser cada vez mais ouvido. Esse espaço é sensacional. Espero que o seu trabalho cresça a cada dia’.

Acompanhem os nossos parceiros

Gol de Canela FC

Crônicas do Morumbi

 



MaisRecentes

No Japão, Felipe mira classificação na Copa Imperador para enfrentar Kashima Antlers, de Zico



Continue Lendo

Titular em dois dos últimos três jogos do Corinthians na Série A, Carlos Augusto enaltece convocação para seleção brasileira Sub-20



Continue Lendo

Batemos um papo com Luiz Henrique, atacante do Internacional que destaca campanha no Gaúcho Sub-17: ‘Excelente’



Continue Lendo