No bipolar Brasileirão, o futebol é obra inconclusa



Na 10ª rodada, Grêmio e Corinthians fizeram o jogo do ‘ápice’ de identidade em um campeonato carente dela (FOTO: Fabio Gomes / Raw-Image)

O Brasileirão de 2017 está fazendo valer o clichê de “campeonato mais difícil do mundo”. A questão é como essa dificuldade se manifesta, na forma de grandes jogos e times com “densidade” de jogo, ou um nivelamento por baixo, com obras inconclusas, que não se sustentam, não têm longevidade. Primeiro, observemos a expressão numérica do pretenso equilíbrio. Para isso, basta espiar a classificação ao fim do primeiro turno e cotejá-la com a da 13ª rodada do segundo. Ficamos frente a frente com dois mundos à parte, quase sem pontos de encontro. A Narciso nem se permite rejeitar o que não é espelho por falta de alternativa. O exemplo mais gritante é o do líder Corinthians. que teve assombroso aproveitamento de 83% na primeira metade, um recorde na era dos pontos corridos, e, por ora, encontra-se na zona de rebaixamento do returno. Uma bipolaridade ludopédica!. O São Paulo fez caminho inverso. Depois de terminar a 19ª rodada na zona do rebaixamento com 19 pontos (módicos 33% de aproveitamento), o Tricolor é o vice-líder do returno, com cinco pontos a mais do que acumulara no turno, ainda que tenha feito seis jogos a menos. A equipe só não lidera esse extrato da disputa porque tem um gol a menos de saldo que o Cruzeiro.

Se olharmos os blocos das extremidades em um turno e outro, aí é que verificamos a existência de um duplo universo, como se estivéssemos falando de campeonatos separados. O G4 tem apenas um integrante repetido nos dois turnos: o Palmeiras, quarto colocado em ambos. Já a zona do rebaixamento não tem uma repetição sequer. Regularidade, adjetivo tão evocado como condição sine qua non de campeonatos por pontos corridos, restringiu-se ao primeiro turno do Corinthians e sequências curtas, sem fôlego, de alguns times.

O fato de o Corinthians, em que pese o tombo de rendimento, ainda ter uma vantagem graúda na liderança endossa a ideia de que a inconsistência foi regra no campeonato. Os principais perseguidores desperdiçaram as chances que tiveram de uma aproximação real. Não conseguiram se impor contra equipes que lutam contra o rebaixamento, viveram em uma gangorra. Um fato a reforçar como as equipes no Brasil, que trocam de técnico quando qualquer crise se avizinha, têm dificuldades em estruturar projetos, não conseguem se encorpar minimamente, e pagam o preço da flacidez de desempenho. O último exemplo, e mais eloquente, foi o Palmeiras. Na semana em que poderia virar o jogo, quando, sob o comando do promissor Aberto Valentim, esboçava um futebol agradável, dependendo apenas de suas forças, fez apenas um ponto ao empatar com o “desobrigado” Cruzeiro, em casa, e perder o confronto direto para o arquirrival. Será difícil apagar a sensação de que a esquizofrênica fórmula de apostar em um técnico no início do ano (Eduardo Baptista) à espera do retorno de outro, como se ungido fosse (Cuca), foi fatal para o clube alviverde.

Para além dos números e circunstâncias, há o elemento mais relevante de todos: o que vemos em campo! Independentemente de preferências estilísticas, o fato é que, curiosamente, identificamos apenas na primeira parte do campeonato trabalhos com solidez. Isso se manifestou em antepostos. O Corinthians, pautado na dupla capacidade de se defender bem, com admiráveis concentração e organização, e de ser letal nas poucas chances criadas. E o Grêmio, com um jogo mais vistoso, de toque de bola, preferindo, na contra-corrente, tomar a iniciativa com técnica e autoconfiança. O cume dessa dualidade veio na décima rodada, no confronto direto, quando o estilo corintiano venceu o gremista em Porto Alegre em jogo que retratou fielmente as identidades. O Corinthians conseguiu exercer seu padrão até o fim do primeiro turno. O Grêmio, depois disso, teve apenas chispas do seu modelo, perdeu o ímpeto. O fato de ter negociado Pedro Rocha, um dos pilares do seu jogo, e ter passado a dedicar-se prioritariamente às duas competições de mata-mata que corriam paralelas, foram determinantes.

Há duas opções de desfecho para o Brasileirão de 2017. Se o Corinthians for o campeão, ainda o mais provável, teremos um raro caso em que a identidade de jogo realizou-se à perfeição no primeiro turno e, depois de desandar no segundo, beneficiou-se da ausência total de identidade dos adversários, Se perder o título para Santos, Grêmio ou Palmeiras, porém, a perda total de identidade no segundo terá sido fatal, com o proveito disso sendo tirado na reta final por um time que, se não teve uma identidade clara, conseguiu ser oportunista no momento decisivo.



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo