Para que servem os títulos estaduais?



novo hamburgo

FOTO: Itamar Aguiar/Agencia Freelancer

No domingo, conheceremos os campeões estaduais Brasil afora. Então, cabe a pergunta: Para que servem esses torneios? A sua âncora principal, evidentemente, é a tradição. No início da prática do futebol no país, o verbo era por eles pronunciado antes de tudo. Já foram bastante almejados, conquistá-los era a glória do Oiapoque ao Chuí. É possível montar uma estante de biblioteca só com grandes histórias dos estaduais. A grandeza, porém, ficou para atrás. O avanço das tecnologias de comunicação e transporte, forças motrizes do que chamamos de globalização, afetou em cheio o futebol, assim como todas as áreas da vida. As rivalidades locais não perderam o viço, continuam sendo um dos motores da paixão, mas clubes grandes e suas torcidas ambicionam prioritariamente títulos maiores, nacionais e internacionais. E, se na campanha, baterem seus vizinhos, melhor ainda!

Delimitada essa realidade, vamos ao olhar prático de momento. Contextos definem a relevância de títulos. Se o Novo Hamburgo amealhar o Campeonato Gaúcho, algo bem plausível, o fato terá dimensão epopeica. O estadual terá o valor de um Mundial para os torcedores do clube do interior gaúcho. A desgastada metáfora de Davi x Golias estará ressurrecta pela enésima vez. E se a conquista for do Inter ela não será de todo desimportante. O ego ferido dos colorados pela queda à segunda divisão do Brasileiro receberá um afago. E ele será ainda mais prazeroso por representar o heptcampeonato, sedimentando hegemonia que aflige os rivais gremistas. Eis um exemplo de como o enfraquecimento dos estaduais convive com o paradoxal intensificar das rixas locais.

Em São Paulo, o Corinthians está perto de aumentar sua expressiva vantagem na liderança de conquistas – será o 28º contra 22 do segundo colocado Palmeiras. Mas a importância maior está para o técnico Carille, efetivado com relutância pela diretoria depois de anos trabalhando na base. Para o time, a aquisição de confiança para buscar uma temporada melhor que a projetada em meio a problemas políticos. Se a Ponte Preta conseguir a façanha de virar a situação, o que soa impossível após a lavada de domingo passada, será o maior título da sua história, o único de elite. Assim como para o Novo Hamburgo, o sabor será supremo.

Minas e Rio de Janeiro têm finais tradicionais. Para Atlético-MG, Cruzeiro, Flamengo e Fluminense, o sentimento óbvio no caso de título será o da alegria de derrotar um rival histórico. Mas o que acontecer, deve-se suspeitar, terá desdobramento frágil para o restante da temporada. O título dará um tipo de crédito fugidio com os torcedores. Esse crédito irá se liquefazer rapidamente, para isso bastando na sequência eliminações na Libertadores (Galo ou Fla) e na Copa do Brasil (Cruzeiro ou Flu).

Aqui me restringi aos quatro estaduais mais importantes. Mas há outros tantos e basicamente o impacto dos títulos estará ligado ao esquema: superação de rival, afirmação de técnico e equipe ou glória de um clube menor. Ba-Vi, Atletiba, Chapecoense x Avaí, Sport x Salgueiro, Goiás x Vila Nova e mais outros tantos ocorrerão. Mas registre-se, mais uma vez: estamos em maio, quase meio da temporada, e não faz muito sentido essas competições acabarem apenas agora. Fossem mais curtas, acabassem antes, talvez até se valorizassem, pois testes impactantes não sobreviriam rapidamente. O título poderia ser degustado por mais tempo.



  • Bira Fogão

    Os Estaduais só deveriam ter menos importâncias do que o Campeonato Nacional. E numa distância bem curta!
    Das centenas de equívocos que nos levaram ao “futebol Alemanha 7 x 1”, “o fim dos Estaduais” foi o maior deles.

  • MALOQUEIRO !!!

    28 x22 parmera kkkk

  • Charles Ubiratan

    Falasse tudo, acho que deveria estar no mesmo nível de uma Copa do Brasil !

  • Rodrigo Quintana Viana

    para que serve? então me doem o dinheiro das cotas dos estaduais! Já que não serve pra porra nenhuma!

MaisRecentes

Cristiano Ronaldo, uma máquina de obstinação



Continue Lendo

As lições do ‘aspirante’ Carille no senso comum



Continue Lendo

Luxa vive um longo crepúsculo dos deuses



Continue Lendo