A árvore da vida do russo Cheryshev



FOTO: Francisco Leong/AFP

A Rússia entrou em campo sob descrença. Dias antes do pontapé inicial da Copa em solo pátrio, o atacante Artem Dzyuba fez uma espécie de manifesto-apelo para que a imprensa baixasse o tom contra a seleção. Há sete jogos sem vencer e figurando como a pior colocada no ranking da Fifa entre as 32 participantes, a anfitriã gerava ceticismo. Mas em casa, com apoio da torcida e um adversário tíbio, sequioso por sair jogando sem ter aptidão para tal, os russos impuseram-se melhor que a encomenda. A Arábia Saudita indica que será a quarta colocada do grupo – atenção ao “indica”, por tratar-se de futebol. A prova dos nove para os anfitriões será o jogo contra Egito de Salah, na terça, dia 19.

Dois personagens chamaram atenção no estádio Lujniki. Não me refiro ao cantor Robbie Williams e nem à soprano Aida Garifullina, que comandaram a festa de abertura e merecem a devida reverência. Falo (ou escrevo) de dois jogadores: Dzyuba e Cheryshev. A seleção russa tem força física e alguma técnica no setor ofensivo. Fez dois dos cinco gols pelo alto, com Gazinsky e Dzyuba, aquele atacante que fez o pedido de trégua aos jornalistas, respondendo na bola.

O talentoso Golovin marcou de falta, com maestria. Mas a atuação que ficará registrada é a de Cheryshev. O bafejo do destino o levou a campo aos 23 minutos do primeiro tempo, após Dragoev sentir lesão muscular. Oportunidade e oportunismo se uniram. Os dois mais bonitos gols foram dele, o segundo maiúsculo, desses para figurar na galeria dos grandes de uma Copa. Se o compatriota Salenko cravou o nome pelos cinco gols contra Camarões em 94 – índice jamais superado em uma partida de Copa – Cheryschev estará entre os raros que estrearam em um Mundial com desempenho desse nível.

Declaração do jogador do Villareal após a partida dá os quilates dos fados da bola:

– Nem em meus melhores sonhos podia imaginar isso. Já estava feliz de estar entre os 23, porque não tinha certeza, nem sonhava!

A Copa do Mundo, enfim, começou!



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo