Marcelo pode se tornar o 25º brasileiro a atuar pela Juventus



Marcelo interessa a Juventus (Foto: AFP)

Depois de tirar Cristiano Ronaldo do Real Madrid, a Juventus pode contratar outro ídolo madridista: Marcelo. Amigo pessoal de CR7, o lateral seria mais um alvo da Juve. De acordo com o ‘Tuttosport’, a equipe italiana estaria disposta a pagar quase R$ 240 milhões pelo jogador.

Caso a negociação se concretize, o jogador se tornará o 25º brasileiro a vestir a camisa do tradicional clube italiano em toda a sua história.

O primeiro a passar pela equipe foi Ministrinho, nos anos 30. Revelado pelo Palestra Itália, que se tornaria o Palmeiras, o ponta-direita defendeu a Juventus entre 1931 e 1934. Na década de 50, foi a vez de Nardo, ex-Corinthians, atuar pela equipe de Turim.

Na década de 60, o número subiu consideravelmente, com as passagens de Armando Miranda, ex-Flamengo e Corinthians, dos ex-botafoguenses Bruno Siciliano e Dino da Costa, de Fernando Puglia, ex-São Paulo, Chinesinho, ex-Palmeiras, e de Nenê, ex-Santos.

Nos anos 70, foi a vez de João Altafini, o Mazzola, brilhar pela Juve. Ídolo de Palmeiras, Milan e Napoli, chegou a Juventus já veterano, aos 34 anos, mas deixou sua marca no clube marcando 25 gols em 74 partidas.

Com o fechamento do futebol italiano para jogadores estrangeiros, no inícios dos anos 70, os brasileiros retornariam ao clube apenas na década de 90. O zagueiro Júlio César, ex-Guarani, defendeu o time italiano entre 90 e 94.

Os anos 2000 abririam novamente as portas do clube para os brasileiros. O lateral-esquerdo Athirson, em 2000, seria o primeiro, mas sem grande destaque. Na sequência, chegariam o cabeça de área Emerson, o zagueiro Gladstone, o volante Felipe Melo, o centroavante Amauri, o meia Diego, o zagueiro Lúcio, os goleiro Neto e Rubinho, o apoiador Hernanes, os laterais Alex Sandro e Daniel Alves, e os meias Douglas Costa e Matheus Pereira.



MaisRecentes

Dez jovens jogadores rebaixados que podem ser bons reforços para 2019



Continue Lendo

Seis dos dez maiores artilheiros do Brasil no ano podem mudar de clube em 2019



Continue Lendo

Muita produtividade, pouca eficiência: o 2018 de Sornoza



Continue Lendo