Um Dérbi sob o signo da invencibilidade



corinthians x palmeiras

FOTO: Jales Valquer / Fotoarena

O primeiro Dérbi após o confronto ter se tornado um ‘senhor’ centenário (o aniversário foi no último dia 6 de maio) acontecerá sob o signo da invencibilidade. O zodíaco do clássico parece ter concentrado forte energia astral para o jogo desta quarta à noite. Se alguma das séries invictas irá cair, ou se elas permanecerão, nenhum astrólogo revelará de antemão. O início avassalador do Corinthians no Brasileirão, com 88,9% de aproveitamento, é o principal responsável pela relevância que o encontro da 13ª rodada adquiriu. Os quatro pontos que a equipe deixou pelo caminho foram em dois empates contra times alviverdes, Chapecoense e Coritiba. Mera coincidência ou mau agouro para a Fiel , o fato é que os palmeirenses estão eufóricos com a possibilidade de arranhar a couraça de invencível do arquirrival. A caminhada do Corinthians no campeonato se une aos 14 jogos que o precederam, resultando em 26 partidas sem perder. É a quarta maior série da história do clube alvinegro, empatada com a era Tite de 2015. As únicas duas derrotas no ano foram para adversários de menor expressão, Santo André e Ferroviária, ambas na insossa primeira fase do Campeonato Paulista. Trocando em miúdos: lá se vai mais de um semestre sem que a torcida do Corinthians saiba o que e perder um jogo grande.

O fato de o duelo ser no Allianz Parque é recheio que dá ainda mais sabor para o clássico. O Palmeiras não perde em sua casa há quase um ano. O último revés foi em 24 de julho de 2016 – e para contrabalançar o ambiente de mística, foi para um alvinegro, o Atlético-MG. Já são 28 partidas sem derrota do atual campeão brasileiro no local. Se a vitória contra o Grêmio, em Porto Alegre, foi uma espécie de batismo de fogo para Carille e cia. pelas circunstâncias envolvidas – valia a ponta naquele momento e tensionava estilos de certa forma antagônicos de jogo -, um bom resultado no clássico na casa do rival e diante de torcida única adicionará uma nova, e lustrosa, camada de casca.

Afora as invencibilidades colocadas à prova, o Derbi tem outros ingredientes a imantar os olhares. Um triunfo do Corinthians deixará o adversário 16 pontos atrás. É uma vantagem abissal, quase impossível de ser tirada. O sonho do bicampeonato irá se esfarelar precocemente. Meses atrás, quando o clube encerrou jejum de 22 anos sem conquistar o Brasileiro, seria impensável que na edição seguinte, e com o mesmo técnico, fosse possível um distanciamento tão grande em estágio tão imaturo da disputa. A prioridade à Libertadores, já verbalizada por jogadores e até pelo técnico Cuca, não importa em desdenhar do campeonato nacional. Tanto que o treinador já falou de sua projeção de aproveitamento para ser campeão, ressalvando o índice ‘anormal’ do Corinthians até aqui e expondo sua ambição. Não teria cabimento colocar a principal competição nacional em segundo plano tão cedo sendo ela a única com garantia de permanência até o fim. Mata-matas têm no fatalismo elemento indissociável.

Por fim, há o nível do futebol em si. No seu retorno após um ‘retiro’, Cuca ainda não conseguiu dar consistência ao Palmeiras. É o oposto do que ocorre com o Corinthians, time com mais solidez no Brasil atualmente. Em meio à maratona de jogos, o técnico tem um elenco mais vasto, mas ainda não o amoldou aos seus pensamentos. Pouco mudam os titulares do Corinthians, é fácil cantar o time de Cássio a Jô. E nas mudanças tópicas, exigidas por lesões ou suspensões, quem entra parece já ajustado ao modus operandi de compactação, disciplina na ocupação de espaço, concentração máxima e eficiência. Paulo Roberto, Marquinhos Gabriel e Léo Príncipe que o digam. O Palmeiras teve uma melhora, com momentos de bom futebol, como contra Fluminense, Bahia e Ponte Preta, mas há vazios. A ponto de o clube estar obsedado por contratar Diego Souza, Vencer o Corinthians, acabando com a banca de invencível do rival, diante do desnível em que se encontram hoje, daria autoestima e gás para uma reação.



  • Miguel Souza

    Amigos palmeirenses! não consigo entender o que se passa com o Palmeiras, tanto investimentos, dinheiros gastos pra apresentar uma bolinha dessa? Olha eu falei pra alguns Palmeirenses sobre a volta do Cuca, eles achavam que com a volta dele as coisas se encaixariam, eu disse: não me iludo com Isso! a 2ª passagem tanto de um jogador como de um treinador, as vezes não é vitoriosa como na 1ª, resumindo! depois da derrota de ontem e o que o Cuca falou, minhas expectativas criadas esse anos já foram por terra! tomara que eu queime a língua!, mas eu não acredito em títulos esse ano! que ficara muito feio pra nós Palmeirenses, serviremos de chacota pra outras torcidas!, desculpem, mas é um desabado de um apaixonado palmeirense, muito decepcionado!

MaisRecentes

Guttman, uma bela e vitoriosa trajetória



Continue Lendo

Palmeiras x São Paulo: rivais contra o vexame



Continue Lendo

Neymar, entre a guilhotina e ‘la vie en rose’



Continue Lendo