Carlos Eduardo pode preencher a lacuna deixada por Keno no Palmeiras



Carlos Eduardo tem no drible sua maior característica (Foto: Goiás/Divulgação)

Rápido, vertical, habilidoso, joga pelos lados do campo e sabe fazer gols. O perfil serve tanto para Keno quanto para Carlos Eduardo, novo reforço do Palmeiras para a temporada 2019. Os dois atuaram juntos no Pyramids, do Egito, e agora a revelação goiana pode substituir seu ex-companheiro, que deixou o Alviverde no fim de junho.

Com muitos meias de toque de bola, como Gustavo Scarpa, Hyoran, Lucas Lima e Moisés, o Palmeiras ficou com uma lacuna de um atleta com as mesmas características de Keno em seu elenco. Se tecnicamente Carlos Eduardo ainda precisará mostrar que é capaz de substituí-lo, por atributos parece ser a alternativa mais viável para Felipão.

O novo reforço palmeirense foi o líder de dribles certos da Série B 2017, com 55 fintas corretas, e vinha comandando o fundamento também em 2018, antes de trocar o Goiás pelo Egito. Keno, por sua vez, chegou ao clube paulista também após se destacar pela habilidade. Com a camisa do Santa Cruz, o atacante foi o 4º maior driblador do Brasileirão 2016, deixando seus adversários para trás 33 vezes. Em 2017, já no Palmeiras, o atacante terminou em segundo no ranking, com 32 dribles, ficando atrás apenas de Bruno Henrique, do Santos.

Outra semelhança entre os dois é a entrega defensiva. Em 2017, Carlos Eduardo terminou a Série B como o terceiro atacante com mais desarmes na competição. Em 37 partidas, realizou 43 recuperações de posse, obtendo uma média de 1,16 por rodada. Uma marca expressiva para a posição. Em 2016, pelo Santa, Keno foi o homem de frente que mais contribuiu na defesa, roubando 49 bolas em 34 atuações – 1,44 por partida. Este ano, fechou o Brasileiro com média de dois por jogo – 18 desarmes em 9 jogos.

A maior diferença entre as características do dois talvez esteja na conclusão das jogadas. Keno possui um histórico mais solidário que o seu ex-companheiro do Pyramids. Mesmo atuando pelos lados, Carlos Eduardo costuma buscar mais a finalização direta do que o passe. Em apenas 12 jogos na última Segundona, arriscou 32 chutes a gol e deu somente seis assistências para finalização, nenhuma para gol. Keno, por outro lado, em nove atuações – três a menos que Carlos -, serviu seus companheiros em um gol e em 11 tentativas. Arremates diretos foram apenas nove.

Claro, é muito cedo para cravar que Carlos Eduardo será um substituto à altura de Keno. Porém, vale ficar de olho na aposta palmeirense, que pode surpreender tanto quanto o seu antecessor.

* Com dados do Footstats



MaisRecentes

Números da Bola ganha novo espaço no LANCE!



Continue Lendo

Cristiano Ronaldo atinge seu primeiro recorde na Itália



Continue Lendo

Fluminense traz Fernando Diniz mas perde seus maiores passadores



Continue Lendo