Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Neymar não estava sentado na escadaria da igreja Saint-Étienne-du-Mont, no Quartier Latin, em Paris, e foi capturado por uma carruagem que o conduziria a um idealizado passado de requinte cultural na capital francesa. Ao contrário de Gil, personagem de Owen Wilson em “Meia-Noite em Paris”, o atacante não foi fisgado pela nostalgia de um tempo romantizado, mas por seduções do presente. Muito dinheiro, ambições esportivas – ser melhor do mundo e elevar o patamar internacional de um clube – e ambiente repleto de brasileiros. Independentemente do peso que cada fator teve, inegável a atratividade.

O ser humano é mais complexo do que nos fazem supor as assertivas convictas e em poucos caracteres destes tempos de redes sociais. Assim como na busca de Gil havia muito de fábula (“Nunca estamos satisfeitos porque a vida não é satisfatória” é o leitmotiv do filme do gênio Woody Allen). O homem busca a vida em rosa (“La vie em rose”), como na canção tornada célebre por uma famosa parisiense: Édith Piaf.

Nesses dias que separaram a informação do “sim” ao PSG da concretização do negócio astronômico, Neymar esteve com o pescoço direcionado para a afiada guilhotina da crítica. A interpretação hegemônica deu tom herético à troca. O tamanho das equipes, com tudo que isso pode significar, deu carne à sentença principal. Como se os outros fatores já citados (dinheiro, atmosfera e inéditas ambições esportivas) tivessem peso menor e não movessem um indivíduo.

Uma escolha dessas têm, certamente, seu quinhão de tortura. Por absurdo que possa soar diante do glamour que revolve Paris – Gil que o diga! – e a quantia envolvida na transação, não deve ter sido fácil trocar a certeza vivida em Barcelona pelas incógnitas no PSG. Neymar poderá fazer passeios noturnos pela Pont Alexandre III, sobre o rio Senna, como Gil, sempre se questionando sobre o caminho que seguiu. A vida não é satisfatória! Mas, levando ou não o clube ao título europeu e sendo ou não eleito o melhor do mundo, provavelmente dirá, como em outra canção eternizada por Piaf: ‘Je ne regrette rien” (Eu não lamento nada!).



MaisRecentes

Rica em talentos, França rompe com paradigma recente



Continue Lendo

Espanha morre abraçada ao ‘tiquitaca’ odiado por Guardiola



Continue Lendo

Em cartaz na Rússia: ‘El secreto de sus Rojos’



Continue Lendo