Espanha e Portugal assinam o Tratado de Maravilhas



FOTO: NELSON ALMEIDA / AFP

A seleções de Espanha e Portugal entregaram ainda mais do que se esperava delas. E o que se esperava já era muito. A partida em Sochi, logo no segundo dia do Mundial, merece o adjetivo que Guardiola costuma empregar para o futebol de alto nível: desfrute! Os vizinhos têm concepções diferentes de jogo, por ene motivos, entre eles a oferta de jogadores que possibilitem um ou outro tipo de desempenho. Os lusos venceram a Eurocopa, contra prognósticos, com um modelo sólido defensivamente e senso de oportunismo. São arrivistas, no bom sentido. E têm Cristiano Ronaldo, senhoras e senhores.

Cristiano, “talvez melhor finalizador da história”, segundo palavras recentes do mestre Tostão, fez os três gols da equipe e já inicia como candidatíssimo a artilheiro deste edição. Um pênalti, um frango do excelente De Gea e uma falta cobrada com técnica rara. De todas os jeitos, com competência e contribuição alheia, é o que ele faz insistentemente temporada após temporada: gols e mais gols. Quando o placar ainda estava 1 a 0, foi o arquiteto de dois contra-ataques que poderiam ser fatais, não fossem escolhas erradas do jovem Gonçalo Guedes. Alie-se a isso o espírito de competidor, a gana de vencer. Ao fim do jogo, as câmeras flagraram seus gritos aos companheiros: “Vamos até o fim!”. O sujeito quer ganhar tudo.

A Espanha possivelmente tenha atingido um nível de técnica de jogo máximo. No sentido da sincronia dos movimentos na construção dos ataques, com toques rápidos e poucos erros. Faz jus ao melhor do Guardiolismo – com o perdão da citação dobrada. Isco e David Silva são os encarregados de ludibriar a marcação, circulando sofregamente pelo campo e trocando passes com facilidade espantosa. Iniesta é o maestro, na proporção em que Thiago, seu substituto na parte final, conduz e distribui. A intensidade do jogo da equipe honra o extinto apelido de Fúria – deveriam ressuscitá-lo!

A partida, que aconteceu antes que favoritos como França, Brasil, Alemanha e Messi estreassem, só nos faz esperar por elevado nível de jogo nesta Copa. A conferir!



MaisRecentes

Recortes do precário futebol brasileiro



Continue Lendo

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo